sábado, 23 de fevereiro de 2019

[Sessão Crítica] Alita: Anjo de Combate 3D Xplus Dublado

UM GRANDE TRIBUTO


Para um filme de Robert Rodriguez – um diretor conhecido e cultuado por pequenos grande trabalhos desde quando começou como um cineasta independente com El Mariachi há 27 anos – Alita: Anjo de Combate é praticamente um grande tributo ao excêntrico James Cameron.

Unificando a sensibilização de contar histórias de ambos os diretores, a grandiosidade técnica traz um diferencial nessa comparação. O maior trabalho com a linguagem visual no roteiro em combinação com o texto, bem concentrado em Avatar, é sentido bastante aqui – sob a direção de Rodriguez mas com toque de Cameron.

E se a direção se mantivesse nas mãos de Cameron, a narrativa seria ainda mais intensa? Difícil dizer. Porém, é perceptível o mergulho emocional com o qual o diretor de O Exterminador do Futuro se especializou e nos mostrou com ainda mais vigor após seu maior evento: Titanic – que abocanhou o segundo recorde histórico de 11 Oscars em 98.

Curioso por anos como seria uma adaptação de um mangá – criação moderna do Japão que tem dominado o mercado recente, seja no estilo de fazer quadrinhos como no estilo de fazer artes e até mesmo contar histórias futuristas de cunho filosófico – nas mãos de um grande diretor de Hollywood, respeitado tanto pelo público quanto pela crítica.

Alita é praticamente o trabalho feito para James Cameron. Ficção Científica e filosofia. A história retrata muito bem o elo familiar envolvente e emocional assim como também é cativante e assustador os seus antagonistas e inimigos. A química romântica também funciona. Mas é uma grande produção que beira a um grande evento.

É anos luz a melhor adaptação de mangá da história do cinema americano. Porém, a sensação que os espectadores mais exigentes terão é de que se sentirão abandonados na estrada.

Pequenos detalhes deixarão os menos habituados com a inédita linguagem do cinema americano de mangá perdidos, isso sem contar com algumas passagens aonde não há uma explicação ou envolvimento suficiente para se sensibilizar quando automaticamente se encontra uma solução para aquele tipo de situação imposto na cena.

As comparações de intensidade com a produção e com os longas dirigidos por James Cameron também serão inevitáveis.  Além da agressiva dualidade entre herói e vilão e o impacto visual de Avatar quanto a convincente relação romântica e dramática de Titanic (que também poderia se associar a Shakespeare). Fora do nicho, algo do subestimado Elysium do diretor Neill Blomkamp - Eis uma característica que poderá não surpreender muito em novidade na narrativa e deixará em questão se realmente o longa terá potencial para obter uma futura expansão de seu universo.

Rosa Salazar é cativante. Os efeitos em CG reproduzindo-a como uma personagem saída dos quadrinhos, com os olhos grandes que coerentemente representam a mesma em um mundo real, entra em combinação com as reações e as emoções em cada contorno de seu carisma. Sua Alita expressa a adolescente pura e romântica, a mulher desmemoriada e misteriosa e a guerreira brava e destemida. Com isso, Salazar se sobressai acima da novidade do truque digital enquanto a mesma estende essa relação.

Christopher Waltz, sempre bem recepcionado nos filmes o qual trabalha com Quentin Tarantino, é carrancudo demais para situações mais suaves e simpáticos que exigem certa empatia mas, como um personagem dramático, consegue se encaixar muito bem ora como um personagem sóbrio ora em seus momentos de zelador.  Além das novas revelações, há também outras participações surpreendentes no elenco, ótimos nomes em cena que serão bem reconhecidos pelos cinéfilos mais atentos.
Como um “Cosplay” de James Cameron na cadeira de diretor – ainda que na essência – Rodriguez temeu não honrar o seu mestre, mas consegue entregar uma adaptação quase tão ambiciosa quanto os seus grandes filmes. 

Momento Pós-Crítica: Uma Reflexão e Algumas Curiosidades
Chegando a sua conclusão, é também compreensível a enorme dificuldade do projeto  e a razão por Cameron optar por desempoeirar o projeto  do filme Avatar e engavetar sua direção no filme Alita. A causa foi muito maior. Cameron já se mostrava próximo da natureza desde sua declaração durante uma entrevista ao extinto programa E! Behind The Scenes (Canal E!) do filme Titanic (meados de 1997/ 1998). Cameron queria contar uma história sobre o mar, logo, sua paixão despertou a cinebiografia da tragédia. 

Cameron se sensibiliza com os movimentos ecológicos da natureza e exploração aos índios – como o envolvimento nas manifestações contra a Usina de Belo Monte na Amazônia.

Em tempos de O Exterminador do Futuro e True Lies, faria muito sentido para Cameron dirigir uma adaptação desse naipe e tornar Alita a mais ambiciosa produção de um mangá de todos os tempos. Podemos então testemunhar aí grandes estouros de orçamento e levando a 20th Century Fox à loucura. Mas, aparentemente, o diretor passou a abraçar acontecimentos reais  em favor de acreditar estar brigando por uma causa e acreditar que isso seria ainda mais ambicioso. Então, o projeto de adaptação do mangá Gunn acabou ficando para trás.  Rodriguez veio em um cavalo branco e resgatou numa representação decente embora mais comportada a favor do orçamento da FOX. Um milagre, para quem espera um filme de James Cameron por anos.

Outra curiosidade é que o título seria Battle Angel (Anjo de Combate) mas passou a ser chamado de Alita: Battle Angel (Alita: Anjo de Combate) por sugestão de seu parceiro de Avatar, Jon Landau, para combinar com seus outros grandes filmes de sucesso que se iniciam com “ A ” e “ T ”, são eles:  Aliens (Aliens: O Resgate), Abyss (O Segredo do Abismo)*, Terminator (O Exterminador do Futuro), True Lies* e Titanic.

P.S. Vale lembrar também que O Segredo do Abismo, infelizmente, foi um dos raros fracassos comerciais de Cameron e True Lies um longa que dividiu a crítica. True Lies, inclusive, é um filme de ação inspirador para a última grande geração dos filmes com testosterona ( ah, que saudades dos anos 90! ) e tão bom e divertido quanto O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final. Foi bastante injustiçado.



MEMÓRIAS da SESSÃO

Confuso com datas de evento, optei por não ir ao cinema no Sábado. Depois de um tempão perdido com redes sociais, me senti indisposto e resolvi ficar em casa. Já no Domingo, acordei bem mais cedo – umas 7:47 mas só levantei lá pras 8:00. Depois de um tempo enrolando, peguei a sessão das 18:40. Só tinha sessão Dublada pro formato 3D Xplus – eles entenderam que a grande demanda era mais interessada nessa cópia, ainda que considere válido tanto a versão legendada como a dublada, achei um absurdo. Tive ainda que aturar o cartão UNIK que só libera agora em 3 semanas mesmo sendo 2ª via. Outro absurdo. Então tive que comprar o ingresso presencialmente. Felizmente, dou graças à Deus por me trazer um tremendo presente do filme. Levei um Qualitinha e um Doritos tamanho gigante. Fiz outras compras e me saiu muito caro, de uma meta em gastar até R$ 20,00 gastei quase R$ 40,00. Lá se vai um dia a menos de investimento. Preciso continuar a me concentrar nas finanças. 

O atendente do balcão, muito atencioso, me viu enrolado em procurar o cartão, ele disse bastava apenas dizer o CPF.  Assim que comprei, o atendente disse: “- Ele vem também com um brinde.” Para a minha surpresa, a compra com o cartão UCI UNIQUE me trouxe um botom bem diferente. “-Que maneiro. Valeu!” Saí agradecendo com sinal de positivo sorrindo.

Durante a fila, uma menina de cabelos longos, ruivos e soltos, camisa e calça preta – olhou para trás enquanto eu mexia na mochila: “ - Ai, que mochila linda ! ” eu não resisti e comecei a rir e olhei para o lado, tentando ver a reação do garoto de boné de costas a acompanhando. “-Ah, eu precisava dizer!” disse ela olhando pra ele. Perguntei se lá era a fila do filme Alita. Ela, bem feliz, balançou a cabeça positivamente. Depois de um tempo ela perguntou: “-Aonde você conseguiu ?” e eu: “-Foi na Bagaggio” ela nem conhecia a loja e então tentei esclarecer: “-É uma loja que vende mochilas e malas”. Continuei: “ - Foi durante o filme Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (na verdade estou na dúvida se foi realmente em 2012 ou se foi em meados de 2014, lembrando agora) ” Ela então disse que ainda não havia assistido. 

Aproveitei para fazer propaganda do Santuário do Mestre Ryu e ela então disse que estava lá por que o garoto que o acompanhava disse que ela iria gostar de Alita. Grande falta me fez um cartão de visita nessas horas. Sim, perdi um bom tempo tentando esperar pelo momento de ter a oportunidade de produzir os cartões holográficos. Como vai ser difícil, pretendo fazer padrão para distribuir por aí. É muito mais fácil do que o boca a boca.

Dentro da sala de cinema a caixinha de chocolate me vaza por baixo, depois de um tempo tentando encontrar o furo pro canudo no escuro. Tive que improvisar pra beber aquela assombração no maior desconforto. Antes disso, aproveitei para experimentar o tão falado Doritos e daí me lembrei de um gosto muito bom de salgadinho que não saboreava há muito tempo.

Ninguém ficou no final da sessão. Não houveram aplausos e o público foi bem tranquilo – exceto por um repentino ligar de celular no meio da sessão (aquela luz na cara) e um espectador olhou para o lado, toda a situação aconteceu nas poltronas a frente. Haviam alguns momentos o qual ri bastante, mas aparentemente o público foi bem frio (ou mais silencioso). Porém, senti momentos aonde as pessoas sentiram nos momentos trágicos. Algumas lágrimas vieram e sorrisos de felicidade ao sentir novamente a presença de James Cameron na essência orquestrada pelo diretor Robert Rodriguez.

Mais uma vez, luzes se acenderam antes do fim dos créditos – já é um ato infelizmente comum do UCI Parkshopping e  de outros cinemas de shopping. No fim, surge o logo da produtora Lightstorm de Cameron e os créditos aos dubladores.


SESSÃO CRÍTICA

ALITA: ANJO DE COMBATE

Sessão Acompanhada
UCI PARKSHOPPING CAMPO GRANDE – 3D Xplus Dublado - P 18 – 18:40 – 17/02/2019 (Domingo) 

2 Hit Combo :

hanzowh disse...

Horrível como a maioria dessas adaptações hollywoodiana de mangá e anime, e ainda fez a JBC relançar o mangá com nomes alterados.

Detonation Uchiha disse...

Excelente texto, muito bem embasado.

Ainda não tive a oportunidade de assistir, eu já conhecia a obra pelos OVAs então estou curioso para ver o resultado. Devo dizer que quando vi o anuncio de que o diretor seria o Robert Rodriguez eu achei um tanto estranho, afinal ele é conhecido pelos filmes extravagantes cheios de humor negro, mas vou esperar pra ver; O próprio efeito de olhos grandes usado no filme à principio me causou grande estranheza mas com o tempo me acostumei.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...