Em Destaque

domingo, 7 de abril de 2013

[DEDO NO JOYSTICK] Cyborg Justice (Mega Drive): Postagem Comemorativa 20 Anos - Parte 3 de 3: Energia Reserva...

NESTA POSTAGEM

ENERGIA RESERVA..UM MERGULHO MAIS À FUNDO
MEMÓRIAS DE JOGATINA
QUAL É O NOME DO JOGO?

PERFIL
 POR TRÁS DO SOM: BRIAN COBRUN & MAGYARI ANDRAS
SOBRE A NOVOTRADE

RECONSTRUÍNDO A TRAMA
SINOPSE
CIBORGUE FUGITIVO!

LEGADO
POR TRÁS DA PROGRAMAÇÃO: ROBOT WRECKED
CAPAS
PROPAGANDAS
PROGRAMAS DE TV
CINEMA

SOBRE
FICHA TÉCNICA
ARTIGO


  ENERGIA RESERVA  
(UM MERGULHO MAIS À FUNDO)

MEMÓRIAS DE JOGATINA
QUAL É O NOME DO JOGO?

Era a década de 90, os jogos começavam a ganhar cada vez mais títulos de faixa etária com um certo teor de conteúdo adulto (principalmente a violência). Durante os meus primeiros anos com o Mega Drive, esse foi um dos meus primeiros jogos do console. No mesmo dia, ganhei este juntamente com Double Dragon 3: The Rosetta Stones e Paperboy 2 (se não me engano teve mais algum outro). Cyborg Justice foi uma grande surpresa naquele ano de 1993 pra mim. E tenho muito que agradecer ao meu pai.

Alguns dias depois de ganhar o cartucho, estava uma vez estava numa loja do Tele Rio e vi um lojista jogando o game (acredito que não muito bem) em lugar onde os jogos e videogames ficam em exposição para os consumidores. Então, um garoto chegou e perguntou: esse jogo é o Ranger X ? (alguns conhecem como EX-Ranza, no original, um outro título associado a robôs, famoso na época de seu lançamento) O lojista: - Que Ranger X, é Cyborg Justice.

PERFIL
POR TRÁS DO SOM: BRIAN COBRUN & MAGYARI ANDRAS
Incrível foto de Brian Cobrun em ação (fonte: site SEGA-16)

Brian Cobrun já contribuiu nas composições de jogos como Ecco The Dolphin (1993), Spiderman V.S. The Kingpin (1991) e Sonic Spinball (1993). Hoje ele é responsável pela primeira banda virtual do mundo, The Bots.

Sobre Magyari András, pouco se tem informações. É um compositor Húngaro que trabalhou em diversos jogos da Novotrade, como a reprogramação de Califórnia Games (1991) e The Fantastic Adventures Of Dizzy (1993 , PC).


SOBRE A NOVOTRADE

A Novotrade hoje é conhecida como Appalosa Interactive (site oficial: Clique aqui e utilize o Web Archives para encontrar outras páginas do site descontinuado).

Há pouco tempo, fiquei sabendo que este título não foi fabricado pela SEGA (apesar de anos acreditando nisso) mas sim por uma empresa chamada Novotrade International (posteriormente conhecida como Appalosa Interactive) nascida na Húngria em 1983. Ficou mais conhecida por jogos como Ecco The Dolphin (neste mesmo ano) e The Adventures Of Batman & Robin (1995). A empresa mostra ter bastante experiência com jogos de ação. Foi responsável pela reprogramação de jogos da série Contra para Sega Saturn e Playstation.

RECONSTRUÍNDO A TRAMA

SINOPSE ORIGINAL
Como um agente da Unidade Galáctica você estava numa patrulha de rotina quando tudo aconteceu. Sua nave começou a rodopiar, os controles não obedeciam e mesmo toda a sua habilidade não foi suficiente. Você foi atingido! Escuridão total ...isso é tudo que você consegue lembrar.
Hoje, sem saber porque, você é um escravo ciborgue  É uma máquina. Mas a toda hora pensamentos estranhos o atordoam, você não se sente um robô de verdade. De repente tudo veio à tona: uma cirurgia! Eles substituíram partes de seu corpo, inclusive seu cérebro, por uma massa de metal.
Agora você é um ciborgue com memória, com sede de vingança! E com um trunfo nas mãos: você pode se remodelar inteiramente, escolhendo entre mais de 200 combinações de troncos, pernas e mãos. Somente equipado com a mas alta tecnologia você conseguirá vencer ciborgues inimigos que obedecem ordens: "Encontrar e destruir!"

CIBORGUE FUGITIVO!

Como um agente da unidade galáctica, você está em uma missão de patrulhamento rotineira no espaço sideral. De repente, sua nave começa a balançar como uma folha em um vendaval. Você é jogado em uma tempestade de meteoros gigantes!

Meteoros do amanho de dinossauros batem violentamente sobre sua frágil nave patrulha. No desespero, você luta com os controles procurando desviar a nave dos rochedos. Porém, mesmo suas habilidades extensivamente treinadas não são suficientes. Com um choque violento, você é atingido!

Sua nave perde o controle e desvia-se para a órbita de um asteroide vizinho. Ao entrar na atmosfera, ela se incendeia, e mergulha na direção da superfície. Com uma forte pancada, tudo escurece. Você não se lembra de mais nada...

Você passa seus dias cortando metais pesados, empurrando toneladas de aço e soldando peças de enormes canhões. Como um escravo ciborgue você e centenas de outros são forçados a trabalhar nas fábricas de munição controladas por computador da Federação Cydrek. Você é uma máquina, corpo e cérebro feitos de aço e eletrônica. Mas alguma coisa em seus circuitos mentais continua a incomodá-lo.

Frequentemente, pensamentos desordenados interrompem sua programação. Você está sendo influenciado contra sua vontade...você não é realmente um ciborgue .. a fábrica de munições e a Federação Cydrek são realmente perversas !

De repente tudo volta atrás. Você se lembra da missão de patrulhamento, da tempestade de meteoros e da colisão. Você se recorda da cirurgia a laser que reconstruiu os fragmentos de seu corpo e cérebro, transformando-os em uma massa muscular de metal e habilidades eletrônicas. Finalmente, você revive o horror do processo de apagamento da memória, que manteve ecoando Erro enquanto se perdia a porção mais profunda de seu cérebro. Você é um ciborgue com memória - e com sede de vingança!

Agora você sabe o que está se passando. A Federação Cydrek está acumulando um imenso arsenal de máquinas de guerra balística intra - espacial. O plano deles é lançar um ataque superpotente contra a Unidade Galáctica. E estão quase prontos. A menos que você consiga detê-los, logo eles se lançarão ao espaço em uma invasão global de surpresa !

Você foge da área de trabalho. Mas é notado! os guardas Cydrek tocam o alarme. Ondas de ciborgue começam a mover-se em sua direção. Agora você terá que dizimar um exército de soldados cibernéticos mortais - todos com ordens para Encontrar e Destruir!

LEGADO

POR TRÁS DA PROGRAMAÇÃO: ROBOT WRECKED
 A VERSÃO BETA PERDIDA OU UM ESBOÇO ?
A possível versão teste, ou de demonstração, vazada trouxe diversos elementos curiosos em comparação a versão final comercializada. É possível deduzir que este protótipo possivelmente estava restrito aos programadores, para terem base para trabalhar e apresentar o projeto à SEGA assim que estivesse completo É possível perceber diversas limitações , funções curiosas e detalhes diferentes. Pelos poucos recursos de som, cores e animação, o jogo aparentava ter 4 megabits contra os 8 megas da versão final mas aparentava ser um jogo de universo ainda mais amplo.
A primeira coisa que aparece ao botar o jogo para rodar, é uma tela de menu escura aonde é possível escolher: o número de jogadores (1 ou 2), modo (ArcadeReplayRecord e Demo), níveis (1 ao 4), Assembly Room (Sala de Montagem), Intro (a mesma de Cyborg Justice, com algumas diferenças) e Abertura (incompleta) de cara. Os modos de jogo que não entraram (Replay, Record e Demo) também estão incompletos, mas seriam possivelmente uma ideia a ser colocada na versão final?
É notável que a Sala de Montagem já se chamava Assembly Room. Ainda com alguns recursos falhos na hora de escolher o ciborgue montado. Enquanto escolhe as peças, você pode controlar o androide para os lados (que não muda o visual na tela) e usar os movimentos de ataque . As descrições também são diferentes - além de algumas ironias inclusas pelos programadores e algumas apresentações mais extensas, acompanhava também a informação do respectivo comando a ser feito abaixo dos textos de apresentação da peça.



 Nessa versão teste, apenas 4 níveis estavam prontos. Naves voando e explosões aparecem logo ao fundo do primeiro. A característica leva a acreditar num cenário mais caótico onde lutas de robôs e guerras preenchem a tela. O terceiro nível leva muitas semelhanças com a versão final e o quarto traz de volta as naves voando ao fundo. Nesse último há  uma falha: uma lista branca passa verticalmente de vez em quando pela tela.


Outro detalhe é que o primeiro nível se inicia com o seu robô saindo de uma base, ao invés da pequena nave, e termina com a entrada de uma outra.

 Há apenas uma música que toca em todos os níveis. Ela lembra essencialmente a música do primeiro nível da versão final, tendo diferenças instrumentais, como os batuques, na prática. Não há sons em meio aos golpes, exceto os Especiais como: Ombrada; a arma serradora e a do laser. A serradora possuía um som irritante (igual ao do chiado de uma TV fora do ar).

Algumas animações e cores também são diferentes. Veja 4 referências curiosas:
1) Há um estranho movimento aonde segurando A+ B o personagem fica travado numa animação com o feixe do laser que desaparecia apos algum tempo.
2) Ao explodir, as peças voam para fora da tela.
3) A cor do laser é vermelha, assim como na animação da apresentação. Na versão final, a cor do laser é meia alaranjada.

aranhas eletrônicas foram substituídas por mísseis como antagonista


4) As aranhas robóticas são as principais armadilhas que pulam sobre os robôs. Elas podem ser destruídas com chutes. Posteriormente foram trocados pelos mísseis (entre uma passagem de luta e outra) e armadinhas móveis (como espinhos e neutralizadores).


 apesar das limitações, é possível reconhecer diversos golpes familiares nesta versão demonstrativa 

Muitos comandos ainda estava de fora, sem contar os outros comandos perdidos na programação.  Há Apesar das diferenças na jogabilidade, conceitualmente muita coisa está lá. O sistema é quase tradicional (tendo o movimento da ombrada com apenas ►►).
O agarrão consiste em utilizar apenas o botão B bem de perto.

As peças dos inimigos são adquiridos com  botão específico. Ex: Apertando B de perto, ao invés do A, adquire a arma, as pernas ou o tronco/ armadura do inimigo; A ou B arremessa a peça (É possível pegar de volta pois elas não explodem).

 Para poder capturar as peças do inimigo em colapso, primeiramente use o B para chutar as peças. Elas serão destruídas com a explosão e depois retornam em partes separadas no chão. Capture-as também com o botão B.
Com alguma sorte, surge um bug onde é possível arrancar o braço do inimigo já caído antes do colapso (mesmo sem nenhum dos braços).
Tudo começa parecendo que é pra 4 jogadores mas a verdade é que o pau vai comer num duelo 2 contra 2

A dificuldade é fixa e apenas uma vida fica disponível. Ao derrotar um inimigo, sua barra de energia recarrega. No modo 2 Players, a CPU surge sempre em dupla.

 Dá pra brincar adoidado no cenário de abertura ainda sem nenhuma animação.



Escolhendo a opção intro, o título do jogo é revelado: Robot Wrecked (Robô Quebrado). Possivelmente um título concebido pelos produtores antes do jogo vir a se tornar Cyborg Justice. Do que veio a aparecer na versão final, a animação inicial é idêntica (tiros são disparados no escuro e logo após um robô ao fundo sai da sombra e atira na tela).

CAPAS
EUROPA


E.U.A.

 
BRASIL

Propagandas


Programas de TV
Com a grande popularidade do Mega Drive na Europa, Cyborg Justice foi contemplado com este raríssimo campeonato no programa Head To Head em meados de 1993 (em pleno lançamento do jogo). O programa era operado originalmente pela Starstream e exibido no canal The Children 's Channel. Um canal Britânico com programação inteiramente exclusiva para as crianças. Além de programas de auditório, ela também exibia desenhos, como He-Man e Spiff & Hercules, e séries de TV. O canal surgiu originalmente em 1 de Setembro de 1984, para o Reino Unido, e foi até 3 de Abril de 1998 (até Outubro de 1998 pela TV à cabo).

Confira o vídeo da competição abaixo:


CINEMA

Comparação entre o ciborgue amarelo e a sua presença
na animação Detona Ralph (Disney)

SOBRE

FICHA TÉCNICA
Data de Lançamento: Abril de 1993
Distribuição: Tec Toy (Brasil); SEGA (E.U.A./ EUROPA)
Fabricante: Novotrade
Memória: 8 Megabits

ARTIGO
CYBORG JUSTICE  
20ª ANIVERSÁRIO
UMA MINISSÉRIE DE MESTRE RYU 
(textos, captura de imagens e edição de imagens)

ISTO É TUDO !

Partes Encontradas:  1 2

2013 ©SANTUÁRIO DO MESTRE RYU
▼ ◄ ▲ ► ▼ ◄ ▲ ►

5 Hit Combo :

Celso Affini disse...

Não tenho palavras para comentar a matéria descrita. Um trabalho muito intenso foi feito, muitas informações que eu particularmente desconhecia e tudo com imagens e vídeos explicando tin-tin por tin-tin.

Realmente o Santuário do mestre Ryu tá de parabéns em lançar uma matéria tão completa e informativa quanto essa.

Mestre Ryu Kanzuki disse...

Muito obrigado pelo post, Celso. É uma imensa honra ter a opinião de um verdadeiro veterano no assunto.

Foi bem trabalhosa mesmo, mas valeu muito a pena pois acabei me lembrando de muitas coisas da época. Voltar a jogar esse game novamente me fez gostar ainda mais dele.

Abraços robóticos e volte sempre pra nossa guerra !!

Andre Viana disse...

Mestre eu não sei como você consegue arrancar tanta informação dos jogos. Eu sendo sincero não gostava muito deste jogo mas gostei de ler. Eu cheguei a aluga-lo algumas vezes. Eu lembro que o que mais me chamou atenção foi a possibilidade de customização dos robos. E o que eu não gostava era que o jogo se tornava repetitivo e a dificuldade era um pouco elevada, pelo menos é o que me lembro. Darei uma jogada denovo qualquer dia desses. Abraço

Mestre Ryu Kanzuki disse...

E aí, André? Tudo em cima? ^^

Loucura, vou guardando informações através dos anos. Sem contar algumas reportagens. É uma coisa viciante essa coisa de colecionar. Mas é o que mantém me mantém vivo. rs

Sempre gostei desse jogo, e gostei mais dele jogando novamente pra fazer essa análise. Pena que poucos o conhecem e agora sei o motivo de alguns também não o apreciarem. Falam muito do jogo ser repetitivo e tudo, mas é como se fosse um jogo de esporte do gênero artes marciais (como WWF). Se Streets of Rage, por exemplo, tentam assemelhá-lo com Final Fight a todo momento, eu Consigo encontrar nesse, um tipo de diferencial que não vejo em outros jogos populares - a tal padronização que gera gritantes semelhanças em muitos (tanto no conceito quanto no sistema) e talvez por isso eu não vejo o Cyborg tão repetitivo assim.

O jogo é muito específico, com várias animações e comandos trabalhados como se o personagem fosse único e os demais que surgem no game são sósias de você mesmo.
Levando por esse conceito, é possível não considerá-lo apenas pelas limitações de seu conteúdo.

Os cenários, por exemplo, são simples. Mas a parte 3 do especial, eu apresentei uma ideia de como eles (os programadores) tinham algum tipo de ideia maior acerca do jogo. Provavelmente não o fizeram por falta de tempo, ainda assim conseguiram trazer algo de certa forma diferente de muita coisa que já surgiu por aí.

E Cyborg.. só tinha apenas 8 Megas aproveitando bem certas peças que outros jogos também obscuros (ou mais) de robôs, inclusive, nunca vi fazer. Ao menos no Mega Drive.

Esse sim merecia um remake para a nova geração. Mas cabe aos responsáveis aproveitar todos os atuais recursos de uma forma ainda mais inspiradora. Até haveria grandes esperanças deste se tornnar um game mais compreensível para o grande público. Mas até lá.. nessa hipótese completamente remota, esse jogo do Mega vai continuar sendo um entre meus xodós.

Abração!

Brynner Kassio disse...

muito bom

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...