Em Destaque

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

[Sessão Crítica] O sadomasoquismo fofo de 50 TONS MAIS ESCUROS



Fenômeno entre o público feminino, a saga erótica – escrita sob os olhos da ex-dona de casa E. L. James (a exemplo de J.K. Rowlding, abrevia os seus nomes iniciais) – busca sensibilizar o gênero com o seu pornô mais suave e nada tão escuro (exceto pela trama de fundo).

Chirstian Grey está de volta, o famoso ricaço cujo tais poderes de sedução e história sombria só pode ser comparado ao Bruce Wayne – o que o longa deixa cada vez mais claro, desde 50 Tons de Cinza. A magnitude de sua fotografia permanece sendo a maior qualidade da trama, somada a direção de arte. A sensibilidade vem do capricho visual – algo que, se levar em consideração, nos termos mercadológicos (eu sei que isso foi um termo “antiquado”, mas foi de propósito), é o exato ponto G para atrair a mulherada que irá defender com unhas e dentes, independente da qualidade de desenvolvimento da história. Isso é uma bela distração, um belo truque de mestre desde Crepúsculo.  

Porém, 50 Tons Mais Escuros se mostrou superior a febre anterior dos vampirinhos do bem, ainda que seja infantil se comparado a outros longas do estilo quanto no quesito evolução. A relação entre os personagens permanece morna e quando a coisa começa a buscar alguma empatia, quanto a relação entre eles e o público, o laço é cruelmente cortado por uma outra tomada. Fora isso, tudo acontece muito rápido, como num videoclipe ainda mal acabado, sem contar as cenas repetitivas (nada excitantes). Falta sensibilidade; falta romantismo; falta a perversidade prometida (da sua maneira sutil). Falta tudo.

Fica ainda a questão da importância de Ana (stacia) no longa se o destaque fica mesmo para o enigmático personagem C. Grey ( o que não duvido nada que venha ganhar um filme solo depois disso tudo ). Mas a presença de um antagonista, Jack Hyde (Eric Johnson), já nos transparece aquela boa intenção de esquentar a história, deixando o arco de Ana mais interessante e de deixarmos curiosos como seria a reação de toda essa relação triangular entre Ana, Jack e Grey.   

Ainda que a trama seja melhor que o longa anterior, nos trazendo um pouquinho mais profundo (mas sem tantos tons escuros assim), também é possível presenciar os personagens interagindo em ambientes mais acinzentados, secos, e os protagonistas com visuais mais sóbrios (característico de toda e qualquer sequência de drama ou romance que se preze), bastou trabalhar mais nisso já que num momento onde deveríamos sentir mais por eles – ou pela sua falta – lá vem a tomada assassina que corta aquela vontade de amadurecer do roteiro.  Apesar disso, algum suspense apimenta o caminho (um triunfo técnico acima do anterior).

O baile de máscaras, antecipada por uma rápida e excitante expectativa, é uma das melhores cenas visuais do filme (deixando algum clima real de tensão no ar) e é uma pena não ter sido mais aproveitada. No quesito geral de sedução, 50 Tons Mais Escuros trata-se de um videoclipe frio mas que busca se redimir nos momentos finais toda a intensidade que estava lhe faltando. É uma tendência preguiçosa dos produtores de hollywood hoje em dia: sempre que se pensam num longa como franquia, procuram se economizar ou se conter nas cenas de ação para descarregar toda a violência no clímax. Se bem que Grey e Ana buscam a redenção da “violência” desta vez. Se isso é uma coincidência ou não, logo em tempos do politicamente correto, agora testemunhamos a ideia do “sadomasoquismo fofinho”.

Momento Pós-Crítica
As transas mais parecem dignas de uma classificação 12 anos (como aquelas novelas globais ou dos filmes de James Bond onde são tão rápidas que só vemos um improviso). Perto do que o gênero já mostrou em hollywood,  a maioria são cenas dignas de criança. A gente até entende que se trata de uma história romântica feita para mulheres mais sensíveis e que as coisas não precisam ser tão escrachadas, assim como os pornôs legítimos direcionadas ao público masculino, mas até o livro é mais intenso e mais detalhado nessas partes, levando páginas e páginas de explicação e detalhes.  É uma vergonha.


ATENÇÃO: Fiquem durante os créditos


MEMÓRIAS DA SESSÃO
Estava com uma dor de cabeça daquelas. Dei aquela escapada na Sexta para o Nova América. Passei pela praça de eventos, imaginei os meus melhores momentos do ano mas no lugar tinha um parque para crianças e vi aquele espaço vazio recriando algumas memórias. Comprei um hambúrguer novo do Burguer King por recomendação do atendente e matei o que tava me matando: a fome. Era a hora da Sessão. 

Correndo pra ver a hora da sessão - naquela torcida de chegar a tempo pra comprar - vejo que não tem fila e decido ir no primeiro posto de atendimento, chegando próximo eu vejo uma morena de pele clara e sardas com aquele olhar penetrante e sorriso charmoso com leves piscadas ao olhar para os lados e movimentos sutis, além da fina educação, retribui da mesma forma. Eu perguntei o horário da sessões, com preferencia de assistir a versão legendada. Eu fiquei na dúvida, pelo horário, e ela, com empatia: "-Termina às 11:15". Então: "-Tudo bem !" Ela disse alguma coisa pra alguma das colegas e voltou o rosto pra me entregar o ingresso "-Tenha um bom filme" com um rosto simpático. Além de profissional, eu diria que a moça era um conjunto perfeito de sedução: bonita, sensual e muito empática.  Só que aí eu penso: será que ela deve ter falado para as companheiras de profissão da admiração que ela teve ao ver que eu era o único homem a assistir 50 Tons Mais Escuros sozinho que ela atendeu?

O público da sessão era diversificado. Mulheres em dupla ou em grupo - algumas de visual masculinizado e casais de várias idades. E mais lá pra frente, próximo a tela, havia um jovem soldado sozinho (corajoso, como eu) com o pé sobre o joelho, tranquilão.  

Todos assistiram muito comportados. Ao lado, acompanhado de sua amiga, uma garota passou a interagir com o filme em momentos cruciais - nas cenas picantes, caia na risada, e em um momento surpresa, "-UII!", ela soltou um arrepio tão alto que uma das garotas sentadas embaixo, acompanhado de um colega, começou a rir e a outra também.


  SESSÃO CRÍTICA-
50 TONS MAIS ESCUROS

Sessão Acompanhada: Kinoplex Nova América – 17/02/17 (Sexta-Feira) - Legendado

1 Hit Combo :

Synbios disse...

"tudo acontece muito rápido, como num videoclipe ainda mal acabado, sem contar as cenas repetitivas (nada excitantes). Falta sensibilidade; falta romantismo; falta a perversidade prometida (da sua maneira sutil). Falta tudo."

1- Melhor parte da sua resenha do filme.
2- Leu o livro? Fiquei curioso...
3- Infelizmente não fiquei para os créditos, peguei uma sessão que terminava em um horário que o BRT era meio "tenso" e decidi não arriscar.
4- Agora acho que você vai se lembrar do Museu do Videogame toda vez que for no Nova América, assim como o BRT Transolímpica traz várias recordações inesquecíveis para mim, para o bem e para o mal, exemplo... ;)
5- Na sessão que eu assisti eu fui o único homem que viu o filme sozinho, mas não teve reação de ninguém não. Se teve, deve ter sido pelo lado cômico mesmo, ou então acharam que eu era louco. Na minha sessão o público era formado de jovens, garotas sozinhas, em grupos de amigas ou acompanhadas dos namorados.
6- Eu já não tive a mesma sorte, na minha sessão o pessoal já era menos comportado e boa parte ficou conversando durante o filme inteiro. Assisti no Carioca Shopping.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...