Em Destaque

domingo, 26 de julho de 2015

[PROJETO ZERO - MEMÓRIAS] The King Of Fighters 2000 - 15 Anos: O Fim de uma Era




Adeus Neo Geo do Brasil, adeus Neo Geo Land, adeus Neo Geo Magazine, adeus grande circuito...a SNK clássica que conhecíamos (responsável por todos os seus títulos mais famosos) estava dando o seu adeus em 2001.

The King of Fighters 2000 completa 15 anos hoje. Com a falência da SNK, a fabricante decidiu encerrar as suas atividades e anunciar que este seria o último episódio de seu maior carro-chefe.

"Quem Viveu, Lembra!"
Nas imagens (capa & matéria): Super Game Power (Ediçao 77; página 50; agosto de 2000)

Aqui no Brasil, a Super Game Power foi a primeira revista que eu vi citar este jogo - tendo uma pequena cobertura sobre o caso da SNK em sua página de prévias (uma certa tristeza frisou em meu coração). Outro a datar uma prévia foi a revistas Herói. Em uma das suas edições, também citou o título com uma sinopse da trama.

The King 2000, estranhamente, não teve espaço em nenhuma grande matéria sobre Arcades na época - como aqueles estilo "detonado" pela revista (com golpes, dicas e truques) e de nenhuma outra de grande circuito. Permanecendo então, um jogo inédito por muito tempo pra mim e pra muita gente.

E mesmo considerado "inédito", o jogo fez muito sucesso num estabelecimento de xerox da região* em que eu morava. Lá sempre havia os últimos lançamentos dos jogos da série com máquinas em português, agraciadas pela Neo Geo do Brasil. Um certo tempo, ficou disponibilizado todos os jogos da série. O jogo a ficar menos tempo foi The King 99. Foi o jogo que teve menos contras por lá até chegar o The King 2000, substituindo-o.

"Barbudo" (o dono do estabelecimento)
no meio da galera.
*Curiosidade: O local era mais conhecido como o "Fliper do Barbudo", mas a divisão de fliperamas - o espaço que mais lotava - acabou repentinamente ficando apenas como um local para xerox.



Em Outubro de 2000, a revista Gameforce* citou The King of Fighters 2000 entre os seus 20 mais, em 2ª lugar, perdendo apenas para Grandia II (RPG para o console Dreamcast). O mais curioso é que, mesmo assim, o jogo não chegou a ganhar uma cobertura em suas páginas. Quem estava voltando a ganhar evidência nesta disputa era a Capcom, com os jogos Marvel v.s. Capcom e Capcom v.s. SNK.










*A revista Gameforce teve Mitikazu Lisboa como um dos principais responsáveis. Ele esteve por trás dos muitos trabalhos no mercado dos jogos de luta no Brasil - principalmente a Capcom. Tendo contribuído por um tempo com a SNK

VEJA TAMBÉM: 

1 Hit Combo :

Synbios disse...

Para mim, KOF 2000 está para a geração de ouro assim como Street Fighter X Tekken está para a geração passada. Jogos que eu gostei muito e me diverti bastante com eles, mas foram bastante subestimados e sofreram bastante preconceito de muitos por seu estilo de jogo pouco ortodoxos, em ambos depois de um tempo comecei a ter dificuldades para encontrar adversários para tirar um contra e parei de jogá-los forçadamente. Ao menos para mim, o apreço que tenho por um jogo conta muito para o meu desempenho dele, estes foram os dois jogos em toda minha vida em que cheguei mais perto de atingir um nível competitivo, inclusive disputei torneios de 2000 e quase disputei de Street X Tekken. Falando mais especificamente do 2000, o que me divertia nele era exatamente o que muitos não gostavam: os strikers apelões. Eles beneficiavam os jogadores que tem um estilo de jogo mais criativo, abrindo infinitas possiblidades de estratégia em cada gameplay. Não acho o melhor da série(o 98 ainda é melhor), mas acho 2000, por exemplo, bem melhor que o 2002 e sua jogabilidade mecânica.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...