Em Destaque

domingo, 4 de agosto de 2013

[Sessão Crítica] Wolverine: Imortal 3D Legendado

NESTA POSTAGEM
SESSÃO CRÍTICA
WOLVERINE: IMORTAL

EXTRAS
FICHA TÉCNICA



SESSÃO CRÍTICA
WOLVERINE: IMORTAL

A ASCENSÃO DE LOGAN
Sessão quase lotada, mesmo no segundo final de semana, no Norte Shopping

Após o surpreendente X-Men: Primeira Classe em 2011, a 20th Century Fox consegue mais uma vez provar que não desaprendeu de fazer filmes sobre os mutantes dos quadrinhos Marvel. Mesmo com o decepcionante X-Men Origens: Wolverine, Logan finalmente ganhou um longa solo de respeito (apesar de muito exaltado, de forma justa, nos filmes da trilogia X-Men entre 2000 e 2003).

A direção agora fica a cargo de James Mangold, após o afastamento de Darren Aronofsky no meio da produção, que demonstra um trabalho infinitamente superior ao ritmo desproporcional entregue por Gavin Hood em X-Men Origens: Wolverine, mesmo com alguns deslizes de roteiro - a falta de explicação diante de uma alta dose de subtramas que acabam causando atrito pelo ritmo acelerado, até demais. 

Mesmo assim, diante do resultado, o roteiro de Mark Bomback e Scott Frank e a forma como foi transportada para a tela, traz momentos muito satisfatórios para quem ficou órfão das ideias brilhantes prometidas por Aronofsky (quanto a presença da história se concentrar bastante no Japão e contar com atores orientais como o centro da trama - além dos muitos diálogos em Japonês traduzidos). 

Em consequência dos filmes anteriores, Hugh Jackman apresenta um Wolverine ainda mais decente,  e mais bem construído, do que aquele que já surpreendera anteriormente - e visualmente trazendo características muito mais próximas ao do personagem originalmente visto nos quadrinhos. É incrível perceber o quanto Jackman é dedicado ao personagem e se tornar um caso raro de um ator interpretado o mesmo Super-Herói por mais de 10 anos no cinema (não desistindo da produção deste, mesmo com as dificuldades de engatar o projeto). O que torna todo esse universo X-Men extremamente identificável para o público da tela grande - independente de ter acompanhado ou apenas ter ouvido falar dos filmes. 
Eu, Wolverine foi escrito por Frank Miller (Batman: O Cavaleiro das Trevas) e Chris Claremont. Capa do lançamento original e capa do relançamento em 2009, no Brasil, respectivamente.

Diferente da trama Eu, Wolverine (I, Wolverine no original, história em quadrinhos de 1982 a qual esse filme se inspira), encontramos um Logan mais consciente de seus atos e mais melancólico - com base nas transformações do personagem ocorrida no decorrer dos eventos da trilogia cinematográfica X-Men. Mas não deixamos de ver Hugh Jackman fechando a cara e mostrando certa animalidade, acertando fortemente a ligação com a cronologia, e pegando emprestado aquele tipo mais humano sugerida em X-Men: Origens .. (talvez uma das poucas coisas que este filme acertava) com mais amadurecimento.

Wolverine (Hugh Jackman) rodeado de beldades: Mariko (Tao Okamoto); Yukio (Rila Fukushima); e Víbora (Svetlana Khodchenkova), respectivamente.

O mais surpreendente é que toda essa longa espera pela adaptação (cerca de 4 anos aproximadamente) valeu a pena por muitos aspectos. Certas situações ainda superam o que já foi visto na história em quadrinhos (como a importância de alguns personagens coadjuvantes - o urso polar - por exemplo) mesmo com suas pequenas decepções (como a versão do Samurai de Prata - que mais se parece com aqueles robôs vistos em Gigantes de Aço, de 2010, outro filme com Hugh Jackman). Fora isso, a presença de outros mutantes na trama tem muita substância e são devidamente bem aproveitados, mesmo que não fique bem explicado a lição ditada por um outro querido personagem em meio aos créditos. 

ATENÇÃO: NÃO SAIAM DURANTE OS CRÉDITOS (OU SERÃO CORTADOS DE UMA SURPRESA)

A versão 3D segue bem apenas nos momentos de perspectiva de objetos, mas é desnecessário o esforço caso você não possa investir com alguns valores a mais para assistir no formato. Com ação bem filmadas, trama complexa e envolvente e romance equilibrado, este é sem dúvida um dos melhores filmes de Super-Herói da temporada.

Confira a nossa galeria de imagens em [Memórias da Sessão] Wolverine: Imortal no álbum de nosso perfil no FACEBOOK (link em breve).

EXTRAS
FICHA TÉCNICA
TÍTULO ORIGINAL: The Wolverine
SESSÃO ACOMPANHADA: 17:45 - UCI KINOPLEX NORTE SHOPPING - B 12 & 13 - 3/07/2013 (SÁBADO)
DURAÇÃO: 126 MINUTOS
GÊNERO: AVENTURA
DIREÇÃO: James Mangold
CLASSIFICAÇÃO: 14 anos

Sinopse: Esta aventura épica cheia de ação leva Wolverine o mais icônico personagem dentro do universo X-men ao Japão moderno. Em um mundo desconhecido ele enfrenta seu nêmesis definitivo e uma batalha de vida ou morte que o deixará marcado para sempre. Vulnerável pela primeira vezpressionado até o limite ele confronta não apenas o mortal aço samurai mas sua própria imortalidade que emerge mais forte do que ele jamais viu.

3 Hit Combo :

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

talvez assista nessa Segunda Ryu, mas confesso que não sou fã do James Logan...o cara é antipático e vive mau humorado, se eu fosse imortal (e de acordo com a saga Guerra Civil, ele é mesmo) teria melhor humor.

não sei se ele se envolve com uma japonesa nesse filme, mas se for...a X-23 ou o Daken vai nascer desse relacionamento? já que ambos são filhos dele...ao menos nos qudrinhos

e o Samurai de prata que vi no trailer...meh! parece um robô. mas valeu a analise

elio bey disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Mestre Ryu Kanzuki disse...

Leandro, não há referências sobre o Logan ter filhos nesse filme, mas ele se envolve com uma Japonesa sim, a história tem elementos da HQ "Eu, Wolverine".
Assista sim, pois vale muito a pena e mais uma vez muito obrigado pelo seu post. Um forte abraço, meu amigo.

Elio Bey, aqui nós não aceitamos mais spams ou qualquer tipo de propaganda nos comentários. Nós temos a página "Mural" pra isso. Obrigado!

Um abraço a todos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...