Vá de Sedex :: Siga pelo Email

quinta-feira, 9 de julho de 2020

[Testando o Jogo] Pocket Bravery - Closed Alpha (Primeiras Impressões)


Pocket Bravery é um jogo de luta brasileiro em estágio bastante preliminar de produção

Saiu o primeiro licenciamento da versão em estágio inicial de desenvolvimento de Pocket Bravery. Essa edição preliminar foi gentilmente enviada da Statera Studios para o nosso escritório e estamos aqui explorando o jogo ao seu máximo. O jogo ainda se encontra em fase de testes e tem apenas um personagem e um cenário.


Em busca de redenção ?

"A motivação de Nuno o diferencia de qualquer protagonista de um jogo de luta " - Notas de produção Pocket Bravery.

O protagonista do game é Nuno. Com base nas entrevistas e bastidores de produção do canal oficial de seu criador, John Satella, Nuno é um lutador em busca de redenção. Curioso, não ?

O fundo melancólico do personagem e o estilo lembra bastante um misto de Fatal Fury e Rage of the Dragons, respectivamente.

Garou Mark of The Wolves era caso de família. A história que girava em torno da família de Howard, dando, assim continuidade ao que ocorreu com a família Bogard  -Terry adota Rock, conflito do garoto com o pai e o tio, e o resto é história.

E visual urbano ou descolado nas lutas também seguia em Rage of the Dragons (aquela continuação indireta de Double Dragon). A comparação, ligeiramente, associamos ao seu modo de batalha.

Tais comparações podem não ser muito suficientes para descrever Pocket Bravery em seu estágio bastante inicial de desenvolvimento. Mas a implementação de novas mecânica que deixa o jogo ainda mais dinâmico nas batalhas, como elementos novos, ficaria impossível explicar de uma forma mais simples sem apresentar como elas funcionam na prática.


Dos mesmos produtores de Trajes Fatais
John Satella fez parte da Onanim,
criadora de Trajes Fatais (previsto para Dez/ 2020)
Pocket Bravery tem Jonathan Ferreira (o próprio John Satella) e Anderson Halfeld entre o cast de desenvolvedores. Jonatham esteve entre o fim de 2016 e começo de 2020 na produção de Trajes Fatais - jogo de luta brasileiro com grandes promessas e que passou por alguns problemas gravíssimos que acabou atrasando sua produção. Igualmente, ou ainda maior, Pocket Bravery promete balançar o mercado de jogos brasileiros investindo no arriscado gênero Jogos de Luta.

Terão toda a nossa força, e espero que o poder venha de vocês também. John está também frente a um treinamento para a formação  de iniciantes ao avançado em pixel art pela GamedevXP - valendo também para profissionais na área. É uma ótima oportunidade, não só para adquirir um networking amplo com outros alunos como também ajudar no desenvolvimento do jogo. Um financiamento coletivo também está sendo pensado para o game.



Grande inspiração nos jogos SNK/ Neo-Geo

O sistema de provocação deixa o personagem parado por um tempo - o que se torna um misto de Art of Fighting (redução de barra) e The King of Fighters 2000 (o tempo em que o personagem fica estático durante a animação - embora já tenha existido nos jogos da Capcom).

Pocket Bravery é o jogo do John Satella, com a sua marca, mas não podemos deixar de citar comparações com o nostálgico Pocket Fighters - que surgiu de uma brincadeira interna nos confins da Capcom (uma versão pocket de Street Fighter II). O jogo estava inicialmente pensado como um título com gráficos de KOF XIII, com personagens em seu tamanho normal, mas levaria pelo menos uns 6 meses para cada etapa para ser produzido - o que poderia render aí longos anos com uma equipe pequena e com poucos recursos. Sendo assim, uma lição que deixa até mesmo para outros desenvolvedores: criar um jogo de luta com personagens em seu tamanho em miniatura (pocket) seria, inicialmente, o ideal para levar mais rápido ao mercado - e com certa qualidade devida.

Claro, fazemos a nossa parte, mas com o seu apoio ou na confiança dos entusiastas, a empresa ganha mais reconhecimentos e teremos aí novas produções mais tradicionais para o público - com uma versão originalmente pensada pelos produtores (com os personagens em seu tamanho original).

SOM

Uma interessante observação é a trilha sonora contemporânea, agitada, rock tradicional, e outra com alguma influencia erudita vale também ser destacada.

Os efeitos sonoros, especialmente a dos impactos na defesa, transferem uma devida sensação de profundidade - o que torna a sensação de volume do corpo (ou objeto) mais realista.

O volume de som vem expressivo - senti um grau elevado em configuração regular. O som de ícones está agradável.

A voz de Nuno lembra, levemente, Hermes Barolli (dublador de Seiya). Será que foi proposital ? Já que a cabeleira do personagem lembra o herói de Cavaleiros.

Execuções Difíceis
A versão liberada e bastante inicial, possui comandos bem difíceis - é preciso ser muito preciso para não perder o movimento ( alguém aí lembrou as execuções da década de 90 ? ). Mesmo os bugs encontrados para fazer juggles (técnica para manter o adversário levando dano no ar) são técnicas bem avançadas (como ficar atento aos mínimos segundos de quadros de animação em pixels).



CPU

A IA está com um grau elevado de dificuldade. Mas o problema é que a mesma possui vantagens até demais frente ao jogador - seus golpes não são suficientes e ela ganha invencibilidade com a falta de caixas de colisão (as tais hurt box - "caixas de dor" na tradução ao pé da letra).

Se defender de um ataque alto agachado ainda não é possível nesta edição beta - para quem gosta de fazer o jogo turtle tem que ser obrigado a partir pra cima.











Confira esta série exclusiva de vídeos (com o "Santulog") Testando o Jogo no canal Mestre Ryu

Em vídeo


Parte I


Parte II


Live



Sigam Pocket Bravery em todas as redes sociais.

Facebook
Instagram
Twitter
Discord
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...