Em Destaque

sábado, 5 de junho de 2010

Sessão Crítica: Fúria de Titãs (Dir. Louis Leterrier)

   Sessão Crítica
Fúria de Titãs
NA FALTA DA HISTÓRIA SOBRAM OS EFEITOS





Ultimamente o cinema Norte-Americano vem sofrendo uma escassa falta de criatividade em nos revelar grandes histórias que marcam época - e não apenas uma temporada. Não é culpa da moda 3D a falta de cuidado em transportar filmes para o novo formato digital (substituindo aqueles óculos de papel) mas sim culpa da pressa em seguir uma tendência comercial com o objetivo em apenas lucrar sem os cuidados certos - aquela sensação de estar fazendo uma obra com a certeza de que irá ser um grande sucesso, um grande filme. É um risco! Nunca se pode subestmar a inteligência do público ou a qualidade do cinema ou de qualquer outra obra.

O Canadense Sam Worthington, virou o mocinho dos épicos tecnológicos do momento após O Exterminador do Futuro 4 e Avatar, retorna aqui como Perseu, o filho de Zeus.
 A história passa despercebida em meio as agitadas luta de camera trêmula - este é o principal ponto fraco na versão 3D. A mágica da nova tecnologia nem aparentam estarem lá durante essas cenas, são melhores percebidas nos efeitos em computação e durante as passagens gerais pelo ambiente de uma sequência. Outra vantegem de se assistir em 3D é a versão legendada, podendo se acompanhar melhor as legendas enquanto o filme se move em rítimo de videoclipe. Mas pra quem vai assistir dublado, então nem vale a pena gastar um alto investimento, opte pelo tradicional 2D. Todas essas técnicas, ao menos, encobre um pouco a frieza da trama, já que o mais interessante é ver os maiores personagens mitológicos da Grécia se encontrando na história.

A responsabilidade desta refilmagem de Fúria de Titans (1981) fica por conta do diretor Louis Leterrier que já mostrou ter boa condução pro gênero com os dois primeiros filmes da série Carga Explosiva. A Essência encontrada em Fúria dos Titãs tem algo de seu arrojado calibre: músicas agitadas em meio a ação pirotécnica e um leve tom de ironia (pouco convencional) durante um fim de confronto entre mocinho e vilão (Perseu e Hades).
Louis admite que a refilmagem é uma homenagem a famosa obra de Masami Kurumada, Os Cavaleiros do Zodíaco. A pedido do diretor, Kurumada fez algumas ilustrações de divulgação do filme (como visto acima)

TÍTULO ORIGINAL: CLASH OF TITANS
Direção: Louis Leterrier
Gênero: Aventura
Elenco: Sam Worthington, Pete Postlethwaite, Mads Mikkelsen, Gemma Arterton, Alexa Davalos, Ralph Fiennes, Liam Neeson
Duração: 118 min.

Estreia: 21 de Maio de 2010




1 Hit Combo :

Léo disse...

É, os efeitos desse filme me agradaram, e me faz pensar:
"God of War o filme tem que ser muito melhor do que isso, o que já é consideravelmente bom!"
Boa análise Ryu, e valeu pelas dicas quanto as opções de como assistir, creio que vai poupar decepções desnecessárias, de modo que você expressou os diversos pontos de vista das diferentes experiências.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...