Em Destaque

sábado, 15 de julho de 2017

[Sessão Crítica] Homem-Aranha: De Volta Para Casa 3D Xplus


O MAIS PRÓXIMO

Homem-Aranha: De Volta para Casa (Spiderman: Homecoming) é o mais próximo do homônimo grande sucesso da trilogia inaugurada por Sam Raimi. É o melhor desde então, dentro do universo dos Vingadores – ainda que não conte para o seu Universo Cinematográfico, este acaba sendo mais um título para promove-los. Felizmente, isso teve um bom proveito e foi realizado de bom gosto – tornando este Homem-Aranha do cinema o mais próximo possível dos quadrinhos da Marvel (com as suas ligações paralelas diante das transformações ocorridas nos eventos anteriores).


Estrelado por Tom Holland (Peter Paker/ Homem Aranha), Robert Downey Jr. (Tony Stark/ Homem de Ferro) e Marisa Tomei (Tia May), o elenco ainda trás Michael Keaton como grande surpresa, na pele do vilão Abutre.

A relação entre o Homem de Ferro e o Homem-Aranha. As intervenções do lado do Homem de Ferro na história, ainda que levemente inconvenientes, não tira muito a graça da aventura ou desloca o interesse pelo amigo da vizinhança.

Michael Keaton é a grande surpresa do elenco. Sua interpretação vilãnesca adere características assombrosas (daquelas de assustar criancinhas nos closes, como os de Willem Dafoe no seu Duende Verde) e levemente irônicas pelas condições da situação, sem gestos majestosos de grande ditador mas de um criminoso comum – como um ladrão que se aborrece quando a lei chega para estragar o seu dia.


É o longa mais leve dentre os seis já lançados pela distribuidora e produtora Sony ao seguir o padrão da cinessérie Marvel Studios na parceria. Mas ainda assim, propõe algumas boas cenas de confronto (raro num longa de origem da Marvel) junto ao já bem adotado humor dos longas UCM desde Homem de Ferro (2008) – algo que é praticamente a cara do esperto Homem-Aranha.


Como já se torna de praxe, De Volta para Casa revisita belamente os tons mais realistas e mais humanos – colocando o Peter anda mais pé no chão ao aderir mais uma vez a ideia dos cartuchos de teia, um dos pontos de origem do Homem-Aranha dos quadrinhos, sendo levemente explorados um pouco mais do que nos dois longas com Andrew Garfield.


Podemos claramente rever o aracnídeo como um super-herói da periferia, no transporte público e uma certa atenção maior na sua relação escolar – nada aparentemente de muito novo apesar de haver algo a mais como a busca pela diversidade racial entre os personagens. Fora isso, alguns minutos a mais para testemunharmos o próprio Peter dividido entre a sua vida social e o de se tornar um verdadeiro herói.

A conexão entre Peter e Tony se assemelha a um lado bastante paternal e ao mesmo tempo de emocionante parceria ali contida.  A emoção é um fator que fica bem de lado com o espaço cedido as intervenções e aos momentos de humor.  

O Homem-Aranha tem finalmente a sua versão literalmente “Batman” dos filmes – aproveitando toda a tecnologia de seu uniforme cedido pelo bilionário filantropo. O carisma de Peter junto a relação entre homem e máquina – nos faz lembrar bastante dos filmes da cinessérie Homem de Ferro. Esse interessante cruzamento, já que ele interage com o universo da Marvel Studios e por tudo o que já vimos sobre Homem-Aranha nos cinemas, é um interessante avanço.



ATENÇÃO: FIQUEM ATÉ DEPOIS DOS CRÉDITOS (TEM CENA NO MEIO TAMBÉM)


Momento Pós-Crítica
Homem-Aranha e a suposta "Mary Jane" em cena que não entrou no filme.


MEMÓRIAS DA SESSÃO


Momentos Positivos

- Assim que cheguei ao Parkshopping, me deparei com a inauguração de uma Roda Gigante bem na entrada. Esse shopping é maravilhoso.

- A loja UCI estava com toda uma decoração temática do Homem-Aranha - como prometido para ser um dos lançamentos mais esperados do ano e notável que eles tinham reconhecimento de que é um dos heróis mais queridos da cultura pop.


- Infelizmente o cartão UCI Unique não colocou Homem-Aranha como o filme da semana. Portanto, paguei caro pelo ingresso, pelo pouco dinheiro: R$ 34, 90 pela sessão 3D Xplus.

Momentos Negativos

- Como é de costume (e falta de educação do cinema UCI Parkshopping) ligaram as luzes antes assim que subiram os créditos. Somente um casal desceu. Praticamente todo o público ficou firme até o fim dos créditos mas ninguém reclamou da luz acessa. 


S E S S Ã O   C R Í T I C A

H O M E M – A R A N H A: D E  V O L T A  P A R A   C A S A


Título Original: Spiderman: Homecoming
SESSÃO ACOMPANHADA: UCI PARKSHOPPING - P-18 – 9/07/2017 (SÁBADO)
Gênero: Aventura
País:
E.U.A.
Duração: 133 minutos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...