Em Destaque

domingo, 19 de junho de 2011

[Street Fighter II 20 Anos: Round 6] Sessão Crítica: Street Fighter II V (Dir. Gisaburou Sugii, TV)

NESTA POSTAGEM

V PRELÚDIO V

SELEÇÃO DE MÚSICA



V SESSÃO CRÍTICA V
A OUTRA HISTÓRIA. UMA ANÁLISE DE STREET FIGHTER II V

V EXTRAS DE COLECIONADOR V
 LISTA DE EPISÓDIOS
DISPONIBILIDADE NO BRASIL: MAS, E O DVD? AS APARIÇÕES DE AKUMA
TRAILER

CRÉDITOS
FICHA TÉCNICA
ARTIGO
 

 V PRELÚDIO V
SELEÇÃO DE MÚSICA
Seja muito bem vindo a esta jornada. 
É com grande orgulho que apresento a vocês a Sessão Crítica: Street Fighter II V. Para tornar essa viagem ainda mais agradável, selecione uma das músicas abaixo para ouvir enquanto lê a crítica.

MÚSICA 1

  Cry ~ live - SF II-V (Aska) by Mestre Ryu 


MÚSICA 2
    Endou Masaaki & Ochi Akira - Forever Friends by Mestre Ryu 


Música 3
  01 - Ryu & Ken no Theme by Mestre Ryu 
 

São apenas algumas músicas sugestivas. Caso alguém se interesse por alguma música que não esteja nessa opção é só pedir.


Ao Encontro do Mais Forte
Mestre Ryu
Um agradecimento muito especial ao meu amigo Alexandre Nagado por me enviar esta excelente versão ao vivo da música Cry.
 V SESSÃO CRÍTICA V

STREET FIGHTER II V

A OUTRA HISTÓRIA
Ryu (á direita) une forças com Sagat (à esquerda) contra um delegado corrupto

Após a explosão de Street Fighter II nos fliperamas e nos videogames, uma expansão comercial do título seria inevitável. Se hoje vemos God Of War e Ben 10 vendidos facilmente em produtos no camelô, no meio dos anos 90, era fato que o mercado era dominado por produtos (piratas ou originais) de Street Fighter a Cavaleiros do Zodíaco.


Para começo de conversa, Street Fighter II V é um ponto de vista completamente diferente daquilo que vemos nos videogames - quanto aos personagens e enredo. Mas dá pra se identificar com a sua essência, que se concentra em retratar a cultura das artes marciais, até de forma mais ampla que o jogo. Deixando os movimentos especiais, semelhantes aos da série, para o climax

A força do enredo está focada na emoção - dotado de excelente trilha sonora, tanto instrumental quanto cantada, cuja qualidade lhe rendem o Punho Dourado de Melhor Trilha Sonora pela Associação Melhor dos Melhores. O que seria da emoção dos animês sem a música? É o truque de muitas obras que funciona perfeitamente aqui também. A direção da trilha é assinada por Chage & Aska, que compuseram a música Something There de Street Fighter: A Última Batalha. Toda a trama de Street Fighter II V parece uma aventura aos moldes de uma adaptação do jogo Final Fight. No episódio 10, isso acaba ficando ainda mais evidente. No meio da viagem, há o espaço pro suspense e algumas fugas para a comédia.


Gisaburou Sugii dirige esta adaptação, que busca o caminho contrário de Street Figter II: O Filme (1994). Longa cinematográfico em Animê também dirigido pelo mesmo, sem nenhuma conexão com esta série. A notar pelo elenco, quase todos os personagens de Street Fighter II estão presentes, com exceção de E.Honda, Dee Jay, Blanka (exceto no Brasil, veja mais adiante) e T.Hawk



Ao contário do fiél longa, a série busca contar um passado alternativo envolvendo os personagens do jogo Street Fighter II, contando as origens de seus personagens em uma aventura. Alguns em eventos alternativos e outros antológicos, vejamos:


Ryu: Mais sorridente e mais sociável na TV

Ryu: Pouco se tem informações sobre a origem de Ryu no jogo. Mas aqui, Ryu inicia a sua aventura em sua terra natal, no Japão, em meio a uma ilha, com alguns companheiros, Rinko e um senhor da vizinhança. é um dos que protagoniza os esperados movimentos especiais - como o seu polêmico e demorado Hadouken. Na série, Ryu está com 17 anos.


Ken agora é coquistador de corações

Ken: Ainda não é um homem comprometido com Eliza. Na verdade, ela é inexistente na série. Aqui, o loiro de Kimono vermelho aproveita sua solteirice, como um mulherengo provocador que encontra em Chun li um relacionamento um pouco mais sério - tendo que competir com o seu rival e amigo Ryu. O personagem é mais conhecido como Sr. Masters (assim como seu pai) por outros personagens que não possuem uma ligação pessoal com o personagem.


Os flertes de Ken Masters (da esquerda pra direita): Chun li, Dorotéia (Dorothy) e Dra. Hanna 



Guile: Apesar da série ter um grande foco na amizade de Ryu e Ken, Guile tem uma participação importante na história, para o crescimento desses dois personagens. Na versão brasileira, Guilerme Lopes, dublador do personagem, ficou conhecido com o bordão: - Esse garoto tem fibra.

Sagat: possui um relacionamento de amizade e rivalidade com Ryu. Sagat ainda não está com a sua cicatriz de luta, de seu mortal rival, e é um presidiário. 

Cammy White: Era a lutadora mais nova de Super Street Fighter II, sua primeira aparição nos jogos. Na série, Cammy está mais madura, parece beirar os 30 (sem brincadeira), e segue trabalhando para a Interpol. Mas tudo leva a acreditar que ela é uma agente dupla (trabalha para o lado  do bem e para o mal). Protagoniza, inclusive, uma cena do chuveiro num dos episódios - referências a Chun Li em Street Fighter II O Filme? Ganha aqui o sobrenome White.

Chun Li: Troca de lugar com Cammy e se torna a protagonista feminina mais nova da série. Conhecida como uma vigilante vingativa no  jogo de origem, aqui, Chun Li ainda tem o seu pai vivo (O Delegado Dorai) e trabalha em um hotel. Conhece Ryu e Ken, é disputada pelos dois, e acaba partindo com eles para uma perigosa aventura. A pobre mocinha sofre nas mãos de Bison num dos episódios mais emocionantes da série.


Dubao: O pai morto de Chun li ganha aqui um papel e um nome - é delegado de polícia e ShiFu (mestre) de Kung Fu. Os fãs, que já conhecem o destino de Chun li, ficarão com o coração na mão quando a sua vida fica em risco, ao ser envolvido em uma emboscada. Como pode se ver no episódio 7, seu estilo de luta, é bem parecido com o de Eagle (Street Fighter 1). Na dublagem Brasileira, Dorai foi traduzido como Dubao.


Fei Long: O astro das artes marciais entra como um personagem meio cômico e depois ganha um tom mais sério, como discípulo e protetor de Dubao.


Blanka: Apenas na versão Brasileira. Nelson Machado (dublador do personagem, também em outras adaptações) surge como um narrador da série - ele também assina a direção da dublagem.

Zangief: Seguindo o exemplo do filme com o Van Damme, Zangief é membro da Shadaloo. Na série, Zangief é visto como um gigantão com pouco cérebro e mais testosterona. É dublado por Jonas Melo, que também dubla Bison em Street Fighter II O Filme.

Dhalsim: Aqui, o personagem tem umas semelhanças com o personagem apresentado no filme com o Van damme. Dhalsim não utiliza as suas técnicas paranormais para lutar. Ele é um pacifista puro e é totalmente contra a violência. Testará Ryu e Ken para provar se eles realmente são merecedores de herdar os poderes do Haduko (Hadou no original).

A hora do Hadou: O treinamento para manifestar o Haduko era o momento que todo bom fã e espectador aguardava a cada episódio que se passava: a arte secreta em ação na tela, com os famosos dizeres Hadouken e Shoryuken.  Tanto Ryu quanto Ken herdaram as suas técnicas modificadas do sistema Super Combo do jogo Super Street Figher II X. Na verdade, Ken manifesta uma mistura de Haduken e Shoryuken em seu golpe - descrevendo a complexa técnica de Hadou - Shoryuken. Uma mistura que se parece bastante com o Shoryuken de fogo de Ken no jogo Super Street Fighter II, com algumas acrobacias na coreografia. Enquanto Ryu, faz uma coreografia prolongada de seu Hadouken (E bota prolongado nisso) bem semelhante ao Shinkuu Hadouken de Super Street Fighter II X.

 
Vega (Balrog): Assim como na versão para cinemas (Street Fighter II O Filme) Vega é visto como um lunático. Foi atribuido ao personagem, características culturais de seu país (Espanha) - Vega é toureiro, mas com as habilidades de ninja do jogo. Na série, Vega tem cerca de 18 anos e rivaliza com Ken o amor de Chun li.


Balrog (M.Bison): Na série de TV, Balrog é um peersonagem misterioso, usa terno e não luta (embora apareça com a sua roupa de boxeador na segunda abertura). O fiél braço direito da Shadaloo é peça chave de uma reviravolta. É enviado como um agente secreto da organização de Bison para se responsabilizar de um atentado a Dubao e acaba envolvedo Cammy, que acredita ser um solicitação da Interpol.


Zolder: O assistente de Bison é personagem novo na trama. 


M.Bison (Vega): Sua origem sempre foi desconhecida. Mas aqui a história tenta trazer uma explicação de onde vem a sua força. Inicialmente, Bison é visto como um vilão oculto, está por trás da organização Ashura, na série. Uma curiosidade é que o megavilão tem o uniforme azul, exatamente como no jogo Super Street Fighter II X . É dublado por Antônio Moreno, marca pelas suas risadas maquiavélicas. 


Na cena acima, Ryu e Ken ficam de frente com os cabeças da organização Ashura.


Street Fighter II V retrata naturalmente como Street Fighter II é originalmente conhecido no Japão. Quem conhecia Ryu e Ken como lutadores de Caratê (de acordo com as informações ocidentais) vai estranhar ver Ryu dando um golpe de luta livre em traficantes, por exemplo.

Diferente do filme animado para os cinemas, as lutas, muitas vezes, são apresentadas em closes de tela congelada - talvez para economizar gastos na produção. O destaque fica mesmo para o episódio final: o confronto entre Ryu e Ken contra. M.Bison em uma dimensão alternativa. Considerado por críticos especializados como uma das melhores cenas de luta dos animês, ao lado de outras produções mais antigas.

Aqui no Brasil, o desenho era exibido pelas manhãs do SBT. Por isso, a série televisiva foi também alvo de críticas da mídia quanto a censura pelo conteúdo moral de seu enredo para menores. Ao lado de outros desenhos, como o Pernalonga da Warner, com o clássico rótulo de incentivo a violência já que a história envolvia lutadores viajantes que buscavam briga. Só eles fecharam os olhos para as tradcionais mensagens, aqui também inclusas, como lealdade e peserverança dos desenhos deste gênero.

Por outro lado, o Globo Repórter (TV Globo), pouco tempo depois de seu lançamento, mencionou a série num especial sobre cultura japonesa resumindo a história toda com uma pequena sipnose sobre lutadores que lutam para salvar o mundo. O vídeo pode ser visto abaixo: 



Street Fighter II V foi um dos animes de maior sucesso ao lado de Cavaleiros do Zodíaco e outros da geração Manchete. Deu ainda mais credibilidade ao SBT, que já exibia Fly - O Pequeno Guerreiro (Dragon Quest no original) e Dragon Ball, chegando a ter picos de 14 pontos de audiência nas manhãs de domingo. Uma surra na (quase) falida Rede Globo nos tempos de ouro em que o canal SBT ficava em 2ª Lugar durante a semana.



Com Street Fighter II V, Gisaburou conseguiu mostrar que uma boa adaptação, aceita pelo público, não precisa de fidelidade mas de firmeza ao demonstrar interesse pela história e por seus personagens - sendo você fã ou um viajante de primeira viagem ao universo Street Fighter. E falando em universo Street Fighter, não é exagero dizer que SF II V teve o seu espaço para um status cult a parte dos jogos.
 
 V EXTRAS DE COLECIONADOR V

 LISTA DE EPISÓDIOS
01 – A viagem, um convite a São Francisco
02 – O ás da Força Aérea
03 – Duelo em Hong Kong
04 – O inferno de Hong Kong
05 – Um homem chamado dragão voador
06 – O segredo das artes marciais
07 – A vingança de Ashura
08 – A sombra do terror
09 – Karate contra Muai Tai
10 – O mensageiro das trevas
11 – Na trilha das feras
12 – A caverna do demônio
13 – Em busca do Hadouken
14 – O Príncipe Sanguinário
15 – Encontro de gigantes
16 – A mascara do poder
17 – Os tentáculos da morte
18 – A bela assassina
19 – Agentes secretos
20 – O poder inimaginável do corpo
21 – Os prisioneiros do castelo
22 – A manifestação do Hadouken
23 – O brilho misterioso
24 – O reencontro com o pesadelo
25 – A luta violenta
26 – A morte do amigo
27 – A colisão de energias
28 – O domínio de Bison
29 – A batalha final


DISPONIBILIDADE NO BRASIL: MAS, E O DVD?
Até o momento, o desenho só está disponível apenas em VHS no Brasil. Além de disponível para locação, chegou a também ser vendido nas lojas como o Carrefour e semelhantes.
Versão para venda: A coleção completa da Flashstar Home Video em 8 volumes. Apenas 24 dos 29 episódios foram lançados.
Versão para Locação

AS APARIÇÕES DE AKUMA 
ACHE O AKUMA!

 Akuma faz a sua participação como figurante em episódios da série ao melhor estilo Onde Está Wally ? Isso seria parte de algum plano de promoção no Japão? Se alguém souber de algo, escrevam pra nós.

Episódios em que Akuma foi encontrado:
07 – A vingança de Ashura (em meio a turma da Ashura)
08 – A sombra do terror (fazendo a segurança das bagagens do aeroporto)
09 - Karate contra Muai Tai (aparece no canto inferior direito, olhando pro lado, enquanto Ken telefona para Dubao em mais um aeroporto. A cena acontece antes de Ryu sair da prisão)
10 – O mensageiro das trevas (de novo no aeroporto, em meio a um monte de gente)
11 - Na trilha das feras (sentado em uma barraca, começo do episódio)
15 - Encontro de gigantes (sentando, segurando uma taça na mesa, enquanto acontece a luta entre Ken e Vega)
13 - Em busca do Hadouken (junto com pessoas da aldeia, numa cena em que Dhalsim é avistado de longe enquanto conversa com Ryu)
16 - A máscara do poder (aparece atrás de um homem com máscara branca)
17 – Os tentáculos da morte (de frente a um homem de cabelo branco num aeroporto. Parece que ele adora mesmo vagar neste estabelecimento)
21 - Os prisioneiros do castelo (com o braço enfaixado em um hospital. Será que aprontou alguma ?)

TRAILER


 V CRÉDITOS V

FICHA TÉCNICA
Título Original: Sutorīto Faitā Tsū Bui Gênero: Ação (Animação/ Shounen/ TV)
Direção: Gisaburou Sugii (Street Fighter II O Filme)
Episódios: 29 Duração: 25 Minutos
Exibições: SBT (1995) e Cartoon Network (2003)
Distribuição: Flashstar Home Vídeo (Brasil)  ANO: 1995

Elenco (Dubladores): Orlando Vigiani (Ryu), Sérgio Moreno (Ken), Antônio Moreno (M.Bison/Vega), Guilerme Lopes (Guile), Tânia Gaidarji (Chun-Li), Adriana Pissardini (Cammy - segunda voz), Afonso Amajones  (Fei Long), Carlos Camapnile (Sr.Masters), Carlos Silveira (Nash), Cassius Romero (Vega/ Balrog), Daoiz Cabezudo (Dhalsim), Denise Simoneto (Cammy - primeira voz), Francisco Borges (Balrog/ M.Bison), Jonas Melo (Zangief), Letícia Quinto (Rinko), Luiz Laffey (Dee Jay), Luiz Carlos de Moraes (Sagat), Nelson Machado (Blanka) e Valer Santos (Dubao). 



ARTIGO
STREET FIGHTER II V - O OUTRO LADO DA HISTÓRIA
2011 ©MESTRE RYU. TEXTOS, IMAGENS (CENAS DO DVD), MÚSICAS E EDIÇÃO DE IMAGENS. PROIBIDO A CÓPIA SEM CITAÇÃO.


 V STREET FIGHTER II 20 ANOS: POSTAGENS ANTERIORES V

 3RD BÔNUS STAGE
DEDO NO JOYSTICK: SUPER STREET FIGHTER II TURBO: REVIVAL (GAME BOY ADVANCE) - POSTAGEM DE LUXO

ROUND 5

5 Hit Combo :

B - Mark disse...

Gosto muito do SF II V e achei bem interessante sua crítica em relação ao anime.

A história é realmente bem deslocada dos games, porém isso não deixou o anime ruim.

Achei seu enredo parecido com o dos filmes de luta do Força Total da Bandeirantes.

Também não sabia dessa reportagem da Globo que falou sobre o anime.

Mestre Ryu Kanzuki disse...

B-Mark: É muito bom te ver por aqui, amigo!! Fico satisfeito por você ter gostado dessa postagem. E o mais importante: por ele ter sido de valor, algo informativo.

Esse especial do Globo Repórter foi uma presença rara de Street Fighter na Globo. Ainda mais sobre um programa que se passa numa outra emissora. Todos nós sabemos que a Globo 'odeia' fazer merchan de outros canais.. é algo tão raro quanto ver a Hebe, Gugu e Faustão ou então Silvo Santos. Mas aí, foi surpresa até pra mim. Acho que o mais impossível, talvez, seja falar de Chaves e Chapolin. Eu assisti esse especial na época e adorei terem disponibilizado no you Tube. Deus abençõe essa pessoa. ^^

Esse filme Força Total eu nunca assisti. É de qual ano? Vou anotar pra ver depois.

Um mega abraço!!

B - Mark disse...

Ryu, o Força Total ao qual me referi se trata de um programa da Bandeirantes em que eram exibidos filmes de pancadaria.

Veja a lista de programas exibidos pela Band no Wikipedia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_programas_da_Rede_Bandeirantes

Sobre a Globo, um fato curioso é que quando os Mamonas Assassinas se apresentaram no Faustão os produtores da Globo vetaram a fantasia de Chapolim e o Dinho teve que improvisar uma fantasia parecida com a da Mulher Gato.

Isso vi em uma matéria da Showbizz publicada em 1996.

Mestre Ryu Kanzuki disse...

Ahh, mas é claro. Esse programa eu conheço. Me lembrei agora. Obrigado por esclarecer. É que eu não ando assistindo muito televisão, principalmente a Bandeirantes. Embora eu goste muito do canal, por causa do CQC, principalmente.
Muito interessante esse lance dos Mamonas. Acho que lembro disso.
Um abraço e obrigado pelas informações e esclarecimentos. Desculpe pelo engano. ^^''

Almir"coronel Guile" disse...

Esta era a época só se falava nisso na tv... boa gostei muito da materia Mestre...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...