Em Destaque

domingo, 20 de maio de 2012

[Santa Maratona! Batman..Ressurge] Batman (Dir. Tim Burton, 1989): Postagem Comemorativa para Colecionadores

NESTA POSTAGEM
SANTA MARATONA! 
BATMAN..RESSURGE
ACOMPANHE ANTES DE ASSISTIR O ÚLTIMO FILME DA TRILOGIA DE CHRISTOPHER NOLAN: 
BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE

SESSÃO CRÍTICA
BATMAN


EXTRAS DE COLECIONADOR
POR TRÁS DA RISADA: A ORIGEM DO CORINGA
DE ONDE VEM O MAIS FAMOSO BAT-SIMBOLO?
OS BRINQUEDOS DO FILME
ADAPTAÇÃO EM QUADRINHOS
TRAILER DE FÃ
PRINCE
DA BAT COLEÇÃO - PARTE 1:
DVD BATMAN - EDIÇÃO DE COLECIONADOR
DA BAT COLEÇÃO - PARTE 1.5:
A VOZ DO CORINGA  
GALERIA 
FICHA TÉCNICA
SOBRE


SESSÃO CRÍTICA
BATMAN
A NOVA MARCA DO MORCEGO
Criatura (Batman) contra o Monstro (Coringa) : Para o público e para os críticos, quem vence essa luta é o Coringa (Jack Nicholson)

Em Batman, Burton trouxe as peças para a criação do Batman definitivo para os cinemas e para o público que até então o acompanhava em outras Gotham Citys, como a série de 1966. Batman de 1989 trouxe o simbolo e a idéia do vestiário de Batman, era completamente uma armadura ao invés de um uniforme cujo tecido é muito bem trabalhado contra quase todo tipo de ameaça.

Quando o filme ainda estava em produção, a intenção era manter a veia cômica da série de TV dos anos 60. Bill Murray também foi cogitado para ser Batman. Será que Murray se daria bem na versão de Tim Burton?

Michael Keaton, nome que passou a ser mais conhecido pelo seu papel em Os Fantasmas se Divertem (Beetlejuice), foi escalado para assumir o manto do morcego nesta primeira e mais sombria versão do morcego desde 1966. A atmosfera era exatamente aquilo que os quadrinhos de Frank Miller pedia em suas histórias, como Batman: Ano Um e O Cavaleiro das Trevas, e que seu criador Bob Kane inicialmente propôs.
Antes mais conhecido como Beetlejuice na comédia de terror de 1988 e hoje, ainda mais conhecido sob o capuz de Batman. Keaton tinha uma grande responsabilidade nas costas: levantar o nome de um dos maiores heróis dos quadrinhos e resgatar o seu legado. 

Na verdade, a escalação de Keaton ganhou rejeição dos fãs mas as suas raízes cômicas não atrapalharam em nada a sua ótima peformace como Batman. Era o herói que surgia nas horas certas e ainda agia com uma certa neura, como o playboy Bruce Wayne, devido a sua transformação quanto a dor pela morte dos seus pais. Ainda haviam ali leves toques cômicos que o próprio ator embutiu no personagem que dava um charme ao seu Bruce Wayne/ Batman - como a cena em que ele tenta assumir o motivo de sua real ausência a Vicky Vale (Kim Basinger). Burton queria mostrar um Batman que poderia ser como qualquer pessoa, com a escalação de Keaton, e ele conseguiu. Keaton não é nenhum perfil de ator para o padrão de um filme de ação e ainda assim convence pela idéia de que poderia ser o próprio espectador assumindo aquele manto.

Bob Kane no set: Ele, que assinava a criação do personagem, acompanhou toda a quadrilogia dos anos 80-90 e por vezes sugerindo idéias. Circula também uma polêmica de que seu Batman era um plágio a obra de Frank D. Foster II. Ao lado: a primeira versão de Batman da fase Kane, desenhada por Bill Finger.
A criação de Frank D.Foster II. O primeiro Batman.  

Coringa é o personagem mais explorado no roteiro de Burton, brilhantemente interpretado por Nicholson - que acabou relegando o nome de Michael Keaton a segundo plano. Ele começa no filme como Jack Napier, um bandido que está doido para tomar o posto do patrão, o mafioso Carl Grissom (o ótimo e falecido Jack Palance). Ao cair em um tanque de ácido e se transformar no Coringa, ele fica maluco e se torna um criminoso ainda mais perigoso e obcecado pelo caos.

Darcy Pedrosa (9/ 5/ 30 - 03/05/ 99) arrasou na dublagem do Coringa e se tonou seu principal dublador na série animada Batman, dos anos 90

Como um demônio sedutor, o Coringa de Nicholson é tão carismático que muitas vezes nos faz rir com os seus momentos de humor negro - vale também citar um diálogo do Coringa na ótima e descarada versão dublada do filme: - Isso está ligadão. Fora as várias tirações de sarro com as suas armas mortais estraídas dos quadrinhos - como a arma que atira Bang! e o gás do sorriso (sorrisex no filme). E há os momentos em que o personagem de Nicholson reencontra a sua humanidade (o medo da morte).
O filme de Burton tentou trazer uma ligação mais intima através das transformações do herói e vilão em seus alter-egos. Enquanto Bruce Wayne se transforma em Batman devido a morte trágica de seus pais, Jack Napier, o criminoso responsável, torna-se o Coringa, o arqui-inimigo do homem morcego, após um trágico acidente que o próprio Batman não conseguiu salvá-lo.  Há uma discussão interessante entre os dois nos momentos finais do filme. Coringa: - Você me criou, lembra? Batman: - Eu te criei, mas você me criou primeiro. Sugerindo aí um mito entre os dois personagens opostos: a criatura do bem contra a criatura do mal. 
Kim Basinger: de musa a mocinha em ação.

Kim Basinger, estonteante no ardente 9/2 Semanas de Amor que atua ao lado de Mickey Rourke, se tornou uma das atrizes mais desejadas dos anos 80 depois do filme de 1986 dirigido por Adrian Lyne (Atração Fatal). 9/2 Semanas de Amor apesar de ter sido sucesso no Brasil foi um fracasso nos E.U.A. E é claro que ela é a mocinha no Blockbuster Batman,  como a provocante jornalista Vicky Vale, tampando muito bem o provável buraco deixado pelo descarte de Robin, o menino prodígio, no roteiro. 

Batman ganhou uma enorme campanha com outdoors espalhados nos prédios das grandes cidades, além de posters, promoções (como as do posto Shell) e brinquedos diversos.  Há inclusive esse boneco, semi-convertido para a então nova fase Burton, com o rosto de Adam West e a roupa com a cor e o visual do filme em forma de tecido, que pode ser removido (como os brinquedos da Barbie). 

EXTRAS DE COLECIONADOR


POR TRÁS DA RISADA: A ORIGEM DO CORINGA
O Coringa foi criado Bill Finger e Bob Kane apartir de uma sugestão de Jerry Robinson (a carta de baralho). Foi inspirado no personagem do clássico filme O Homem Que Ri (1928) - baseado num conto de Victor Hugo (O Corcunda de Notre Dame) originalmente chamado Qui Rit de L'Homme

Na história, Gwynplaine (Conrad Veidt) é um famoso palhaço - sequestrado quando pequeno e desfigurado a mando do rei em um perpétuo riso forçado - que sonha em se casar com Dea (uma criança que ele salvou), agora uma moça adulta de feições angelicais. Por ela ser cega desde o nascimento, ele questiona se seria justo se beneficiar do fato por Dea não conhecer sua aparência. 
Quando ele se apresenta na frente de uma ardilosa e sensual duquesa chamada Josiane, meia-irmã da rainha Anne, um bufão revela à Rainha que Gwynplaine é o herdeiro de um lorde. Para impor seu poder, a rainha decide casá-lo com Josiane. Soldados buscam Gwynplaine em seu carroção para levá-lo para a corte, mas ele faz um escândalo na Câmara dos Lordes ao denunciar a decisão da rainha de casá-lo com a duquesa. Perseguido pelos soldados, ele consegue escapar e finalmente encontra Ursus e Dea no momento exato em que o barco está partindo para levá-los ao exílio.
A primeira aparição do Coringa foi em Batman número 1 (1940) como um ladrão de jóias. Nas primeiras histórias (entre a década de 40 e 50) o Coringa chegava a morrer nas aventuras mas o seu corpo nunca era encontrado. Chegou a ganhar uma versão mais leve nos anos 60 quando os quadrinhos passaram a ser fiscalizados pela Comics Code Autority, leis governamentais que controlava o conteúdo violento e psicológico das histórias em quadrinhos. Quando retornou nas mãos de Dennis 'O Neil e Neil Adams (criadores do vilão Rhas Al Ghul) em 1973, ele se tornou um maníaco homicida obcecado por Batman. Coringa originalmente se chama Joker nos E.U.A. que significa piadista. Incialmente, Coringa chegou a ser traduzido como Curinga no Brasil (a tradução mais coerente de Joker) e era apelidado como O Palhaço do Crime.


Na série de TV dos anos 60, o Coringa foi interpretado por Cesar Romero em 18 episódios. 
 As armas do Coringa (filme e quadrinhos): Campainha de Mão 
As armas do Coringa (filme e quadrinhos): Orquídea

Vítimas sorridentes (filme e quadrinhos)
A carta de baralho (quadrinhos e filme). Repare na caracterização do filme (mais próxima ao ator Jack Nicholson).

Na primeira versão de The Man Behind a Red Hood (Detective Comics Número 168, Fevereiro de 1951), Coringa era um engenheiro quimico que vigia a empresa que o empregou, com planos de roubá-la, se torna um criminoso mascarado tendo Batman e Robin em seu encalço,  ao cair em um tanque de produtos antidepressivos da indústria quimica, ele fica completamente desfigurado: perde a cor dos cabelos (ficam verdes), perde da pigmentação da pele (fica completamente branco como um papel) e a boca vermelha (com o sorriso persistente de um palhaço). 


O Coringa como o Capuz Vermelho caindo no tanque em A Piada Mortal (à esquerda) e na história original de Bill Finger em 51 (à direita) 


A história escrita por Bill Finger em 51 foi posteriormente atualizada e estendida por Alan Moore em A Piada Mortal.  Na história contada em flashbacks, Coringa era um comediante pobre, fracassado e infeliz com uma esposa grávida. Ele se corrompe ao ajudar dois amigos em um assalto, fugindo de Batman em um ato de desespero, se joga em um tanque e volta desfigurado com as características que todos nós passamos a identificar. 
A história, Pushback (Gotham Knights, 50-55) traz a participação de Edward Nigma, o Charada, como uma testemunha do assassinato da esposa do Coringa 

Outras origens passaram a ser contadas com base nas histórias de 
The Man Behind a Red Hood  e A Piada Mortal  (que veio a ser considerada a origem mais aceita do vilão). Uma delas falava ainda que sua esposa havia sido assassinada pela máfia  e ele, um engeneiro quimico que largou tudo para fracassar como um comediante de Stand-Up, acabou sendo forçado por criminosos a entrar no crime ao ser obrigado a cometer um assalto contra a própria indústria que ele trabalhou. 

 Muitas dessas ligações que formaram sua personalidade em sua trajetória acabaram por se tornar inspiração para Jack Nicholson e para a origem, presença e destino de seu personagem no filme Batman (1989) de Tim Burton. 

Sua despedida no filme é uma referência a uma das cenas de sua primeira aparição nos quadrinhos

Já no filme Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) de Christopher Nolan, uma nova origem é abordada através de diálogos. O Coringa (Heath Ledger), ameaça vítimas deixando esses rastros na abordagem. Em uma das cenas, ele conta uma história sobre um garoto problemático de pais separados chamado Joseph Kerr. Seu pai, em momento de raiva, o viu chorar e perguntou por que ele estava tão sério, então pegou uma faca e cortou o lado esquerdo da sua boca - tendo então a cicatriz gerada pelo próprio pai.

Agradecimentos especiais: Retrojunk

(Veja mais sobre O Capuz Vermelho em [Santa Maratona! Batman..Ressurge] A Queda do Morcego - Postagem Comemorativa Parte 4 de 4: Extras de Colecionador)

DE ONDE VEM O MAIS FAMOSO BAT-SIMBOLO? 
Por anos, o simbolo do uniforme do Batman sofreu modificações - e muitos deles era apenas o desenho de um morcego no peito do uniforme. O simbolo que se apresenta com um sol por cima do morcego começou a aparecer originalmente nas edições 170 (foto abaixo à esquerda) e 171 da revista Batman, com artes assinadas pelo artista Carmine Infantino (foto acima).
Estas fotos acima são uma reprodução das primeiras artes que já idealizavam o simbolo característico que hoje é o mais popular tanto pelo público quanto comercialmente. A série de TV dos anos 60 e sucesso do primeiro filme de Tim Burton (já reconhecido pelo poster) também impulsionaram essa popularidade.

OS BRINQUEDOS DO FILME
- Caras eu tinha um desses. O melhor boneco de Batman. Meu pai comprou pra mim num camelô. Boneco importado e raro da série Kidz Biz 8''. Muito caprichado e devia ter custado uns R$ 20, 00 na época (era em cruzados/ CR$). Meados de 1990. O rosto sorridente de Adam West no boneco era inconfundível. Criado na China, o brinquedo só foi distribuido em localidades como Europa e Austrália - claro que por aqui os comerciantes traziam do Paraguai.
- Fotos com a embalagem retirada no Ebay. A embalagem é diferente do que eu tive - que era em uma caixa. 

-Coleção de veículos (note para o Caminhão do Coriga que originalmente não aparece no filme)
- E este é o meu Batmóvel da minha sagrada coleção particular que guardo com sacrifício.

ADAPTAÇÃO EM QUADRINHOS
A adaptação em quadrinhos trouxe o artista Dennis 'O Neil (criador do vilão Rhas Al Ghul).

 A adaptação busca recriar a história do filme com algumas cenas não vistas (aparentemente deletadas, com esta acima à direita) e resume algumas outras.
Montagem com base na HQ

TRAILER DE FÃ


PRINCE
Se há uma coisa também a se destacar na fase Batman de Tim Burton, é também a trilha sonora pop/dance. Em Batman, o poder comercial do filme também está nas trilhas compostas por Prince para promovê-lo ainda mais a toda a cultura pop. Veja os videoclipes da trilha oficial abaixo:

Batdance

Batdance
(Versão HD)


Partyman


Scandalous

DA BAT COLEÇÃO - PARTE 1
DVD BATMAN: EDIÇÃO DE COLECIONADOR
- Comparado aos virais que se vê hoje com os dois últimos filmes de Nolan, pela internet, a notícia sobre a existência do trailer de Batman lotava convenções no fim dos anos 80. Fãs chegavam a comprá-lo por U$$ 25,00.

- Em As Lendas do Cavaleiro das Trevas: A História do Batman, encontramos depoimentos de um famoso cineastra e fã de quadrinhos, Kevin Smith, um mago da Marvel Comics, Stan Lee e o próprio idealizador, Bob Kane.

"Acho que era um bom nome quando vi: Batman. Quando vi os desenhos dele, parecia uma figura muito misteriosa [...]
É uma pena que ele não esteja por aqui porque dizia sempre: 
-Hey, viu o Batman? Foi o maior filme do ano. Cadê o Homem - Aranha? Não havia nada que eu pudesse dizer.
Finalmente o Homem-Aranha chega às telas e cadê o Bob? É terrível."
Stan Lee - pai do seu amigo da vizinhança em 2002.

No depoimento de Stan Lee ele nos deixa, como exemplo, a rivalidade entre Super-Heróis de empresas opostas (DC Comics detém os direitos de Batman e Marvel Comics detém os direitos do Homem-Aranha) nesta divertida referência ao amigo Bob Kane.

Irônicamente, ambos os heróis estarão em confronto nos cinemas esse ano. O Incrível Homem-Aranha contra Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Quem vencerá?

"DC Comics fez um enorme sucesso com o Super-Homem e começaram a procurar personagens mais complexos para encher suas páginas daí surgiu: Batman."
 Mark Hamil - narrador do documentário - dublador do Coringa (Batman: A Série Animada dos anos 90 no idioma original) e eterno Luke Skywalker (Star Wars).

"Bob Kane, Bruce Wayne e Batman são apenas um. O sonho de Bob Kane quando criança era viver em um castelo na Itália e ter um mordomo. E o Bruce Wayne vive em uma caverna que é quase um castelo e ele tem Alfred.  Batman é uma extensão de Bob."
 Elizabeth Sanders Kane - Esposa de Bob Kane - explica que o lado social do herói é um resgate da infância de seu próprio criador.

Elizabeth pode ser vista fazendo ponta em alguns dos filmes de Batman, como: Batman - O Retorno, Batman Eternamente e Batman & Robin. A sua personagem só foi batizada nos dois últimos filmes, como Gossip Gerty.

"Originalmente, Alfred era Alfred Beagle nos quadrinhos. Um bem nutrido mordomo da Inglaterra que gostaria de ser um detetive amador. Eventualmente, ele perdeu muito peso e se tornou Alfred Pennyworth o mordomo fiél que todos viemos a conhecer e amar. "
Michael E. Uslan - Escritor e Produtor

"Um maço de cigarros Kool tinha um Pinguim e naquela época eu fumava. E quando eu estava tentando criar alguns super - vilões eu pensei: - Puxa isso parece um cara gordo num smoking. Por quê não chamá-lo de Pinguim? Vamos torná-lo num vilão. 
E foi simples assim, um maço de Kool e um Pinguim."
Bob Kane

"Incontestávelmente meu vilão favorito tem que ser o Coringa. É um sujeito a quem algo ruim aconteceu e pensa: - O modo de lidar com a minha dor é espalhando dor. 
Assim se sente um pouco melhor. Você sabe, é uma energia Yin oposta a energia Yang de Batman. "
Kevin Smith

Kane explica que Leonardo da Vinci, Zorro (o ator que o interpreta no seriado, Douglas Fairbanks) e O Sombra, foram algumas de suas inspirações para a criação do seu, até então, megafamoso Homem-Morcego.

- No Cenário com Bob Kane, o criador revela que o trabalho na Pinewood Studios (o local escolhido para ser a Gotham City do filme é um dos maiores estúdios da Inglaterra) era o que ele tinha em mente para os quadrinhos. Recriaram tijolo por tijolo e colocaram todos os alicerces aqui. É maravilhoso.  - ressaltou Kane, que também sempre teve em mente Jack Nicholson como interprete do Coringa.

"E vi um livro de Leonardo da Vinci, quando tinha 13 anos, que tinha uma citação: - Sua ave não terá nenhuma asa que não a do um morcego. E na verdade lá estava pra mim: um Homem-Morcego."
Bob Kane




- Na primeira parte de A Sombra do Morcego:  A Estrada para Gotham, é apresentado os primeiros conceitos para a visão sombria de Batman para os cinemas iniciado em 1979 pelo produtor executivo, Benjamin Melniker. Era formada a Batfilm Productions, inc. que acabou perdurando por 10 anos até chegar aos cinemas. O filme não era pensado como uma franquia assim como muitas outras grandes produções.

"A produção foi iniciada, o dinheiro foi depositado e eu achei que o projeto seguiria adiante. Para minha grande surpresa e decepção, fui recusado por todos os estúdios de Hollywood. Foi quando encontramos o produtor Peter Guber, apresentamos tudo pessoalmente, ele disse:  
- Entendi. Sério, Sombrio,  é o que vamos fazer. Procurem o cara do financeiro, não saiam daqui até que fechemos. 
Cerca de três dias depois, tivemos o nosso contrato, e daí foi iniciada uma odisséia de 10 anos para levar Batman ao cinema."
Michael E. Uslan - Escritor e Produtor.

No início dos anos 70, em Indiana, Uslan estava predestinado  a lecionar aulas sobre quadrinhos em uma Universidade e comentou o obstáculo que enfrentou ao tentar fazer com que a obra fosse reconhecida como um mérito acadêmico, em meio a temas fora do tradicional. O reitor que decidiu avaliá-lo, embora gostasse de Super-Homem, não encontrava importância e achava que os quadrinhos era um divertimento vulgar, um lixo. Uslan, acabou fazendo uma brilhante comparação entre a história de Moisés e Super-Homem para que o reitor compreendesse a importância do mesmo ser comparado a uma mitologia moderna ou folclore contemporâneo. O reitor se sentiu convencido e aprovou seu curso.

O curso de Michael E. Uslan se tornou o primeiro do mundo sobre quadrinhos em nível universitário e desde então sua vida passou a mudar completamente.  No dia seguinte ele foi contatado por Stan Lee, admirado pelo seu empenho.

"O primeiro filme do Super-Homem foi fabuloso. Não só as crianças iam aos cinemas mas uma família inteira. Fez com que as pessoas intendesse que esses personagens iam além dos quadrinhos."   
Stan Lee - pai do seu amigo da vizinhança em 2002.

A Warner Brothers era um pilar da DC Comics que encomendou o filme de Super-Homem em 1978. Com o sucesso do filme, a Warner viu a mina de ouro e não quis se desfazer de seus direitos. Super-Homem foi o primeiro grande sucesso baseado em uma história em quadrinhos. Isso impulsionou a Warner a apoiar a produção de um filme de Batman mais fiél ao conceito inicial concebido nos quadrinhos, com as idéias dos produtores Michael E. Uslan e Benjamin Melniker.

"Quando criei o Batman em 1989, ele era um sentinela sombrio e taciturno. Esse gênero mudou no meio de 1960. Com o advento da série de TV em 1966 no qual ele se tornou extravagante e cômico. Se eu tivesse escolha, eu preferiria o sombrio, profundo e misterioso Batman ao cômico."
Bob Kane


Segundo Sam Hamm (roteirista) haviam várias versões de roteiros escritos e a Warner não sabia se faria um Batman Art Déco ou um Batman cômico - daí cogitaram Bill Murray como Batman e Eddie Murphy como Robin, possivelmente.

"Na Hollywood Reporter foi publicada uma história sobre, Batman não podia ser aceito porque o roteiro tinha sido rejeitado pelo estúdio e se eles não escrevessem algo melhor ele seria deixado de lado e Bob ficou arrasado com a possibilidade. Ele rezava para que alguém aparecesse e recolocasse Batman nos trilhos e esse alguém foi Tim Burton"
Elizabeth Sanders Kane - Esposa de Bob Kane - explica que o lado social do herói é um resgate da infância de seu próprio criador.

- Em O Renascimento de uma Lenda, parte 3 de A Sombra do Morcego, Peter Guber dá a sua opinião:
"E você anuncia a data ao mercado, no dia 19 de Junho. Você coloca uma série de forças em ação. Você coloca toda a engrenagem em ação.  
Os exibidores, os distribuidores, as mídias as pessoas e todos se baseiam nessa data.  É muito perigoso mudá-la, muito perigoso. Não me refito a mudar 1 dia ou 2. Mas se começar a mudá-la uma semana ou um mês, três coisas acontecem: Uma acham que o filme não presta; Dois, eleva muito o custo e Três, você sai de sintonia com todas as forças que você usou para vender o filme para trazê-lo ao momento onde a expectativa da platéia é concretizada pelo filme. "

" As estações de ônibus, onde haviam posters, estavam sendo arrombadas e as pessoas estavam pegando os posters. Havia uma escassêz de posters que tinham que ser repostos. Alguma coisa diferente, alguma coisa grande estava acontecendo. E, mais uma vez, remonta a essa estratégia de Marketing de mestre que o estúdio havia bolado."

 Batman de Tim Burton se tornou uma febre e talvez detentor do maior projeto de Marketing da história do cinema.

E esse filme, se não foi o primeiro, que tornou essas mega estréias comuns. "
Peter Guber - produtor

- Em Desenhando A Bat-Roupa é revelado que Michael Keaton tentou fazer todas as cenas de ação com o uniforme mas teve que ser substituído por dublês.
Comenta o co-diretor, Peter Macdonald: "- Esse já é um tipo de cena normalmente difícil, mas em um uniforme quase imóvel é preciso ser um Super-Homem para ser capaz de se mover, então foi usado um dublê de praxe. Havia um cara que luta caratê, para artes marciais; um bailarino, ao girar a capa formava um visual ótimo; e dois caras fortes para fazer as brigas."


"Desde o príncipio pensavamos que a roupa deveria ser preta. Nem azul nem cinza, nada disso. É claro que a roupa de malha é ridícula."
Tim Burton - Diretor


É, acho que tinhamos todos os gibis. E é claro que Tim e Bob, desde o começo não colocariam um cara vestindo uma cueca sobre as calças. Definitivamente não iríamos dar esse visual. "
Grahan Churchyard - Assistente de figurino


Bob estava muito entusiasmado em trazer novos elementos o que ajudou a desenvolver algo mais do que um simples traje de músculos. Começamos com uma escultura de gesso de Michael (Keaton) e basicamente esculpimos os elementos de Batman sobre ela. Deixando todos os espaços para que ele dobrasse as pernas e os braços. E todas as juntas tinham que ficar móveis. Quando o formato ficou pronto, tivemos que tirar moldes dele e os moldes tinham que ter espuma inserido neles. Então, todas as partes tinham que ser coladas debaixo do traje e tudo mais e o capuz tinha que ser anexado à capa que tinha que ser anexada ao corpo porque a capa era bem pesada. "
Vin Burnham - Supervisora de figurino.

O próprio diretor Tim Burton, e um apoio de produção, vestiram o traje para sentir o peso do uniforme. Eles se preocupavam com a possibilidade de Michael Keaton conseguir atuar debaixo daquele traje.

Toda a idéia veio a Bob em um dia. Estávamos num almoço certo dia, sentados num restaurante e acho que era uma mesa circular. E ocorreu a ele que se usássemos a mesa como molde a pulverizassemos com latéx teríamos uma grande capa circular do tamanho que quiséssemos. 
Grahan Churchyard - Assistente de figurino
 
Trabalhamos em diferentes tipos de capas, sabe, em termos de maior leveza na brisa, mais pesada, para dar peso a ela. Maior envergadura da asa. Tudo o que podemos para lhe dar a personalidade que ele queria projetar.  "
Tim Burton - Diretor

Todo  o uniforme foi texturizado com latéx, e em especial a capa, como a pele do Batman. E isso eram apenas experimentos. O latéx tinha quase duas polegadas de espessura em alguns locais então, era algo quente e desconfortável de usar. E parecia muito estranho sem ter os olhos feitos. Tenho certeza que fizemos os testes e foi então que percebemos que precisava ter uma aparência uniforme e fazer os olhos intensificaria tudo. Faria parecer menos uma máscara de carnaval."
Grahan Churchyard - Assistente de figurino
Vesti todo o traje e a capa, queria senti-la. Pois sabia que era estranho para Michael lidar. Não dava pra ouvir lá dentro, sua visão era um pouco..(turva?)  e também era pesada dependendo de que capa usava. Então, eu mesmo usei porque queria saber o que ele teria que passar. "
Tim Burton - Diretor


Para vestir um ator de drama e dizer: - A propósito, vamos cobrí-lo com latéx e esperamos que atue - É preciso se preocupar com ele, de certo modo. Penso eu. 
Então eu vesti o uniforme para estar em uma posição de dizer: - Sim, eu sei do que eu estou falando."
Day Murch - consultor do Bat - Uniforme.

Óbiviamente Batman não girava o pescoço porque você sabe, ele estava unido ao tronco. De fato, o visual estava próximo aos gibis. "
Grahan Churchyard - Assistente de figurino

Day Murch também afirma que Keaton tinha, como desafio, encontrar um vocábulo físico para superar a falta de adequeção ao, quase imóvel, traje.

Então temos o que se tornou e, na verdade, foi amado por um certo tipo de fã: como o giro do Batman. "
Day Murch - consultor do Bat - Uniforme.

A Warner tinha um contrato com a Nike. Os produtores questionaram se era possível usar o material esportivo. Bob Ringwood (o designer de figurino) disse que o visual anos 80 não se adequava ao visual anos 40 que eles queriam buscar.
" Então eles fizeram as botas baseados num dos tênis daquela época (anos 40). Michael e os apoiadores simplesmente adoraram. Eles fizeram uma bota confortável e com bastante apoio. "
Grahan Churchyard - Assistente de figurino

Bob Ringwood no documentário

- Em Batman: A Sequência Completa do Storyboard de Robin se explica qual foi os passos que levaram o menino prodígio a integrar o roteiro do filme.

Quando Batman foi feito em 1988, Robin ainda faria uma rápida aparição quando fizeram a fotografia principal. Os produtores acharam que o relacionamento entre Batman e Robin não era essencial à história e mudanças no script  eliminaram o garoto prodígio de vez.

A cena em si é do ato final do primeiro esboço de Sam Hamm, no qual Batman está perseguindo o Coringa pelas ruas de Gotham City. Embora curta, a sequência nos permite ver uma introdução substituta para o companheiro de luta contra o crime de Batman.

Abaixo, pode ser visto desenhos dos storyboards do filme, caso Robin estivesse. 
Note que Bruce Wayne assume o papel de Batman colocando as partes do uniforme pelo caminho.
Em uma desesperada perseguição atrás do Coringa (dirigindo um caminhão), Bruce (usando algum disfarce alternativo) arrisca alturas..
 de prédio em prédio, desperta olhares curiosos..
E,  sem Batmóvel, arranja um Bat-Cavalo (?) ao tomá-lo de um guarda - no mesmo tempo em que o vilão perseguido avança o sinal.
 Com um sinalizador, Alfred, dirigindo uma Kombi, encontra Bruce pelo caminho, que lhe auxilia jogando uma mala com o restante do uniforme, e então passamos a ver o Bruce finalmente com o visual de Batman.
Sob os olhos do Coringa, o incansável Cavaleiro das Trevas, impressiona o criminoso com sua habilidade.
Desesperado, Coringa pisa no freio para despistar o herói e causando o caos.

Ao quebrar uma barricada policial, o maquiavélico Coringa encontra uma apresentação de circo pela cidade com os dizeres Feliz Ano Novo (características muito próximas ao roteiro que foi aos cinemas, quanto a se passar em uma data comemorativa, os 200 anos de Gotham City).

E nessa cena é finalmente apresentado aquele que conhecemos como Dick Grayson ou Robin. Ele é apresentado com sua familia, os Flyings Graysons (ou os Graysons Voadores), antes de começar o espetáculo.
Batman continua a perseguir Coringa, que se aproxima cada vez mais do espetáculo, algo terrível está para acontecer em meio a milhares de pessoas.

Enquanto Dick Grayson começa a preparar a cena, observa a perseguição do alto tentando entender o que está acontecendo.

Enquanto sorri, Coringa avista um caminhão com fogos de artifício e decide literalmente incendiar o espetáculo. Batman não consegue evitar a tragédia.

Numa franca análise, as sequência da morte dos pais de Dick Grayson seria bem mais brutal que vista em Batman Eternamente (1995).

Desesperado, Dick Grayson resolve agir usando suas habildiades acrobáticas para escapar das chamas e perseguir o assassino. Coringa, usa sua arma atirando para o teto do caminhão enquanto Dick tenta quebrar o vidro com a sua vara, com muita ira.


Quando aquele que seria conhecido como o menino prodígio finalmente quebra o vidro do caminhão, ele fica mais próximo de capturar Coringa, mas um túnel se aproxima, Batman salva o garoto antes do choque. O caminhão acaba entrando meio desgovernado pelo túnel após bater em um outro veículo.

Agora a dupla dinâmica está junta contra o tirano Coringa. Robin, cheio de vingança, quer partir para cima mas Batman o impede.


Derrepente mais criminosos, capangas do Coringa, surgem ao fundo do caminhão. A dupla dinâmica está em uma situação difícil. Num linguajar mais pesado do que visto na versão para os cinemas, Coringa provoca Robin e Batman fala a Coringa para livrá-lo da emboscada, deixando apenas ele como refém.

Coringa diz a Batman que poderia matá-lo mas não quer perder a chance de manter o seu macabro espetáculo. Batman não compreende e Coringa então acaba revelando que o homem morcego tem algo em comum com a sua origem (Jack Napier e o acidente com tanque de ácido, como visto no filme, teria alguma relação ?).
No último ato, apresentado pela sequência de storyboards dos extras, Robin grita que Coringa matou os seus pais. Observando por esta ótica, o roteiro aproveitou essa história e atribuiu ao personagem Batman/ Bruce Wayne como visto no filme. É uma explicação mais próxima até o momento para entender o motivo do Coringa ser responsável pela morte dos pais de Bruce, em última hora, no roteiro final que foi aos cinemas.

- Capa do DVD (hoje fora de catálogo).
Os extras desse desse DVD também podem ser encontrados no Blu-Ray do filme.

DA BAT COLEÇÃO - PARTE 1.5
A VOZ DO CORINGA 
(Darcy Pedrosa & Jack Nicholson)
 [TÓPICO INCLUSO EM 26/05/12
O vídeo acima foi retirado do DVD Edição especial de minha coleção, como um complemento. Você verá algumas comparações entre o excelente dublador Darcy Pedrosa e o ator Jack Nicholson (no som original). Como plano de fundo, uma comparação entre os scripts da versão dublada e versão legendada.

Segue a relação de divisões vistas no vídeo:
Cena 1
A Cirurgia 

Cena 2
Me Chame de Coringa

Cena 3
A Reunião 

Cena 4
Visitando Vicki

Cena 5 
O Desafio do Coringa

Cena 6
A Epidemia do Riso

Cena 7 
A Luta Final


GALERIA 
Inclui cenas do meu DVD especial






FICHA TÉCNICA

Título Original: Idem
Data de lançamento: 19 de Junho de 1989 (Pré Estréia nos E.U.A.); 26 de Outubro de 1989 (Brasil)
Duração: 126 minutos
Gênero: Ação
Direção: Tim Burton


SOBRE
[Santa Maratona! Batman..Ressurge]
BATMAN DE TIM BURTON: A NOVA MARCA DO MORCEGO
2012 © Mestre Ryu (textos, adaptação, gravação (DVD) e edição de imagens)
Post iniciado em 16 de Dezembro de 2011. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...