Em Destaque

domingo, 10 de junho de 2012

[Santa Maratona! Batman..Ressurge] Batman & Robin (Dir. Joel Schumacher, 1997): Postagem Comemorativa para Colecionadores

NESTA POSTAGEM
SANTA MARATONA! 
BATMAN..RESSURGE
ACOMPANHE ANTES DE ASSISTIR O ÚLTIMO FILME DA TRILOGIA DE CHRISTOPHER NOLAN: 
BATMAN: O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE
SESSÃO CRÍTICA
BATMAN & ROBIN
BRINCANDO DE SUPER HERÓI



EXTRAS DE COLECIONADOR
GALERIA
DA BAT COLEÇÃO - PARTE 4:
DVD BATMAN &ROBIN - EDIÇÃO DE COLECIONADOR


SESSÃO CRÍTICA
BATMAN & ROBIN
BRINCANDO DE SUPER HERÓI
Batman, Robin e Batgirl: heróis pipocando para todo lado.


Acredito que hoje a Warner Brasil tenha muita frustração em lembrar mas num cartaz Brasileiro, inclusive chegou a aparecer nos jornais, Batman & Robin era apresentado ao público com os dizeres: - Venha ver o Melhor de Todos. É claro que era algo bem comercial, assim como a legenda em portugês: - Ah! Eu tô Maluco* quando Robin está descendo para pegar o Mr. Freeze em pleno ar junto com Batman. 
*O termo era uma referência ao sucesso funk daquela temporada (vídeo acima).

George Clooney é quem segura a parada do manto do morcego agora. Nesta época, Clooney era mais conhecido pela série Plantão Médico (ER). Bruce Wayne/ Batman é agora mais maduro, seguro de si e que superou a morte dos pais. Agora só caça inimigos por uma boa aventura. Sobra ainda algumas piadinhas: - Pego no Drive Tru.

Na história, a parceria de Batman e Robin entra em crise quando Robin decide lutar sozinho. Até que surge Hera Venenosa (Uma Thurman) para piorar ainda mais a situação. Também nos deparamos com uma versão paródia de Bane (o vilão que quebrou Batman na saga A Queda do Morcego) - de um grandalhão inteligente que toca o terror, se tornou um subestimado idiota. Fez justiça para quem tinha medo dele.

Na foto esquerda: Uma Thurman como Hera Venenosa, tem um visual tão provocante que impressiona. Com figurinos belíssimos e sensualidade na bandeja - vale lembrar a meia calça que valoriza as curvas da moça. E na foto direita, nas HQs em uma história cujo título traz um conceito bastante semelhante ao filme.

Arnold Schwarzenegger entra congelando tudo como Sr. Gelo (Mr. Freeze) com uma armadura que mais lembra o Robocop. O então futuro Governator só topou fazer o papel se o seu nome estivesse acima de George Clooney. Apesar dos pesares, assim como Uma Thurman, como Hera, o grandalhão Austriaco ficou divertido no papel. Dizem as más linguas que Val Kilmer só não retornou ao papel de Batman por que temia levar uma sova do Arnold em alguma cena. 
Penso Michelangelo, logo Batman & Robin

Os polêmicos mamilos na armadura foram idéias tiradas da fisicultura das estátuas gregas. Batman & mitologia, tudo a ver. Logo: Grécia e Brasil, Rio de Janeiro, carnaval, aí vou eu.
Schumacher ainda brincou em uma entrevista a MTV Brasil durante o lançamento do filme que se fizesse um Batman 5, ele teria batuques de carnaval. Provávelmente ele estava com idéias de filmar uma Gotham City em pleno carnaval no Rio de Janeiro? Mal ele sabia que não estaria mais na cadeira de diretor pelo menos na Warner ou que estaria jurado de morte pelos fãs mais obcecados pelo personagem.
Se o Batmóvel faz uma saudação carnavalesca, a edição de arte futurista da cidade evoluiu.

Não é um exemplo de definir Batman mas também não é um filme para se levar a sério. Sente, coma umas pipocas e relaxe na poltrona. Como o próprio Schumacher disse, é um filme pra se divertir. Ou seja sem qualquer compromisso com a seriedade das histórias do personagem. Encare como uma brincadeira dos tempos de Adam West.

EXTRAS DE COLECIONADOR
GALERIA


 











VÍDEOS
Os 15 Momentos mais 'débeis' de Batman & Robin
(vídeo disponibilizado pelo canal Cablogula)


Batman & Robin: A versão do Diretor Tim Burton
(interessante vídeo editado por fã com base na essência do diretor Tim Burton. Destaque para a dramática edição de vídeo)


Foolish Games - Jewel

Da trilha sonora

R. Kelly - Gotham City

Videoclipe oficial da música - parte da trilha sonora - cantada pelo premiado R.Kelly (foi indicado ao MTV Music Awards 1997 nesta mesma época por I Believe I Can Fly, parte da trilha sonora de Space Jam)

The End is The Begining is The End - The Smashing Pumpkins

The Smashing Pumpkins - The End Is the Beginning... por Tunashaker
Videoclipe Oficial do filme

The End is The Begining is The End - The Smashing Pupkins (Cover)


Look Into My Eyes - Bone Thungs-N-Harmony


Birds Of Prey - Episódio Piloto*

Neste primeiro episódio, surge a personagem Batgirl/ Barbara Gordon, que é atacada pelo Coringa e fica paraplégica - referências à HQ Piada Mortal.

Batman (1966, TV): Episódio  1 (3ª Temporada) - Enter Batgirl Exit Penguin*

Neste primeiro episódio da temporada, Barbara Gordon é apresentada como neta do comissário Gordon.

(*Para uma melhor comparação, entre as diferenças da série de TV e dos quadrinhos, veja o trecho sobre a personagem Batgirl mais adiante)

Aerosmith - Crazy (Versão do Diretor)*

Com a presença da atriz Alicia Silverstone

Aerosmith - Cryin*

Alicia Silverstone mais uma vez em um clipe do grupo.

Aerosmith - Amazing*

Alicia encantando na bela melodia, Amazing.
(*veja mais adiante um pouco sobre a relação de Alicia Silverstone e os videoclipes do Aerosmith)

Batman (1966, TV): Episódio  7 (1ª Temporada) - Instant Freeze

A aparição de Mr. Freeze na série cômica.
(*Para uma melhor comparação, entre as diferenças da série de TV e dos quadrinhos, veja o trecho sobre o personagem Mr. Freeze mais adiante)

DA BAT COLEÇÃO - PARTE 4:
DVD BATMAN &ROBIN - EDIÇÃO DE COLECIONADOR
- O excelente Sombra do Morcego Parte 6: Batman Solto conta com polêmicas e comentários muito interessantes por trás dos bastidores do filme.

O diretor Joel Schumacher brinca nos bastidores simulando um morcego com as mãos, com os dizeres: - Batman.. e Robin.

Houve moderação quando fizemos Batman Eternamente que era algo como: "Achamos que podemos". A gente sentia, em Batman & Robin que as coisas se revelavam. Parecia apenas que o céu era o limite. 
Joel Schumacher - Diretor/ Responsável por Batman & Robin

Partimos de um ponto alto. Há um sucesso, Batman Eternamente. Você tem todos os elementos no lugar. Você diz: - "Por quê não? Foi divertido. Vamos fazer de novo".
Peter Macgregor Scott - Produtor


No primeiro filme (Batman Eternamente linkar), era tudo mais nítido, focado. Achei tudo um pouco mais difuso no segundo filme. No primeiro, parecia que fazia um filme. No segundo, parecia que fazia um comercial de um brinquedo. 
Chris O' Donnell - Dick Grayson/ Robin Eternamente

Batman & Robin teve tanta propaganda desde a hora que dissemos que o faríamos que acho que teve um efeito contrário. Quando esperam um sucesso você tem que ser.
O livro e o filme respectivamente
*O filme Tempo de Matar foi adaptado de um romance de John Grisham e é um dos melhores filmes de Joel Schumacher
Estávamos quase prontos para filmar Tempo de Matar*. Bob Daly e Terry Semel me ligaram e perguntaram se faria outro Batman. Parecia que o público, os meios de comunicação e o estúdio todos queriam que eu fizesse outro filme. Claro que todos queriam estar envolvidos. Foi o contrário de Batman Eternamente quando fomos por aí convencendo a todos a se juntar a nós pois íamos fazer um filme de Batman. Nesse, era: -'"Como podemos parar todos?" Entende? 
Todo mundo queria ter o seu direito no filme e fazer parte dele e isso era uma experiência muito diferente. 
Joel Schumacher - Diretor/ Responsável por Batman & Robin

Uma curiosidade é que antes de filmar Batman Eternamente, Schumacher estava envolvido na adaptação de um outro romance de John Grisham, O Cliente.


Foi evoluindo. Não acho que dissemos publicamente: -"Faremos outro filme. Faremos o próximo imediatamente ". O que aconteceu foi que acabamos chegando ao quarto filme. O segundo para nós, quase sem intervalo.  
Peter Macgregor Scott - Produtor

Quando se filma esses filmes e se tem toda a mídia depois do lançamento, começar outro tão cedo como fizemos é realmente cedo demais, eu acho.  E eu acho que, no final das contas, o filme sofreu porque, imagino que as pessoas não estavam prontas. Há algo em aguardar essas coisas para o momento em que o interesse comece a aumentar um pouco. As pessoas ainda estavam cansadas da cobertura da imprensa. Quero dizer, a campanha publicitária é muito agressiva. 
 Chris O' Donnell - Robin

O ator Chris O' Donnell  levantou uma importante questão. Filmes de grande orçamento e de grande público, como o Batman, podem ficar prejudicados com uma massiva e constante propaganda. Note que o período de intervalo entre os filmes: Batman, Batman: O Retorno e Batman Eternamente era de 3 anos. Atualmente, o período entre Batman Begins, O Cavaleiro das Trevas e O Cavaleiro das Trevas Ressurge, ambos de Christopher Nolan, foram entre 3 e 4 anos respectivamente . Nota-se que a publicidade do atual filme, a estrear em Julho deste ano, está sendo discreta para preservar os segredos em torno da história.

Vejo em algumas comunidades reclamando da falta de publicidade - e isso realmente incomoda pois eu também gostaria de saber mais sobre o terceiro e mais recente filme - mas nem sempre manter a propaganda massiva, da mesma forma que o filme anterior, desperta o interesse do público - que provávelmente já tem uma noção do que esperar e desiste de ir ao cinema. De qualquer forma, é uma campanha ambiciosa instigar a curiosidade do público. Talvez a maior saída que os filmes de grande orçamento buscam hoje é bombar na publicidade um pouco antes da estréia - para não sofrerem os problemas de Batman & Robin.


Em Batman & Robin havia um desejo real no estúdio de fazer um filme para família, para as crianças. E uma palavra que nunca tinha ouvido antes: mais "toyetic".  Que quer dizer o que você faz cria brinquedos para serem vendidos. 
Joel Schumacher - Diretor

Envolvemos a indústria de brinquedos. Deixamos que vissem e opinassem na aparência do batmóvel  nos equipamentos do Batman, em quais eles desejavam. Era essencial. Precisavam de tempo de preparação.
Peter Macgregor Scott - Produtor

Começamos os planos em Agosto de 1995. Eu sabia que queria o Sr. Freeze e a  Hera Venenosa como vilões começamos com páginas destacáveis, revistas em quadrinhos e discussão sobre como eles seriam e como faríamos Gotham City maior, melhor  e em que áreas penetrariamos. Então, todas essas coisas, enquanto planejávamos eram arrancadas das nossas mãos. Eles faziam os moldes. Os moldes geralmente tinham que ser feitos na Ásia. Então, tínhamos que fornecer os projetos com muita antecedência para fazerem os moldes e fazerem os brinquedos para que fossem lançados juntos ao lançamento do filme. Portanto, tudo  que fazíamos era: - "Podem fazer maior e melhor?". Não estou criticando. Eu assumi fazer isso. Eu fazia esse trabalho.
[...]
O elenco era o melhor. Ir trabalhar todos os dias com George Clooney, Chris O'Donnell, Arnold Schwarzenegger e Uma Thurman é simplesmente , sabe, nada pode ser melhor. 
Joel Schumacher - Diretor

Eu tinha aceitado fazer outro filme, 'O Santo'. Nunca convocaram meus agentes, nunca me ligaram e disseram que começariam a produção imediatamente em 1 ano. 
Val Kilmer - O Ex-BatmanEternamente

Apesar do desabafo de Val Kilmer, (O Batman anterior), Joel Schumacher dá a sua versão: - Eu fiquei chateado com Val e seus representantes porque nos informaram em último segundo.  Foi isso que me chateou. Não me chateou Val não fazer o filme, me chateou sabermos disso no último momento. 


Ainda é um enigma quando lembro disso. Já faz quase 10 anos. Eu olho pra trás e penso: - "Por que fariam isso?'". Mas você sabe, são negócios, e essas coisas acabam acontecendo. 
 Val Kilmer - Batman/ Bruce Wayne (Batman Eternamente)

Tive um encontro com George Clooney, que foi ótimo. Ele é uma das pessoas mais bacanas do mundo. Achei que ele seria um Batman bonito e charmoso. 
Joel Schumacher - Diretor

Pensei por um instante: - "Quero ser o terceiro Batman no quarto filme ?". Isso pode ser preocupante pois os outros três foram sucessos. E você pode apenas estragar tudo. Esse é o único resultado, você sabe. Eu não pensei que haveria lucros para a minha carreira fazendo isso. Por outro lado tive a chance de participar deste grande evento. 
George Clooney - Batman/ Bruce

Eu acho que o Joel não queria ele (Clooney) sério demais no papel do Batman que foi a forma que ele interpretou, e  ele pareceu à vontade assim. Havia mais humor e graça no seu Batman do que no anterior.
Peter Macgregor Scott - Produtor

Michael Keaton e Val Kilmer, respectivamente.

Pelo que se dá a entender o ator George Clooney acredita que Michael Keaton é o ator que mais se aproximou do Batman dos quadrinhos. Veja o que ele diz nos bastidores: - A questão é, devemos lembrar, Michael começou e criou o seu tipo. Você entende, Batman era Batman. E Michael será sempre Batman por causa disso. Então, Val veio e fez algo totalmente diferente. Ele era mais misterioso, muito forte, um personagem muito melancólico.

 
E sobre a versão de seu Batman, George Clooney explica: - Para mim, não havia muitas opções para o quarto Batman. Conversamos sobre isso porque havia páginas escritas em que ele lidava com a morte dos pais. Eu disse: -"Vocês sabem, ele é um cara com 35 anos que vive em uma grande mansão, tem bilhões de dólares, sai com mulheres lindas, tem os brinquedos mais legais e é Batman. Não acho que alguém se importaria e ouviria um cara que diz: - "Pobre de mim, fiquei órfão aos 4 anos."    Então, o que tentamos fazer foi colocar menos peso para ele carregar. 


Sobre a personificação de Batman, em Batman & Robin, comenta o diretor Joel Schumacher: 
- Como pretendíamos criar um filme mais para famílias eu devia criar um Batman mais gentil e amável talvez não tão deprimido ou atormentado. Eu sei que fui muito criticado por isso mas não vi mal algum nisso.  


George Clooney admite que fazer Bruce Wayne é mais fácil do que fazer Batman, para ele:
- A coisa de ser Batman não me deixava completamente à vontade. É muito difícil ficar à vontade sendo Batman. Você tem que assumir uma atitude diferente. Tem que assumir um tipo extremamente confiante e inatacável de homem. 


George Clooney estava gravando o seriado E.R. (Plantão Médico) enquanto filmava Batman & Robin. Os produtores tiveram que seguir a sua agenda. Segundo Peter Macgregor Scott: - Nós gravávamos Sexta, Sábado, Domingo, Segunda e Terça-Feira. Não o escalávamos às Sextas-Feiras para que tivesse três dias seguidos. Ele estava Quarta, Quinta e Sexta - Feira no ER. Ele é incrível. Trabalhou sete dias por semana, por meses, enfim.   Fala admirado.
   
Sobre voltar ao papel de Robin, Chris O' Donnell diz que adorou e que faria tudo denovo. Segundo ele: 
- Foi divertido fazê-lo denovo e com outras pessoas. Estava meio cansado naquela época. Havia coisas acontecendo outras coisas que queria fazer. Mas ao mesmo tempo, você sabe tive grandes experiências fazendo os filmes do Batman. Tive que viajar por todo o mundo para a publicidade. A Publicidade pode ser uma desgraça. Mas se encara tudo isso com a grande experiência de se viajar pelo mundo e, do ponto de vista comercial, eu aproveitei. Embora, olhando pra trás, achei corrido ter sido corrido começar o segundo filme. Eu ainda faria o filme novamente se tivesse a oportunidade. 

Joel Schumacher sobre a escalação de elenco e sobre o Exterminador Arnold Schwarzenegger (Mr. Freeze/ Sr. Gelo): - Sou um diretor que depende muito do elenco. Geralmente só tenho uma escolha para cada papel até ser completamente rejeitado eu não me apaixono por mais ninguém. Tive sorte de obter as primeiras escolhas na maioria dos meus filmes. Arnold parecia a escolha perfeita. Você sabe, esse austríaco enorme. Um cara assustador com roupa metálica. 


E então o Arnoldão comenta sobre como aceitou ser Mr. Freeze:
- Joel Schumacher foi um incentivo para eu fazer um Batman. Embora eu tenha assistido aos outros filmes de Batman e gostado imensamente. E sempre tenha me interessado em fazer um dos principais vilões em um desses filmes não tinha pensado muito nisso até Joel Schumacher chegar e falar que gostaria  que eu interpretasse  Sr. Freeze. Mas disse a ele: - "Isso parece ser interessante. Deixe-me pensar a respeito. Esse é um personagem importante para ser interpretado." 
Então Joel se virou e disse: - "Bom, só pra você saber. Se você decidir não aceitar o papel eu não vou dirigir o filme. Porque só posso fazer o filme se você interpretar Sr. Freeze."  Então, o que você faria? Digo, estragaria todo o filme? 
Ele me fez sentir que eu faria tudo desmoronar se eu não fizesse parte disso. Ele me fez sentir como se eu fosse um King Kong. Então liguei no dia seguinte e disse: -"Sabe de uma coisa, Joel, eu vou ser Sr. Freeze."


Schumacher comenta sobre Uma Thurman: - Eu sou um grande fã de Uma Thurman* desde que a concha se abriu, e ela era a Vênus em As Aventuras do Barão de Munchausen.  No momento em que foi escrito que teríamos uma vilã chamada Hera Venenosa a frase que estava sobre isso era: - "A mulher mais linda do mundo mas, se beijá-la, você morre". Bom, "a mulher mais linda do mundo" são palavras de briga em Hollywood. Todas se vêem como a mulher mais linda do mundo. É a minha Gotham City. E eu acho que Uma Thurman é uma das mulheres mais lindas do mundo. E além de uma grande beleza eu precisava de uma grande atriz com senso de humor também. 


A atriz Uma Thurman* ficou mais conhecida após o filme Pulp Fiction - Tempo de Violência do cultuado diretor Quentin Tarantino.

A personagem Hera Venenosa (Poison Ivy, no original, tem um alter ego, Dra. Pamela Lilian Isley) é uma bioterrorista criada por Robert Kanigher. Sua primeira aparição foi em Batman nª 181 (junho de 1966).

Imaginei, porque como não se incluem muitas vilãs e eu não sabia que seria algo tão delicioso como o papel de vilã. Eu só supunha. E eu perguntei ao Joel de cara quando almoçávamos: -"Se for uma donzela em perigo vamos seguir cada  um o seu caminho. Mas, se for uma vilã, gostaria de conversar." E ele disse: - "Bom, é uma vilã. O nome dela é Hera Venenosa".
Uma Thurman - Hera Venenosa
John Glover explica a experiência de interagir o seu personagem, Dr. Jason Woodrue, com a Hera de Uma Thurman: - Uma tinha ótimas idéias sobre como ela deveria ser. Esse tipo de mulher pevertida. Ela já existia há muito tempo. Eu estive com ela desde o começo. Acho que obtive o melhor dela. Tinhamos que repetir aquele beijo um monte de vezes. Foi tão difícil, entende? Ironiza.


Fazer uma vilã em um filme de Batman, de uma forma cômica e popular, é como uma personagem de ópera. É ilimitada. Disseram-me: "Não pode ser grande nem pequena demais". Mas existem, as são infinitas com as personagens.   Era tão tentador. Nunca fiz nada parecido, e não é algo que surja com frequência.
Uma Thurman - Hera Venenosa - revelando a sua apreciação por personagens fortes.

Joel Schumacher ainda explica que a má aceitação de muitos críticos ignorou a peformance de Uma Thurman, que o deixou maravilhado.


Sobre a inclusão de Batgril, o diretor explica: - Eu achei que na forma de fazer um filme para a família e para as crianças devia se permitir que as meninas tivessem mais acesso ao Batman. Eu percebi que realmente não havia nenhuma Super-Heroína especialmente adolescentes, na nossa cultura, o que era estranho. Não sei o que isso quer dizer. Mas não havia ninguém melhor do que Alicia Silverstone para Batgirl. 

As atrizes Alicia (no filme que a lançou ao estrelato) e Brittany, respectivamente.

Alicia Silverstone ficou mundialmente conhecida com o filme As Patricinhas de Beverly Hills (1995). Ela atuou ao lado de Brittany Murphy, que faleceu prematuramente aos 32 anos em 2009.


O cartaz do filme As Patricinhas de Beverly Hills (à esquerda) e uma famosa imagem de divulgação (à direita).

Após Batman & Robin, a atriz participou do filme Excesso de Bagagem ao lado de Benicio Del Touro (O Lobisomen; Os Suspeitos).
Antes da fama de atriz, Alicia participava de alguns videoclipes do Aerosmith com a amiga, Liv Tyler, filha do vocalista da banda. (veja os clipes na seção vídeos deste post)


Alicia Silverstone fala sobre sua Batgirl: -  Na verdade, eu não tinha idéia de que existia uma Batgirl. Eu assistia à série de TV (com Adam West) e gostava da Mulher-Gato, do Coringa e do Charada mas não conhecia a Batgirl.


A primeira aparição de Batgirl  foi em 1961 na edição número 139 de Batman. Foi criada por Bob Kane e Sheldon Modoff. O nome da primeira era Betty Kane - sobrinha da Batwoman (atualmente lésbica).
As aparições de Batgirl e Batwoman, em ação, com a dupla dinâmica num período mais cômico das séries em quadrinhos do homem morcego.


Betty se tornou Batgirl  com uma história essencialmente parecida com a que se vê no filme. Ela resolveu virar uma heroína após descobrir a identidade da tia, se juntando a Batman e, principalmente, a Robin, por quem é apaixonada. Betty apareceu pouco nos quadrinhos. Posteriormente ela abandonou o posto de Batgirl e assumiu a identidade de Labareda fazendo parte dos Novos Titãs da Costa Oeste. Na saga em quadrinhos, Crise das Infintas Terras (evento dos anos 80 que causou uma grande mudança no Universo DC, detentora dos direitos de Batman e outros personagens, como o Super-Homem), ela renasceu sem nunca ter sido Batgirl e já era reconhecida como Labareda, desde sempre.

Sua tia, Batwoman, era uma ex-acrobata de circo que ficou rica e resolveu se tornar uma heroina. Sua primeira aparição foi em 1954. Kathy Kane é o nome da identidade secreta da Bawoman - o sobrenome se refere ao criador do Batman, Bob Kane.

Assim como a atriz Alicia Silverstone, intérprete da Batgirl no filme, poucos devem ter visto, mas a Batgirl também esteve na série de TV. Ela foi interpretada pela Yvonne Craig. A intenção dos produtores era de inicialmente começar uma série solo da personagem, com a queda da audiência da série de TV, ela foi introduzida ao espetáculo para atrair a atenção do público - principalmente masculino - pelo seu porte físico. Craig já foi dançarina de balé e Miss América, antes de se tornar atriz. A idéia de uma Batgirl de cabelos ruivos gerou uma inspiração da criação da personagem Barbara Gordon, a segunda Batgirl, nas hqs.


Na série de TV, a identidade secreta da Batgirl é desconhecida até para a dupla dinâmica. O único que conhece a verdadeira identidade é o mordomo Alfred. Mais uma vez nota-se que a origem da personagem no filme Batman & Robin  é um cruzamento entre a série de TV e a sua primeira aparição nas HQs. De quebra, o filme de 97 aprofunda a relação entre Alfred e Batgirl. 


 Yvone em rara cena dos bastidores da série de TV.


A primeira aparição de Barbara como Batgirl, na edição númerio 359 da Dective Comics em Janeiro de 67, à esquerda, e, à direita, em uma das cenas mais fortes das hqs

A mais conhecida Batgirl foi a segunda, Barbara Gordon - filha do comissário Gordon (um dos grandes amigos de Batman). Barbara acabou sendo aleijada  por um tiro de revólver (e provávelmente estrupada) pelo Coringa na icônica HQ, Batman: A Piada Mortal (1987). Barbara atuou como Batgirl de 1967 a 1988 até assumir uma outra identidade conhecida por Oráculo. Foi substituida posteriormente pela personagem Salteadora, no cargo de Batgirl.

A personagem Barbara Gordon chegou às telas de TV na infame série Birds of Prey, do canal Warner, em 2002, sendo cancelada após 13 episódios.  Barbara foi interpretada por Dina Meyer - que viveu as duas fases mais marcantes da personagem, como Batgirl e Oráculo.


(*Veja os vídeos com a aparição da Batgirl, nas respecitivas séries de TV mencionadas, na seção vídeos)


 
Akiva Goldsman (roteirista) Peter Macgregor Scott (produtor) dão suas opiniões sobre a visão de Joel Schumacher para Batman & Robin:
- Queremos obscuridade e complexidade psicológica quando fazemos esses filmes. Quero dizer que há um tipo de fã que literalmente pensa que é a personificação do outro. Mas, realmente, a verdade é que esses filmes devem ter toda a obscuridade e complexidade possíveis. Às vezes você consegue isso, outras vezes não. - Goldsman. 


- Joel sabia aonde queria chegar com o filme. Joel gosta que seja espirituoso. Ele não gosta sério demais. Não vamos ficar sérios demais aqui. Estamos filmando Batman. É revista em quadrinhos. Quadrinhos ao vivo. - Scott.


O ator John Gloover relembra que Joel levava o filme de uma forma leve - assim como esclarece o produtor. - Antes de uma tomada, Joel pegava o microfone, o alto falante e dizia: - "lembre-se, todos, é um desenho animado!" Isso definia o tom e o estilo do Batman de Joel. Comenta Gloover, se referindo ao senso de humor de Schumacher nos bastidores.

Anos depois, John Gloover atuou em outra adaptação de quadrinhos - agora em uma série baseada nas aventuras do Super-Homem quando jovem. Como Leonel Luthor, na cultuada série Smallville: As Aventuras do Superboy (2001-2011)
Na série Smallville: Leonel e seu filho, Lex Luthor, um dos maiores inimigos do homem de aço, que começa como um amigo do herói na série.

O co-diretor, Peter Macdonald, comenta sobre a visão de Joel:  - A abordagem era mais resplandecente e teatral. Uma imagem muito diferente do Tim, que era escuro e sombrio.  Mas eu também entendo que quando se progride por três, quatro filmes a aparência talvez deva ser mudada. Senão o público dirá: - "já vi isso". 


Bob Kane (criador do Batman) e Comissário Gordon (Pat Hingle) nos bastidores.

Michael E. Uslan (Produtor) com toda a sua experiência com os quadrinhos e envolvimento com os filmes de Batman, desde 89, comenta as diferenças entre as produções: 
- Os filmes, pra mim, sempre refletiram uma era da mitologia Batman. 


O primeiro filme de Tim Burton foi o Batman de 1939, antes de Robin. Batman: O Retorno era um tributo de Tim aos quadrinhos do Batman à forma como retratavam o personagem nos anos 90.  Batman Eternamente era aquele do meado dos anos 40 ao meado dos anos 50.  E Batman & Robin claramente era o Batman dos quadrinhos dos anos 60. 


Então, acho que a perspectiva dos fãs ou do público em relação aos filmes é diferente de acordo com a idade que eles têm e com o tipo de revistas do Batman que leram quando crianças. 


Sobre os mamilos no uniforme, Joel Shcumacher fica meio sem saber o que dizer e explica: 
- Eu não fazia idéia de que usar mamilos no roupa do Batman dariam em manchetes internacionais. 
A inspiração veio das estátuas gregas que têm corpos perfeitos. Então, moldamos esses corpos perfeitos em borracha e eles eram anatomicamente eróticos. Por isso, nunca pensei em usar mamilos na roupa dos homens (então.. quem será que deu essa idéia?) pois não sabia que mamilos masculinos eram uma parte controversa do corpo. 
Então restou o dilema do que fazer com a Batgirl. (Joel dá uma risada) Por que se não o fizemos, iria parecer que seríamos sexistas, eu acho, se a deixássemos de fora.  Então os dela eram mais sutis.


Bem, se hoje em dia tem algumas pessoas que já reclamam de sexismo masculino nos quadrinhos (um dos exemplos é o cartaz do filme Os Vingadores - quanto ao caso da Viúva Negra) só pra fazer polêmica, então, sinceramente, acho que Joel Schumacher estava certo em ter tentado igualar a roupa da Batgirl.

Já o ator Chris O' Donnell lembra, mostrando muito senso de humor, que a situação dos mamilos não era mais polêmica que o caso da baguilha: - A imprensa, obviamente, acabou. Com a direção de Joel, claro, acabaram provocando um pouco. Mas eu não pensei duas vezes. Embora eu olhe para algumas fotos da época e pense (faz cara de estranheza): -"Isto é um pouco estranho, na minha opinião"  (dá uma risada)

Bagulha de Chris O'Donnell em Batman Eternamente (à esquerda), e o de George e Chirs, respectivamente, em Batman & Robin, à direita
Sobre a Baguilha, Joel também relembra o seu filme anterior com um certo senso de humor, como sempre: - A baguilha do Val Kilmer e de O'Donnell tinham o mesmo tamanho, Chris é mais baixo, por isso parecia maior. A piada no set era que Chris deu uma gorjeta a Jose, o escultor, para fazer a dele maior. Então, George entrou no filme. E George me pediu na primeira entrevista coletiva para dizer a todos que a roupa de Val coube perfeitamente nele mas tivemos que fazer a baguilha maior para se ajustar a ele. 


Eu pedi um pacote maior - brinca George Clooney, no set, sobre sua baguilha. - Parece que Chris dava uma gorjeta ao costureiro. George tira um sarro do colega (companheiro contra o crime) de elenco. - Mas eu fiquei com o bumbum bonito. Continua com a brincadeira.


Joel comenta a sua relevância em relação ao ambiente de suas adaptações e desabafa: 
- Mesmo que o trabalho tivesse muitas pressões e responsabilidades eram quadrinhos do Batman. E nos quadrinhos desenham pessoas muito bonitas anatomicamente perfeitas com roupas muito sedutoras. E devíamos isso ao público. 
Mas eu assumo a responsabilidade por usar e glorificar a beleza e a sexualidade disto. Isso era a parte da graça dos quadrinhos do Batman. 


Peter Macgregor Scott (produtor) fala sobre a resposta à expectativa do filme: - Acho que a reação dos fãs, especialmente, os mais ávidos esperavam algo mais sombrio do que Batman Eternamente. Não foi isso, seguimos o caminho que está aí. Comenta.

Scott ainda cita a possibilidade da Warner ter achado, no fim das contas, que não deveria correr com o projeto e que o quarto filme deveria esperar por mais um ano. Ou seja, levando precisamente 3 anos e não 2, assim como os  3 filmes anteriores. Então, ele dá a sua posição: - Não acho que teríamos feito algo melhor. Conclui.


Joel Schumacher também mencionou que o estúdio gostaria que ele fizesse um quinto filme (aonde seria apresentado o vilão Espantalho) mas o diretor pensou e disse: - Eu simplesmente não podia fazê-lo. Não estava mais em mim. Levando a acreditar que a paixão de Joel em se dedicar a mitologia estava parando por ali.

-Deve haver uma paixão verdadeira. Não pode ser porque as pessoas esperam que você faça isso. Se alguém estiver assistindo a isso que, digamos, adorou Batman Eternamente e foi ver Batman & Robin com grande expectativa se o desapontei de alguma maneira realmente, queria me  desculpar, pois não era a minha intenção. Minha intenção era apenas diverti-lo.  Completa o diretor, com um perdão que gerou muitas distorções na internet.


Rumores sobre o quinto filme, que poderia ser entitulado como Batman Triunfante (Batman Triumphant), apontavam o ator Jeff Goldblum como forte candidato no papel de Espantalho. Goldblum - conhecido desde o seu papel no filme A Mosca (1986, Direção: David Cronenberg) - estava em evidência na década com os filmes O Parque dos Dinossauros (Jurassic Park, 1993) e O Mundo Perdido: Jurassick Park (1997 - mesmo ano de Batman & Robin).

"Coronel" Tom Parker e Elvis Presley respectivamente


Joel discursa seu sentimento em relação ao herói: - Eu me lembro de Jerry Weintraub ter me apresentado Cel. Tom Parker que descobriu e gerenciou Elvis. Ele me disse que Elvis era um ícone tão grande que depois que Elvis morreu ele podia enviar a sua roupa pelos Estados Unidos e fazer uma fortuna. Batman é como Elvis. Na verdade é a roupa que é a estrela sem desmerecer Michael Keaton, Adam West, George Clooney ou Val Kilmer. Mas Batman é a estrela. E Batman continuará depois de nós. Eu não estou preocupado com ele. (risos)  

O roteirista Akiva Goldsman traz um belo discurso sobre a importância das transformações que poderiam se associadas a um  personagem ou a uma história: 
- Eu senti intensamente, e ainda sinto que fazíamos exatamente o que era proposto fazer. Deixo a opinião sobre a qualidade para cada expectador mas o que fazemos com ícones é distorcê-los. Digo que a razão para as histórias em quadrinhos sobreviverem ao tempo é que os personagens são duradouros. 
(Clint Eastwood como Batman/ Bruce Wayne em uma adaptação da série O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, que tal?)
Eles se dão ao luxo de terem diferentes realizações. São lentes diferentes pelas quais se vê o mundo. Eles mudam e são mudados pelo mundo pelo tempo, pelo momento histórico em que estão. 


E sem esses desvios e guinadas abordados e, talvez, menos bem sucedidos não se obtém "O Cavaleiro das Trevas". Nunca vai se ter uma versão de Clint Eastwood do Batman. E essas são as coisas que queremos. E isso que ansiamos. Ansiamos por algo velho que se faça novo espetacularmente. 
É isso é esse o trabalho. O trabalho é mudar tudo, de repente, e ver se ele se mantém ou não.
Finaliza Goldsman.


- Em Vilões: Mr. Freeze, a origem e a personalidade do personagem, no filme, ficam ainda mais esclarecidas.

Otto Preminger e George Sanders (respectivamente) interpretes de Mr. Freeze na série 


Mr. Freeze surgiu originalmente com o nome de Mr. Zero na edição nª121 em fevereiro de 1959. Foi criado pelo mesmo criador do Batman, Bob Kane, junto com David Wood e Sheldon Moldoff. Na série de TV dos anos 60, ele começou na série representado pelo ator George Sanders e o seu nome passou a ser Mr. Freeze. O nome da série de TV lhe influenciou diretamente nos quadrinhos. Atualmente é também conhecido como Dr. Victor Fries.  No Brasil, o personagem é também conhecido como Senhor Frio ou Senhor Gelo.

Apesar de ser mau, tudo o que ele faz tem uma razão: sua esposa - Explica Arnold. 


Arnold Scwarzenegger teve vários dublês como estes, em um total de 11 maquiadores, incluindo os fotográficos, criando Mr. Freezes, segundo Jeff Dawn (maquiador).
- Na verdade, apareço em muitas cenas com Sr. Freeze. E nunca trabalhei um dia sequer com Arnold. Comenta Chris O'Donnell, apesar de estarem juntos no set e em eventos de publicidade, mas elogia os dublês: - Eles foram tão bons.. (*em Sombras do Morcego).


Em Os Loucos Congelados e as Mulheres Fatais Arnold Schwarzenegger explica a caracterízação de seu personagem: 
- O desafio foi criar uma maquiagem que fizesse o rosto e o corpo parecerem que tivesse passado por um acidente traumático e o cabelo todo tivesse congelado. Não sobraram pêlos em lugar nenhum. 
[..] 
E precisa fazer as sombrancelhas sumirem e até os pêlos do nariz. Cada cabelo com a iluminação de silhuetas e tudo mais. É preciso se certificar de que todos os pêlos sumiram. Senão, parece falso. Então criaram uma certa cor. Como um ser humano se parece congelado? 
Ele criou um tipo de aparência acinzentada pra tudo e depois foi filmada muitas e muitas vezes para criar tons diferentes e brilhos, e coisas assim, combinando azul com cinza. 
[..]
Queremos que, sempre que olhar para o Sr. Freeze pareça algo que não está vivo. Para que, olhando nos olhos, dê medo. Na verdade, meus filhos vieram ao estúdio e foi a primeira vez que os vi fugindo dizendo: "Não quero nada com esse homem". - Brinca o Ex-Terminador.


- Em Vilões: Bane, Joel Schumacher explica que não conhecia o personagem até ser apresentado a ele pelo seu afilhado de 5 anos. Bane é o vilão mais recente que já passou pelos filmes do Batman. Sendo apresentado aos quadrinhos em um grande evento,  a maxissérie A Queda do Morcego, onde Bane quebra a coluna do Batman.

Brian Penikas (maquiador) explica o desafio de Bruce Wayne/ Batman, nos quadrinhos, após encarar o  brutamontes racional:  - O que foi uma grande mudança para os quadrinhos. Foi como, uau, um Super-Herói aleijado. Como é que o Batman vai lutar contra o crime com a coluna quebrada?


No filme, Bane é caracterizado por dois atores. Michael Reid MacKay (na sua primeira forma, magro, Antonio Diego) e Robert Swenson (já transformado como Bane, ao ser submetido a uma experiência clandestina, pelo Dr. Jason Woodrue (John Gloove), fica musculoso).


O ator Michael Reid MacKay em X-Men 2 e Seven, respectivamente. 


Michael Reid MacKay voltou aos cinemas em uma outra adaptação dos quadrinhos, X-Men 2, na pele do mutante Jason Stryker (ou Jason 143). Anterior a Batman & Robin, fez Seven: Os Sete Crimes Capitais, como uma das vítimas do Serial Killer.

Robert Swenson - interprete de Bane - era, além de ator, dublê e lutador de luta livre. Faleceu em 1999, vítima de cancer, aos 52 anos. 

O ex-lutador de MMA e UFC, Brock Lestnar, tem grande semelhança física com o vilão dos quadrinhos. Será que ele daria um bom Bane no cinema?
Lestnar também recebe apelidos como Urso Americano, pelo seu grande tamanho e força, e O Homem Mais Malvado do Planeta.


Antonio Diego e Bane, respectivamente  

Joel Schumacher explica a participação do personagem no filme: - Bane é feito de esteróides e veneno. Usamos ele neste filme para ser o 'pit bull' de Uma (Hera).  Ela não pode matar todo mundo em Gotham City beijando. Sabe, ela teria (risos) É muita gente para beijar. Às veze ela só precisa de alguém para quebrar as paredes. Então, ele é uma ótima adição. O que o diretor deixa claro que, em Batman & Robin, Bane é só um montante de músculos e a sua inteligência, do personagem original, não foi explorada.

E esse é um exemplo também de que podemos ver um Bane completamente diferente nas mãos de Christopher Nolan em O Cavaleiro das Trevas Ressurge. Sem o poder do veneno ou de esteróides para ficar mais forte, a sua inteligência para o crime será trabalhada.

- Em Cenas Deletadas, é revelada uma história envolvendo uma paixão secreta de Alfred e uma ligação com a cidade do Homem de Aço. O mordomo revela que Barbara (Alicia Silverstone) não é sua sobrinha, na verdade. Ela é filha de Margareth Clark.

Bruce (George Clooney) então diz para Barbara: - Ah, claro. Alfred ainda tem a foto de sua mãe no quarto.
Grayson (Chris O'Donnell), sem entender, questiona: - Alguém aqui pode me dizer pro garoto confuso aqui quem é ela? 
É que então, Alfred, menciona a cidade do Super-Homem: - Margareth e eu nos apaixonamos em Metrópolis. Mas quando eu notei que a diferença de idade era injusta pra ela.. Barbara interrompe a história, vira para Bruce e Grayson e completa: - Tio Alfred voltou a Gotham para a desilusão da minha mãe. Alfred: - E aí ela se casou com um grande músico.

E a cena termina com Grayson, olhando para Bruce, questionando: - Al é a grande paixão? Ela está aqui?
E outro ponto interessante é o diálogo inicial, fazendo referencias às origens do personagem Alfred, quando ele revela que passou uns tempos na Inglaterra: - Olhe só para você. Foram mesmo dois anos desde a minha última visita para a Inglaterra? Pergunta Alfred para a Barbara.
Então Barbara completa: - Dois anos, quatro meses e três dias. Aproximadamente.

Alfred surgiu nos quadrinhos na edição nª16 de Batman (entre Abril e Maio de 1943). Incialmente ele era gordo e metido a detetive - era ligado a Scotland Yard (Polícia Metropolitana de Londres, uma das mais famosas cidades da Inglaterra) e posteriormente veio a se tornar Alfred Thaddeus Crane Pennyworth. (*Veja mais no post sobre Batman de Tim Burton)

- Capa do DVD Edição de Colecionador
Os extras desse DVD também podem ser encontrados no Blu-Ray do filme.


FICHA TÉCNICA

Título Original: Idem
Duração: 125 minutos
País: E.U.A.
Gênero: Ação
Data de lançamento: 4 de Julho de 1997 (Brasil)
Direção: Joel Schumacher


SOBRE 
[Santa Maratona! Batman..Ressurge]
BATMAN & ROBIN - BRINCANDO DE SUPER-HERÓI
2012 ©Mestre Ryu (textos, adaptação, gravação (DVD) e edição de imagens)
Post iniciado em 17 de Novembro de 2011.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...