Em Destaque

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

[Sessão Crítica] A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 2: O Final

NESTA POSTAGEM

SESSÃO CRÍTICA
A SAGA CREPÚSCULO: AMANHECER - PARTE 2:  O FINAL

EXTRAS
GALERIA
FICHA TÉCNICA



  SESSÃO CRÍTICA  
A SAGA CREPÚSCULO: AMANHECER - 
PARTE 2:  O FINAL

DESFECHO DECENTE

Eu vou te dizer, toda essa onda de adaptar uma série de livros satura um pouco. Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Jogos Vorazes.. eu gosto muito desses, mas admito que a atenção é tanta que no fim eu dou um ALELUIA, acabou essas benditas sagas quase intermináveis. Agora, dá pra respirar um pouco e ver o que Hollywood tem a nos oferecer. E eis que surge Crepúsculo em meados de 2009. 

O primeiro filme, saiu de surpresa pois eu não conhecia o livro até falarem do filme aos montes pelas redes sociais (naquele tempo o Fotolog estava em moda). Bem, toda a profundidade rasa da saga me fez acreditar que se trata de um telefilme para cinema. 

Não sou um grande fã da série mas admiro algumas coisas no conceito técnico, admito. Como a trilha sonora do primeiro, por exemplo, que é fantástica. Compreendo que a saga tenta ser uma releitura leve das histórias de vampiros. Um universo alternativo contado de uma maneira pessoal por Stephenie Meyer em seus livros (assim como J.K. Howling fez com Harry Potter em relação às histórias de bruxos). 

Em Crepúsculo, os vampiros não usam dentões e são todos adolescentes - uma visão mais realista para uma geração moderna.  O problema disso é mexer com uma lenda tão popular e já muito bem estabelecida por tantas outras obras.

E a culpa é dela: Stephenie Meyer

Bem, A Saga Crepúsculo, a começar especialmente por Lua Nova, não é certamente um tipo de obra para se dedicar a um casal de namorados/ noivos/ casados. O relacionamento entre Edward Cullen (Robert Pattinson) e Bella Swan (Kristen Stewart) figura a imagem de uma irresponsável e despreocupada visão de um casal de adolescentes. Bella Swan é o modelo de Mayer para caracterizar a expectadora adolescente. E é justamente por culpa de Bella esse problema da imagem suja do sexo feminino. 

Basta você ter estado em alguma dessas sessões dos filmes (Lua Nova ou Eclipse, por exemplo) e não sairá até ouvir alguma garota chamando Bella de vadia. Na falta de Edward, está o lobo, Jacob Black (Taylor Lautner). Passando a ser o colírio das expectadoras. 

Jacob entra na história como o Ricardão, o amante que vai oferecer a Bella o amor e amizade que ela não tinha naquele momento sem o Edward. É o que vemos nos relacionamentos de hoje em dia. Um relacionamento que não dura para sempre, que se destrói com facilidade apenas com a distância. Um relacionamento de paixão e não de amor. 

Após o péssimo e desastroso Amanhecer: Parte 1, a interação entre o trio, Edward, Bella e Jacob é mais equilibrada e menos débil. Até Bella está mais tolerável. Kristen ficou um pouco menos inexpressiva. 

Até detono o Parte 1, mas admito que a fotografia é belíssima assim como o figurino. Isso nas cenas de casamento, feita com perfeição para as sonhadoras e afastar mais ainda as mulheres infiéis de seus maridos (mulheres entre aspas - isso mesmo - pois se tratam apenas de certas pessoas do sexo feminino).
Sim, você verá cabeças arrancadas (sem sangue nenhum - algo que não acho muito coerente - como em certos filmes da saga Star Wars) e corpos voando. E você verá vampiros com superpoderes também, como se estivesse assistindo a um filme de Super-Heróis. Tudo isso aproveitado em uma trágica guerra. Só que não. Bem, isso acontece, mas não exatamente como você imagina. 

É o menos pior de todos os cinco. Não há como não se encantar com Stewart sendo Bella (ainda com um pouco da sua expressão corporal de menina virando mulher) e com a sua filhinha, Renesmee, interpretada por Mackenzie Foy (tem também uma voz graciosa). Há até uma brincadeira do Jacob com isso, quanto ao nome da filha de Bella, se referindo a uma lenda. 
Não é uma obra prima, o filme se arrasta bastante no meio tempo, mas se foca menos no entediante água com açúcar e tenta interagir com o expectador de outras maneiras, agitando com um pouco de suspense e algum humor. Um final decente para uma franquia completamente aborrescente.   

Disponibilizei as minhas Memórias desta Sessão (antes e depois) no meu álbum do Facebook. 
Bem aqui

  EXTRAS   

GALERIA


FICHA TÉCNICA
Título Original: The Twilight Saga: Breaking Dawn - Part 2
Sessão Acompanhada: UCI Norte Shopping - 18:30 (originalmente seria às 18:00 mas perdi a porcaria do ingresso) - 21/11/2012 (Quarta-Feira na promoção)
Gênero: Aventura/ Drama/ Romance
País: E.U.A.
Duração: 115 Minutos
Direção: Bill Condon

2 Hit Combo :

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

que bom o Ryu analisar o filme sem xingar os atores. não que eu seja fã dessa série de filmes, mas é bom alguém vendo as qualidades do filme, ao invés de chamar o Cedrico de Corno Manso.

valeu a analise profissional, Ryu. um dia quem sabe vejo esses filme de Crepusculo, talvez numa sessão da tarde da vida

Mestre Ryu Kanzuki disse...

hehe! Eu achei que ia ser xingado aos montes depois de postar uma crítica sobre algum filme da série Crepúsculo por aqui. Ufa! Escapei. hehe!

E muito obrigado pelo post e fico feliz que reconheceu a responsabilidade da minha parte. E feliz que ninguém se ofendeu com a crítica. ^^

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...