Em Destaque

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Destrinchando: Avatar (Dir: James Cameron)

NESTA POSTAGEM
Prelúdio
James Cameron: O Dono Do Negócio

Sessão Crítica
Clichês A Bordo, Ignição Promissora

Extras 
Vídeos De Divulgação

 ************************





- Prelúdio –
James Cameron: O Dono Do Negócio

Com Avatar, James Francis Cameron realizou um sonho: criou um longa que traz uma overdose de criaturas estranhas. E é muito identificável com a sua trajetória: desenhava um esboço dos mais esquisitos tipos de desenhos e mundos desde que era criança, e mesmo quando se tornou caminhoneiro, não desistiu dessa mania – mas a resposta está aí, fez uma carreira de sucesso com excelentes filmes.



Nos anos 80, entrou para a lista dos melhores diretores, com Aliens O Resgate e Exterminador do Futuro no currículo. Ele também participou do roteiro de Rambo 2, antes de Stallone assumir, e só foi citado apenas nos créditos finais.



Cameron nasceu em Kapuskasing, 16 de agosto de 1954. Ele não é apenas diretor, também é escritor , produtor e inventor de tecnologias para a indústria cinematográfica. Um cara mil e uma utilidades.
É Canadense e reside nos EUA.

Sua dedicação integral ao trabalho também afetou de certa forma seus relacionamentos. Já foi casado com beldades como: Sharon Williams (1978-1984), Gale Anne Hurd (1985-1989), Kathryn Bigelow (1989-1991, diretora de Caçadores de Emoção, aonde Cameron atuou no projeto como produtor) e  Linda Hamilton (1997-1999). Atualmente vive com Suzy Amis desde 2000.




- Sessão Crítica –
Avatar
(Direção: James Cameron Ano: 2009)

Clichês A Bordo, Ignição Promissora


O ano passado marcou com a temporada dos filmes de ficção científica com um objetivo: arrasar nas bilheterias. Tivemos Distrito 9, Substitutos, O Exterminador do Futuro 4: A Salvação e o esperado remake de Star Trek. E em meio a uma festa de retrospectivas, James Cameron retorna para apresentar mais um ambicioso projeto cinematográfico, depois de várias cogitações que envolvem adaptações de histórias em quadrinhos, como Gunn: Battle Angel Alita e Homem Aranha. Avatar foi idealizado inicialmente em 1995 e começou a ser filmado em 2007.

Poucos detalhes foram revelados antes de sua estréia, e as revelações não traziam grandes pistas sobre seu verdadeiro potencial como filme – os trailers davam a idéia de um filme de animação qualquer, apesar dos efeitos cheios de perfumaria, o que já trazia suspeitas – pois nem tudo que brilha é ouro, apesar de ser um produto projetado por quem já fez obras extraordinárias. E orçamento bruto sobre um filme não quer dizer nada. Waterworld de Kevin Costner já foi considerado o filme mais caro quando foi feito em 95 mas foi um fracasso, por exemplo – grande produção, mas não obteve o direcionamento certo.

A verdade é que a trajetória de sucessos deste diretor também pôde ter garantido a confiança dos fãs em aceitar tão bem esse projeto. Sem contar também a novidade dos cinemas em 3D digital, o que dá uma folga pros pirateiros. Faz com que traga ainda mais curiosidade ao público convecional de conferí-lo. A censura baixa e a boa idéia de divulgá-lo como um filme pra família, após ter definido bem o seu tema (Ficção Científica) acaba também sendo uma hipótese de seu garantido sucesso – mesmo que seja um gênero marcado por filmes complexos, sua simplicidade e mistura de estilos
(Aventura, Romance e Drama) o torna um novo épico a ser apreciado por uma parcela maior de platéias.

A trama já é considarada o ...E O Vento Levou da era digital, marcando o casamento de duas fases do diretor: o sofisticado dos filmes como O Exterminador do Futuro 2 (marcou com o investimento nos efeito visuais, como o efeito morph – transparência e transformação) e o apaixonado de Titanic (marcou por ousar em criar uma aventura - vivido sob os olhos de personagens fictícios - em meio a uma tragédia real). Sem contar que tem a ótima Sigrouney Weaver (Aliens O Resgate) e James Horner (Titanic) dando um fôlego extra.

Se James Cameron se parece com Steven Spielberg, uma coisa é certa: quem acompanha seus projetos, sabe que ele não gosta de economizar. Avatar já é considerado o filme mais caro de todos os tempos (cogita-se que o orçamento tenha sido U$$ 500 milhões) e parece já ter ultrapassado Titanic, o primeiro lugar da lista de recordistas de bilheteria de todos os tempos, sem o ajuste da inflação.

Como já vem se tornando costume nas filmes de Cameron desde Titanic, os temas sociais aqui também entram em questão, só que desta vez num ambiente imaginativo. Há os cientistas, os militares e os seres da natureza.
Os militares estão em busca de riqueza e os cientistas em busca de algumas amostras científicas. Os seres da natureza se ambientam em um planeta denominado Pandora (representado por um universo de cores e religiosidade), o principal alvo destes dois grupos.

Os seres vivos de Pandora são representados por:

Nativos

Caracterizado como os alienígenas, tendo a nomeação de Na’vi (ou algo do tipo.. Nahrí.. no som da fala) – possuem uma língua própria criada para a comunicação entre eles.


Animais

Tem um visual próprio com características reais: seres selvagens ou dóceis (uma das espécies é muito parecida com os seres aquáticos - são vistos pela visão dos nativos como criaturas sagradas). 

Existe um contato com a religiosidade entre ambos os mundos (nativos e humanóides) – a conexão entre o homem e o Avatar é através de circuitos em um leito fechado (pode ser considerada uma subliminar representação futurista da morte pra a outra vida); e os Na’Vis se conectam a espíritos e preparam seitas. 


Alguns destaques no elenco:


Os desenvolvedores tiveram que trabalhar duro para que a fisionomia dos nativos azuis fossem o mais próximo aos respectivos atores - podendo reproduzir na tela seus desempenhos com a maior fidelidade possível.

Sam Worthington
Alterna entre o paraplégico militar Jake Sully e o gaiato deslumbrado Jakesully. Mostra-se bem nas transformações que seu personagem sofre durante sua busca por liberdade em uma nova vida. Vive um amor proibido, a la Jack e Rose, ao lado de Neytiri, e tenta aprender a conviver com o seu povo, mesmo com os choques de culturais.

Michele Rodrigues
Faz uma militar rebelde, com o todo o seu jeitão Bad Girl bem próxima de seus outros papéis.

Stephen Lang
Ficou mais conhecido nos EUA como o protagonista da série História do Crime (Crime History, produzido e dirigido por Michael Mann), atualmente exibido pelo canal pago TCM. Volta mais maduro, interpretando o personagem, definitivamente, mais bem desenvolvido no filme, o durão General Miles Quaritch, literalmente o Deus da Guerra encarnado na Terra, contando também os seus diálogos bem sacados e cenas de frieza, como estar tomando um gole de café em meio ao caos e escapar de uma nave em destruição com a manga da roupa pegando fogo (ponto positivo para a complexidade da narrativa. Anotem!).

Wes Study
Vive mais uma vez o papel de um nativo, sua naturalidade na vida real. Aqui ele é chefe de Eytukan, um clan de Pandora. É o pai de Neytiri.


Os mais sensíveis, com os temas sociais propostos, se plugarão diretamente com o filme, assumindo automáticamente o lugar de Jake. E devem se preparar também para se afogar em lágrimas no cinema, já que a viagem acaba sendo tão emocionante quanto o transatlântico Titanic. Na trilha sonora, a dobradinha entre a direção de James Cameron e a composição de James Horner volta a investir na sensibilidade, e marca mais por conta de passagens em cada música. Seguindo pela nomeação original da trilha, uma descrição sobre eles:

1 – 1-You Don't Dream In Cryo
É o momento Bem Vindo À Selva à Jake. Alguns irão se lembrar de um certo filme sobre Vietnã: Platoon.

13 - War
Faz parte de um dos momentos mais fortes do filme, a dura guerra entre os humanóides militares e as criaturas digitais, Na’ Vis, antes da cruel luta final. As notas mais agitadas ajudam a simbolizar ênfase numa cena de ação sem o menor diáologo. Ponto alto também para a direção.

2 – Jake Enters His Avatar World
É o momento do contato entre Jake e seu Avatar – sabe como é navegar na Internet e ter uma vida extraordinária, depois voltar ao mundo real e descobrir que você é medíocre? Então..

9 – Quaritch
Chega a marcha imperial para invadir território. Note que a nave onde está Quaritch é representada por um dragão.

14 - I See You
Toca apenas um trecho no final, na íntegra arrepia.

3-Pure Spirits Of The Forest
Destaque para a poderosa orquestra em meio a melodia.

4-The Bioluminescence Of The Night
A música tem uma sensível passagem nas notas que já simboliza o tema ambientado em Pandora nas outras canções: 5-Becoming One Of The People-Becoming One With Neytir e, 7-Jake's First Flight (combina a encantadora canção 6-Climbing Up Iknimaya - The Path To Heaven).

8-Scorched Earth
Tema com coral um pouco parecido com as canções 6-Climbing Up Iknimaya - The Path To Heaven, 7-Jake's First Flight e constrói um rápido prelúdio para as músicas 10-The Destruction Of Hometree e encerra sua ligação com o 11-Shutting Down Grace's Lab, recomeça com uma pequena passagem especial em 12-Gathering All The Na'Vi Clans For Battle.

12-Gathering All The Na'Vi Clans For Battle
É o momento Coração Valente dos Na’Vis. Hora de lutar pelo próprio território e se conectar aos seus digimóns animais.

Comparam Avatar com muitas outras histórias já discutidas em obras cinematográficas (Vide: Pocahontas). Matrix é um exemplo, por tocar no assunto de conexão entre mundos diferentes. Mas a produção dos irmãos Wachowiski tem uma representatividade meio fundo de quintal de seus protagonistas. A conexão que os seres possuem em Avatar é com a religiosidade ao invés de extravasar emoções em festinhas rave como ocorre com os humanóides de Matrix, embora este traga alguma visão bastante criativa para o universo Cyberpunk.

O caso de Avatar causa controvérsias devido o seu mundo politicamente correto, algo fácil de se traduzir, apesar das criaturas esquisitas. Se bem que, aonde já se viu um bando de bizarras criaturas digitais da floresta com as armas mais primitivas sendo heróis e humanóides, com tecnologia de ponta e controlando robôs que mais parecem ter saído de um mangá do Gundam, sendo os vilões? Isso possivelmente manifesta a ira de alguns capitalistas. Fora os que sempre optam por se isolar a filmes com histórias obscuras e depressivas como preferência. Algo que está muito longe a ser alcançado aqui, como objetivo. Este é o problema do sentimento nobre de um roteiro cheio de boas intenções, ela acaba não sendo suficiente no fim - o inferno desperta mais curiosidade do que o paraíso para os muitos complexados da humanidade.



E-falando-em-semelhanças: há até mesmo uma situação (possivelmente uma homenagem, vai saber?) em que o General Quaritch dá uma de Cal Hockey e larga o aço feito louco nos mocinhos da história em uma fuga.




Assisti-lo em 3D é recomendável, você se sentirá mais dentro da Aventura. Mas a técnica rapidamente acostuma, dando a sensação de que está vendo um filme no estilo normal. Apesar de toda a discussão em volta de sua alta tecnologia investida, Avatar mostra que sua qualidade não está limitada aos efeitos visuais. Se há clichês, não há problema: a direção ambiciosa e firme que o sustenta, faz a diferença.








-EXTRAS –



Ficha Técnica

Título Original: Avatar
Gênero: Ficção
Direção: James Cameron
Elenco:  Sam Worthington , Zoe Saldana , Michelle Rodriguez , Sigourney Weaver , Giovanni Ribisi e Wes Study

Ano (Estréia): 18 deDezembro de 2009 (Brasil)
Prêmios: Globo de Ouro de Melhor Filme (drama) e Diretor
Classificação: 12 anos




Vídeos De Produção
Há um vídeo de 22 minutos que circula pela Internet (sem legendas) mostra desde o início da produção às gravações, atores tiveram que atuar até com o vazio e também em ar livre, para trazer a máxima sensação possível de contato com a história. Além dele há outros muitos vídeos de produção que circula pela tv a cabo e no You Tube.



Aproveite e confira um vídeo de 10 minutos direto do canal Kablam Trailers do You Tube (legendado em português)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...