Em Destaque

domingo, 3 de junho de 2012

[Santa Maratona! Batman..Ressurge] Batman Eternamente (Dir. Joel Schumacher, 1995): Postagem Comemorativa para Colecionadores

NESTA POSTAGEM
SANTA MARATONA! 
BATMAN..RESSURGE
ACOMPANHE ANTES DE ASSISTIR O ÚLTIMO FILME DA TRILOGIA DE CHRISTOPHER NOLAN: 
BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE

SESSÃO CRÍTICA
BATMAN ETERNAMENTE
MAIS CORES, MENOS PROFUNDIDADE
EXTRAS DE COLECIONADOR
PROMOCIONAIS
VÍDEOS
DA BAT COLEÇÃO - PARTE 3:
DVD BATMAN ETERNAMENTE - EDIÇÃO DE COLECIONADOR
FICHA TÉCNICA
SOBRE


SESSÃO CRÍTICA
BATMAN ETERNAMENTE
MAIS CORES, MENOS PROFUNDIDADE

Batman em um raro momento de largo sorriso


 Michael Keaton recusou retornar e o manto de Batman/ Bruce Wayne acabou por ter a mesma sina de 007. Cada filme/ fase um ator diferente. Então era a vez de Val Kilmer encarar o papel. Para alguns críticos, Kilmer era tão bom quanto Keaton. Mas no final das contas, senti saudades de Michael Keaton. Não que Val Kilmer seja um ator ou uma escolha ruim, era o padrão que os produtores estavam buscando naquele momento. Mas a sensação que a escalação dele deixou é que qualquer ator poderia estar naquele papel que ainda sentiria falta de Michael Keaton.

Na pele de Keaton, certamente Batman Eternamente teria um rumo diferente. Presumo que Keaton poderia abusar mais de seu sarcasmo (de suas veias humorísticas) ou de um comportamento mais lunático, levando em consideração o rítimo mais acelerado de Batman Eternamente. Mas pra completar o pacote, com Tim Burton na direção (ao invés de produtor executivo) seria o terceiro filme dos sonhos. Havia grandes rumores de Burce Wayne aposentar a sua identidade de Batman num terceiro filme com a dobradinha Keaton/ Burton. Essa história não é muito diferente de algo que está acontecendo atualmente, com a política dos filmes de Nolan: - Vamos terminar tudo em uma trilogia.

 Para trazer um novo folego, a Warner buscou Joel Schumacher - um diretor conhecido por filmes de suspense policiais como Um Dia de Fúria (1993) e O Cliente (1994). Schumacher, antes de aceitar, consultou ao amigo Tim Burton quanto ao convite e, como uma pacífica passada de bastão em um encontro de almoço, Burton já dizia que sua missão foi cumprida. Cogitava-se muito entre os fortes boatos e notícias de fofocas, da época, que as divergências criativas seriam os reais motivos da recusa de Michael Keaton.

Sem Burton e sem Keaton, pode se dizer que era a primeira tentativa de Schumacher e os produtores mudarem, de leve, o universo cinematográfico do personagem. Já se notava uma expressiva expansão no uso de cores na direção de arte e a busca por uma visão menos melancólica e mais sedutora era o possível fato para atrair mais as expectadoras femininas. Isso resultou em um filme menos sombrio mas não menos divertido, com a presença dos vilões, Jim Carrey (O Charada) e Tommy Lee Jones (Harvey Dent/ Duas Caras). Estima-se que essa  brusca mudança era pelo motivo de que se temia o clima pesado por qual a franquia Batman estava rumando. Mal eles sabiam que esse não era o rumo correto. 

Perdemos Michele Pfeiffer na pele de Mulher Gato, mas em questão de beldades os marmanjos não podem reclamar de Batman Eternamente. Ganhamos Nicole Kidman, como Chase Meredian, em um de seus momentos mais belos na telona, e Drew Barrymore na pele de Sugar - uma das mulheres de Harvey Dent/ Duas Caras (Tommy Lee Jones).

A temática Natalina, já bem explorada nos dois filmes anteriores é aqui substituida pelo Dia das Bruxas (conhecida originalmente como a noite de Halloween). Uma possível idéia do produtor Tim Buron para justificar combinação do uso de cores na direção de arte.
Chris O' Donnell entra para o elenco como Dick Grayson/ Robin. A origem de Robin mostrada no filme é bem semelhante com a das HQs.
O novo Batmóvel é uma alegoria. Ainda mais de luzes ligadas, se parece bastante com algumas torres de computador hoje em dia.

A dupla Jim Carrey, como  Edward Nigma/ Charada, e Tommy Lee Jones, como Harvey/ Duas Caras, destacam-se como os divertidos vilões, entrando para o Hall dos melhores inimigos de Batman na tela. Em um tom mais próximo ao dos quadrinhos, Jim Carrey se sobressai mostrando o lado cômico e sombrio de seu Charada - um vilão cuja extrema inteligência pode ser a sua força e a sua fraqueza.

Há momentos louváveis neste primeiro filme de Schumacher. Foi neste que se tocou em uma primeira tentativa de explorar o passado de Bruce Wayne e a sua busca por vingança - após a morte dos seus pais - mesmo sem se aprofundar demais.

O conceito de arte desenhado por Bob Ringwood para o personagem Robin, que seria interpretado por Marlon Wayans. Caso Tim Burton quisesse incluí-lo em um terceiro filme como diretor. Há também remotas informações de que Wyonna Ryder estaria cogitada para o papel deste provável filme. Vocês podem encontrar aqui. Bob Ringwood foi também o idealizador da roupa de Batman para os filmes de Tim Burton.

EXTRAS DE COLECIONADOR
PROMOCIONAIS

Cartazes Oficiais



Figurinha da Minha Coleção Pessoal

Adaptação Oficial do Filme 


Paródia da Turma da Mônica
(Batmenino Eternamente)

Nos Simuladores de Pinball

VÍDEOS
KISS FROM A ROSE - SEAL
Uma coisa que também não se pode reclamar de Batman Eternamente é a sua ótima trilha sonora. Acompanhe este tema oficial do filme cantada pelo artista Seal.


HOLD ME, THRILL ME, KISS ME, KILL ME - U2

Música oficial da banda U2

PROPAGADA DA TRILHA SONORA


TRAILER DA TV AMERICANA - LANÇAMENTO DO VHS


DA BAT COLEÇÃO - PARTE 3:
DVD BATMAN ETERNAMENTE - EDIÇÃO DE COLECIONADOR
- Em Decifre O Enigma: Por Que Batman Eternamente?  atores comentam suas experiências quanto ao filme.

Bem, nas cenas perigosas você realmente gosta da BatRoupa. Na verdade há uma razão para estar coberto por 18 quilos de borracha. 
Val Kilmer - O BatEterno

Acho que fiquei muito parecido com a Michele Pfeiffer. Tem um pouco de Fred Astaire, um toque. 
Como é que não fui Batman? Eu não quis ser o Batman. É, foi isso.
Jim Carrey - O Enygma/ O Charada

A pressão não vem das complicações do personagem, na realidade vem da magnitude do filme. Os cenários são imensos.
Tommy Lee Jones - Harvey Dent/ Duas Caras

Eu acho que sou a primeira personagem feminina do Batman que consegue beijar o Batman. Eu consegui beijar o Batman. Foi emocionante.  
Nicole Kidman - Dra. Chase Meredian

Eu queria fazer uma história em quadrinhos ao vivo e essa é grande. Alguém fez algo certo quando eles criaram o Batman.
Joel Schumacher - Diretor
A visão brilhante de Schumacher inspirou cenários e locações criativos
Locutor


O Batmóvel é demais. Queria levar pra casa mas acho que não vai dar certo.
Chris O'Donnell - Dick Grayson/ Robin


Quando o Batmóvel anda a 160 KM por hora pela Wall Street é um grande desafio.
Peter Macgregor Scott - Produtor

Sobre o Batmóvel visto em Batman: Eternamente, o ator Chris O'Donnell explica:
Tem as rodas novas que se iluminam com o Batlogo e uma estrutura de dobra feita com o mesmo material dos aviões a jato. É uma versão automotiva estilizada de um morcego. E este único aerofólio aqui lembra o primeiro Batmóvel que apareceu numa revista em quadrinhos de 1941. 


Comparações: O Batmóvel de 1941 (à direita) e o do filme (à esquerda).

Uma coisa que acredito, que é realmente forte, é que ele é um ser humano. Não há nada de biônico, então você pode se identificar com ele. Ele não se incomoda em ser o Batman e isso é divertido de fazer quando o personagem sabe como é o seu mundo como ele veste a capa e entra no Batmóvel. E então as coisas mais fantásticas sobre Bruce Wayne têm a ver com os ideais básicos do sonho Americano. É incrivelmente rico. Tão que rico que isso nunca é comentado. É solteiro e o que decide fazer com seu tempo livre é lutar uma batalha impossível.
Val Kilmer - Bruce/ Batman

A sina de Val Kilmer como o vingador alado pode ter sido escrita aos 8 anos quando visitou os cenários da série Batman para a TV.
Locutor - sobre a participação de Val Kilmer nos bastidores da série com Adam West


Sobre a participação na série de TV dos anos 60 durante a infância, o ator Val Kilmer (Bruce Wayne/ Batman) comenta: - Eu me enrolava por volta do Batmóvel e andava pelos cenários. Eu estava no terceiro ano quando passou o primeiro programa. Todos os colegas contando a história durante o recreio. No fim do dia eu ouvia tantas vezes que a estava representando. 


Sobre a escalação de Val Kilmer para ser Batman no filme, o diretor Joel Schumacher comenta: 
- Isso traz uma visão renovada de Batman e é estimulante. 



Com base nos depoimentos do ator Chris'O DonnellO Charada surgiu em 1948 (Detective Comics nª140), embora o vilão seja muito popular,  o personagem desapareceu dos quadrinhos por 20 anos até voltar em 1965.


É mesmo um grande personagem porque é, quero dizer, começa muito louco. É sobre não se amar e ver alguém que é quem você gostaria de ser e detestá-lo por isso. 
Mas isso assume formas diferentes e ele fica tomado por uma energia e poderes maléficos que, sabe  (risadas) você não pode fazer nada a não ser adorar interpretá-lo. É impressionante. 
Jim Carrey - sobre seu personagem, Edward Nygma/ O Charada


Sobre o controlador de mentes que Edward Nygama, como o Charada, cria com o Harvey/ Duas Caras (Tommy Lee Jones) no filme, Jim Carrey ironiza: -  É a ultima palavra em espermatozóides. Basicamente suga o QI de quem está assistindo televisão que está conectada e redireciona as ondas cerebrais para o crânio de Edward Nygma devorando assim o QI das pessoas. Assim torna-se extremamente inteligente embora seja louco.  
Sobre as cenas de ação, Jim Carrey comenta: - Com explosões e tudo era eu mesmo lá. Quer dizer, tinham coisas explodindo a minha volta.  Estava bem lá com as explosões. Simplesmente era (simula uma reza mmmm)..Ação.


O ator Tommy Lee Jones admite que não conhecia o personagem Harvey Dent/ Duas Caras e que foi motivado pelo seu filho, que conhecia o personagem. Tommy, então, consultou o próprio criador do Batman para algumas dicas de seu personagem e aí ele perguntou: - "Você estava pensando em Jakyll e Hyde quando criou Duas Caras?" Bob Kane então disse: - "Brilhante".


Os filmes Scarface e O Médico e o Monstro, respectivamente

A primeira aparição de Duas Caras nos quadrinhos

Harvey Dent chegou a ser interpretado por Blly Dee Williams no primeiro filme, dirigido por Tim Burton, mas nunca teve a oportundade de viver o seu lado vilãnesco.

Duas Caras nunca havia sido feito ao vivo anteriormente, segundo o ator Chris O'Donnell.
Sua primeira aparição foi no número 66 da série Detective Comics em 1942. As inspirações vieram com base no ator George Raft, como o gangster no filme Scarface: A Vergonha de uma Nação (1932 - a primeira versão que veio antes da refilmagem com Al Pacino em 1983), e na história O Médico e o Monstro (Dr. Jekyll and Mr. Hyde - cuja a capa acima é do filme de 1931).


Lembre-se, seu pássaro não terá outras asas que as de um morcego: Bob Kane, com apenas 13 anos, observou essa frase e as artes em um livro de 1483 do mestre da renascença, Leonardo da Vinci, e então lá estava pra ele: Batman. Foi assim que ele idealizou o então mais popular super-herói adaptado dos quadrinhos para o cinema. Entende-se que a ilustração trata-se de um modelo de máquina de vôo - um projeto sonhado por Da Vinci. Ou seja, Da Vinci queria comparar o planador a um morcego - e quem utiliza um planador, ou o constrói, é o homem.


 Um trecho da música Kiss From a Rose (Seal), música que faz parte da trilha sonora do filme, descreve a relação complicada entre Bruce/ Batman e Chase Meredian. O ator Chris O'Donnell relembra o trecho: - você é a luz que preencheu o meu lado sombrio.


Dra. Chase Meredian é a mocinha que fica atraída pelo visual e o rítimo de adrenalina e segredo que envolve o justiceiro mascarado alado, Batman. Ela também não esperava encontrar um outro grande caso: o seu alter-ego, o milionário Bruce Wayne, como um paciente e companheiro. E então ela fica dividida entre o feitiche e o romance.

E aí fica a dúvida sobre a doutora: é paixão por Batman ou amor por Bruce Wayne?

Ela é uma psicóloga criminal que simplesmente tem o cabelo perfeito e a maquiagem perfeita e tudo um pouco perfeito demais. Ela acaba de se mudar para Gotham City, e é assim que conhece Batman, e ele acaba de tirando os pés dela do chão. Sabe, ela não consegue acreditar. Ele é absolutamente incrível vestindo a sua Batroupa. Eu avanço nele sem a menor vergonha.  


 Eu ligo o Batsinal que na verdade só deveria ser ligado quando há um problema sério. Mas eu ligo o Batsinal só por que quero vê-lo e quero que me veja. Uso um vestido com um grande decote.  
Batman é atraente porque vive a vida nos limites e parece ser misterioso e ela não sabe de nada então de certa forma é seguro pra ela porque sabe que nunca vai tê-lo de fato.
Bruce Wayne vem me visitar e é como sou apresentada a ele começo a ajudá-lo, tentando resolver algumas charadas do Charada. Bruce parece tão correto e parece tão controlado e a persegue. Isso também é atraente. Então está numa encruzilhada. Quem escolher? Ótimo lugar para estar. (risadas)
[...]
Eu não gosto de ficar presa a um gênero. Gosto de ser versátil. Mudar minha aparencia mudar os personagens. Isso é o que me atrai na representação.
Nicole Kidman - Dra. Chase Meredian
Notas do Charada: E ele achando que era só pelo Batmóvel.

Bom, eu nunca soube do Batman sem Robin. Quer dizer, cresci com Batman, e sempre havia Batman e Robin então parecia natural. E voltamos à história em quadrinhos original. Os seus pais morrendo daquele jeito, tudo é parte das histórias em quadrinhos.
Joel Schumacher - Diretor


A primeira aparição de Robin foi na Detective Comics Nª38 Abril de 1940.

- Em As Sombras do Morcego: A Saga Cinemática do Cavaleiro Negro novas charadas são reveladas sobre o filme (O Jogo Real Vai Começar).

Joel Schumacher assumiu sua vontade em adaptar Batman: Ano Um, mas houve pressão do estúdio em se recusar. Segundo ele:  - Há muito tempo quando tudo isso começou, Batman: Ano Um, os quadrinhos de Frank Miller, foram os meus favoritos e eu sempre esperava poder fazer esse. Não havia nenhuma vontade de fazer na primeira vez e definitivamente nenhuma vontade de fazer na segunda vez. Se referindo aos dois filmes que ele dirigiu (Batman Eternamente e Batman & Robin). 


Então, eis a charadaA intenção de Schumacher era tentar trazer ares mais sombrios aos filmes Batman Eternamente e Batman & Robin?

Sobre a associação do diretor aos dois filmes, o roteirista, Akiva Goldsman, esclarece a diferença de tom e o motivo da existência da personagem Dra. Chase Meredian:
- Batman Eternamente e Batman & Robin são frequentemente colocados juntos, mas Batman Eternamente é mais sombrio que Batman & Robin.  É uma nova versão da história original de uma forma que busca um olhar mais próximo na psicologia do Bruce Wayne mais jovem e como ele virou o Bruce mais velho. Há um trecho do  filme que não está na montagem final mas que é, estranhamente o elemento narrativo que foi a base para a história. Durante todo o filme há essas imagens decorrentes do livro. Esse livro misterioso.  


E no filme, quando o livro é mostrado como o diário do pai de Bruce. Simplesmente diz: - "Ele escrevia nele todos os dias. Nunca mais voltaria a escrever. Naquele momento, eu soube que a minha vida jamais seria a mesma".  No roteiro e no filme que rodamos há uma ótica muito diferente do filme em que ele abre o livro e a última coisa escrita é: - "Martha e eu queríamos ficar em casa hoje à noite mas Bruce insistiu em ver um filme".  E assim a idéia era que em algum lugar Bruce lembrava e reprimia sua fantasia de que tudo era sua culpa que se não os tivesse  obrigado a ver um filme naquela noite, nunca teria saído e nunca teriam sido assassinados. Então todo o filme  foi construído em cima dessa idéia psicológica. 

Por essa razão a personagem romântica é uma psicóloga e a razão pela qual havia uma seção inteira do filme que estava nos comerciais e pré-estréias quando Bruce volta então para a batcaverna em que caiu, fugindo, quando estava segurando aquele livro e vê aquele morcego gigantesco. Val abre seus braços e o morcego abre suas asas. Um componente assim, muito gótico no filme. Bastante sombrio. Era muito mais complexo, meio engraçado mas uma versão mais sombria do filme.
Akiva Goldsman - Roteirista


Val Kilmer fala da generosidade do criador de Batman: - Adorava falar com Bob Kane. Ele dizia que gostava do que eu fazia. Era agradável sempre que dizia, e dizia várias vezes. Então, ficava fácil trabalhar. Minha cabeça inchava dentro da Batroupa.   


O primeiro do Tim Burton teve aquele pessoal incrível, Michael Keaton e Jack Nicholson. O segundo (Batman: O Retorno), eu não gostei muito, ficou sombrio. Simplesmente não gostei tanto.
Chris'O Donnell - O Robin -

O ator Chris'O Donnell  é a favor do do visual colorido de Schumacher, assumindo que: - Estes filmes são sobre enfoques visuais e o Joel é uma cara visual. Esclarece.

O Tim fez uma aventura mais psicológica e o Joel uma aventura mais visual. Emoção para ver. 
Michael Gough - Alfred Pennyworth


Acho que Batman Eternamente captou claramente aquele clima de 1940, começo dos anos 50 de Batman nos quadrinhos. Bill Finger escrevia essas histórias incríveis sobre o Batman combatendo vilões pulando de uma gigantesca máquina de escrever que estava exposta numa feira mundial ou sabe-se lá o quê e gigantescos apontadores de lápis. Batman & Robin estavam lutando pela primeira vez. O Charada fez a sua primeira aparinão nos quadrinhos nessa época. E daí tudo começou a mudar  e acho que Batman Eternamente conseguiu capturar bem essa época das revistas em quadrinhos.   
Michael E. Uslan - Produtor Executivo

Acho que estava querendo revitalizar o negócio, para dar um visual novo. Deixá-la como as tiras cômicas e provávelmente em uma palavra, mais pop. E o Joel, é claro, foi a escolha perfeita para isso. Creio que foi uma das razões porque queriam o Joel porque ele queria fazer uma história em quadrinhos ganhar vida.
  Peter Macgregor Scott Produtor

Bob (o criador de Batman) achou isso por que o segundo estava, em alguns momentos, meio sombrio então o terceiro deveria ser um pouco mais movimentado. Não como a série de televisão, de jeito nenhum, mas um pouco mais leve, mais claro que o segundo.
Elisabeth Sanders Kane - Esposa de Bob Kane  - sobre o entusiasmo pelo filme.

O filme era mais grandioso e mais caloroso do que podemos lembrar. Era um espetáculo que tocava, por um segundo, naquilo que as pessoas queriam. Era uma diversão louca de verão.
Akiva Goldsman - Roteirista

Joel também afirma que incialmente houve uma grande pressão do estúdio a não fazer um novo filme de Batman após o segundo filme. Não haviam expectativas referente a nenhum novo filme do Batman. Joel
, relembram a forte campanha promocional do filme que lembra muito o lançamento do primeiro filme de Tim Burton em 1989. Cerca de 200 patrocinadores estiveram envolvidos - de empresas de hambúrgueres a creme dental.   O ator Chris O'Donnell se lembra, dos pôsters promocionais, colocados em cada ponto de ônibus das ruas de Los Angeles, e as pessoas literalmente abriam o vidro das vitrines para levar os pôsters (esses pôsters personalizados, de cada personagem, pode ser visto na galeria tópicos acima). O diretor  também se lembra que havia passado por uma das redes McDonald's em uma pequena cidade do Missisipi quando percebeu que estavam distribuindo coisas do Batman, ele entrou pra ver e já havia se esgotado.

O McDonalds tinha chícaras personalizadas do Batman feitas na França e a encomenda acabou em dois dias. Dois dias.
Peter Macgregor Scott Produtor

- Nas Cenas Deletadas, a resposta de uma charada enfim é revelada completamente, como elementos que os apresentados pelo roteirista:
Bruce encontra o livro perdido - com anotações de seu pai. Bruce se emociona e se sente culpado quando tem visões com um grande morcego. Ao sair da ilusão, ele sai do fundo da caverna, encontra Alfred e diz: - Eu sou Batman, Alfred. Eu sou Batman.


Joel Schumacher achou que faria um filme de Batman com Michael Keaton Com a desistência do ator, ele viu a atuação de Val Kilmer, em Tombstone: A Justiça Está Chegado, e o achou fantástico. Então ele acreditou em seu potencial e achou que daria um excelente Batman.

Michael (Keaton) não achava que deveria continuar a mesma coisa outra vez, como Tim (Burton). Ele tinha feito dois grandes filmes do Batman e queria alguma mudança em sua vida. Ele talvez oscilava entre fazer o filme ou não. Então, nós, mais ou menos, nos dirigimos ao Val (Kilmer). 
 Peter Macgregor Scott Produtor

Aconteceu que enquanto estavam discutindo sobre mim como o próximo candidato ao papel eu estava fazendo pesquisas sobre um filme de aventuras africano. Então no dia que a Warner Bros. ligou para o meu agente e disse: - "Sim, é ele quem queremos" Eu estava numa caverna cheia de morcegos na África. 
Val Kilmer - Bruce Wayne/ Batman


-E esta é a capa do DVD Edição Especial
-Os Extras também podem ser vistos na versão Blu Ray do filme

FICHA TÉCNICA


Título Original: Batman Forever
Data de lançamento:  7 de Julho de 1995 (Brasil)
Duração:  121 minutos
Gênero: Ação
Direção: Joel Schumacher

SOBRE
[Santa Maratona! Batman..Ressurge]

BATMAN ETERNAMENTE: MAIS CORES, MENOS PROFUNDIDADE
2012 © Mestre Ryu (textos, adaptação, gravação (DVD) e edição de imagens)
Post iniciado em 17 de Dezembro de 2011.

1 Hit Combo :

Vinnie disse...

Muito bom cara! Informações interessantíssimas!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...