Em Destaque

sábado, 2 de maio de 2015

[Sessão Crítica] Frozen: Uma Aventura Congelante - Legendado & Dublado





  NESTA POSTAGEM  

*********************
ÍNDICE  - ÍNDICE ÍNDICE 
**********************
SESSÃO CRÍTICA
FROZEN: UMA AVENTURA CONGELANTE

EXTRAS
OUTRAS ADAPTAÇÕES
CARTAZES
FICHA TÉCNICA

*********************
ÍNDICE  - ÍNDICE ÍNDICE 
**********************

 SESSÃO CRÍTICA 
FROZEN: UMA AVENTURA CONGELANTE

DE VOLTA À FORMA
Frozen completa 2 anos de lançamento nos cinemas e é um dos destaques na programação do Telecine Premium

Há quanto tempo que você não escuta inconstantemente uma música da Disney tão cantada por aí? Eu diria que, talvez, há muito tempo. Essa badalação total em relação a esse título lançado em 2013 (vencedor de 2 Oscars, Melhor Longa de Animação e Canção Original), causou certa irritação em algumas audiências (eu incluso), mas antes de me manifestar sobre o longa, preferi conferir (como tenho feito quase que desde sempre) e reconhecer que toda essa barulheira na cabeça é até.. compreensível.  

*A Pequena Sereia - adaptação de sucesso que alavancou a Disney em uma maré de sucessos em 1989 - é do mesmo autor da história que deu origem a adaptação Frozen.

Este 53º longa animado da Disney é inspirado no conto dinamarquês "A Rainha da Neve" ("Snedronningen") de Hans Christian Andersen. Publicado pela primeira vez em 21/12/1844. A história original gira em torno da clássica luta do bem contra o mal protagonizada por duas crianças, Gerda (a mocinha) e Kal (o mocinho), respectivamente. Andersen demorou apenas 5 dias para escrever, apesar de ter sido um de seus contos mais longos. O autor também foi responsável por outras obras famosas, como A Pequena Sereia*, O Patinho Feio e A Polegarzinha (adaptado em animação cinematográfica pela Warner em 1994).

 Uma das publicações do livro de origem, na arte de Mary Engelbreit (10/01/93)

Num resumo da mágica (Filme x Livro):  Frozen, assim como as demais adaptações clássicas da Disney, fica muito distante de sua obra original. Os 3 principais personagens estão lá, essencialmente. A protagonista, Elsa de Andrelle, que no conto original já é rainha e é apenas chamada pelo nome do título, está suavizada na história. Anna (irmã de Elsa) não tem parentesco algum e é uma das principais mocinhas, no conto; e Hans, o príncipe, é o reflexo das aparências (uma direta comparação com o espelho amaldiçoado do livro). Kristoff é o mocinho e, no conto, o protagonista que acaba passando por maus bocados para receber a lição de moral. 

Em cena: Anna (Kristen Bell), Olaf (Josh Gad; se destaca como o alívio cômico da animação) 
e Kristoff (Jonathan Groff)

Esta adaptação busca trazer para os tempos atuais uma reflexão sobre a geração em que vivemos. É cada vez mais familiar testemunharmos os relacionamentos breves - aonde a felicidade e a perfeição está apenas na aparência (as redes sociais deixam esse registro muito transparente) - e, por vezes, aqueles casos delicados como a distância emocional entre os familiares (a falta de afeto pode transpor o sentimento em um coração gélido com a solidão ?). Do ponto de vista simples da trama, ao buscarmos explicações filosóficas (ou metafóricas) se pode encontrar várias interpretações sobre o mundo real do século XXI. 

Um dos responsáveis pela produção excecutiva é John Lasseter - que também esteve envolvido com Toy Story, o primeiro longa de computação gráfica (CG) que, com o sucesso de público e crítica, desencadeou as demais produções da Pixar e influenciou outros estúdios em meio ao processo. Um formato onde a história estaria mais presente sem o estilo musical formou uma legião de produções com qualidades a altura - agradando crianças e adultos. 

Uma boa história de animação não precisa ser filmada em computação gráfica mas, com todo esse "entupimento" comercial, os produtores parecem acreditar que esta é a única estratégia para vender um longa e de que as animações feitas a mão estão obsoletas (Sim! Steve Jobs conseguiu! Steve Jobs tem o controle! ). Em Frozen, a animação em CG recria o espírito das animações que antes eram filmadas apenas em duas dimensões. Uma aventura "mais família" interferida por atuações musicais que, aqui, estão muito bem encaixadas - acrescentando muito bem ao drama e aos momentos de romances, confrontos ou de existencialismo colocadas em questão.

E neste conflito de sentimentos, Elsa, a princesinha da vez, passa por uma decisão semelhante às pessoas que sofrem por serem diferentes (ou por algum segredo que guarda) e esta libertação vem junto a canção "Livre Estou!" (que na versão legendada é conhecida como "Let it Go!"), onde ela então se estabelece em harmonia com a pessoa que é. Se sairmos daquele mundo mágico e compararmos isso ao nosso mundo, este é uma situação de "quase desabafo" da ficção.

Em um mundo que se torna cada vez mais espalhado por desigualdades, movimentos e lutas (ainda que por vezes "silenciosas") a canção tema é simbólica (não só pelo ritmo mas pelo que a cena busca representar, até mesmo pela naturalidade da letra). É difícil compreender essa questão sem assistir ao longa já que, entre as crianças, o tema pegou de uma forma inocente, pela intensidade romântica da melodia, do que pelo assunto mais social.

A liberdade é um dos temas mais corriqueiros da humanidade - sendo um dos principais temas de Frozen. E por se tratar de um momento icônico da cultura pop, certas 'imitações' viram adaptações parodiadas - do humor crítico ao boçal. Podemos testemunhar coisas como a canção "- Que Calor!" (gravada por uma usuária do Facebook) ou então a frase "-Você quer brincar na neve?" (tradução dublada de "-Você quer fazer um boneco de neve ? ") usando personagens de outras histórias em montagens/ desenhos.

E quanto a Disney, em meio a este mundo que tenta mudar, ela se transformou? Não, ela não se transformou, apenas "adaptou", com este trabalho, o mundo de transformações em que vivemos. Um mundo de mudanças e a maneira independente como as pessoas podem se aceitar, de alguma maneira. Talvez seja esse o motivo tão importante que Elsa deixa de ser a antagonista dos livros e se torna, então, a homônima princesa Disney com superpoderes.

ATENÇÃO: FIQUEM ATÉ DEPOIS DOS CRÉDITOS

--------------------------------------

MOMENTO PÓS-CRÍTICA
--------------------------------------
A primeira tentativa de adaptar Frozen aconteceu em março de 1940, mas sem ter ideias de como apresentaria a sua versão, a Disney engavetou o projeto. Depois de suscetíveis tentativas entre 1990 e 2008, a ideia começou a se concretizar em 2010, quando o título foi inicialmente chamado de "Anna e a Rainha da Neve". A produção começou logo após Enrolados (a adaptação do conto de Rapunzel).


 EXTRAS 

OUTRAS ADAPTAÇÕES
Antes de Frozen, a rainha da neve também ganhou outras adaptações. 
Confira algumas.

A Rainha das Estações
( "Snow Queen" )
A renomada atriz Bridget Fonda é a rainha da neve

Direção: David Wu  País: Estados Unidos/ Inglaterra  Ano: 2002 
Duração: 156 Minutos Distribuição: Alpha Filmes

Sinopse: Uma aventura fantástica no reino das quatro estações do ano, em que uma jovem tem seu namorado raptado pela cruel princesa do inverno. Uma princesa cheia de planos para tornar-se a rainha das estações e dominar a terra. Cabe a linda jovem, a missão de resgatar seu namorado e impedir que a terra vire um lugar onde o inverno, a neve e o gelo façam parte da paisagem para sempre. 
Filme produzido pela Hallmark Entertainment.

A Rainha da Neve
( "Snow Queen" )
Respectivamente: A Rainha da Neve (Tiffany Amber Knight) e Gerda (Sydney White; representada pela personagem Anna, na animação da Disney)

Direção: Julian Gibbis País: Inglaterra  Ano: 2005 
Duração: 56 Minutos

Sinopse: Gerda tem um novo amigo: o garoto Kay. Mas esta recente amizade é interrompida bruscamente, quando numa fria noite de inverno, pedaços de gelo entram nos olhos de Kay, deixando seu coração congelado e sem emoções. Sob o encanto da Rainha da Neve, ele parte repentinamente numa carruagem pela cintilante paisagem rumo ao gélido palácio real. Gerda embarca numa mágica e perigosa jornada para encontrar e resgatar Kay, que finalmente chega ao imponente Palácio de Gelo, onde terá que superar os incríveis poderes da Rainha da Neve. Filme produzido pela a TV BBC


O Reino Gelado
( "Snezhnaya Koroleva" )
Ganhou uma continuação em 2014

Direção: Maksim Sveshnikov & Vladlen Barbe País: Russia  Ano: 2012 
Duração: 80 Minutos 

Sinopse: Desejando criar um novo mundo no qual o vento polar esfrie as almas humanas, a Rainha da Neve cobriu o planeta com gelo e ordenou a destruição de todas as artes e artistas. De acordo com as previsões de um espelho mágico, a última ameaça aos seus planos estaria no mestre-vidreiro Vegard, cujos espelhos refletem as almas das pessoas. Vegard e sua esposa Una são sequestrados, deixando seus filhos Kai e Gerda para trás. O tempo passa e os servos da Rainha capturam também Kai, acreditando que o garoto é o sucessor de seu pai. Mas sua irmã Gerda, uma jovem muito corajosa, embarca em uma jornada pelo reino, encarando todos os obstáculos para salvar o irmão e voltar a aquecer os corações das pessoas. Também em 3D


Yuki no Joou: A Rainha da Neve 
(雪の女王 ~THE SNOW QUEEN~ Yuki no Joō ~Za Sunō Kuīn~ )
Animação Japonesa ainda inédita no Brasil

Direção: Osamu Dezaki País: Japão  Ano: 2005-2006 
Duração: 36 capítulos 

Sinopse: Gerda e Kai foram vizinhos e melhores amigos desde a infância. Gerda agora tem onze e Kai, doze. Eles eram crianças felizes que trabalharam e brincavam quando podiam. Tudo isso mudou quando o espelho da rainha da neve quebrou. Os cacos foram espalhados pelo mundo todo, cada um contendo o mal. Se um caco entrar dentro do seu olho, seria transformar o seu coração em gelo. Um fragmento foi para o olho de Kai. Depois disso, ele cresceu frio para aqueles que ele amava. Uma noite, a rainha da neve veio em seu encalço. Ela o levou em sua carruagem e eles voltaram para o seu castelo de gelo no ponto mais distante do mundo, ao norte. Todos na aldeia de Kai e Gerda não sabiam pra onde ele foi e acreditavam que ele morreu de afogamento nos confins do lago congelado. Gerda não acreditar, pois ela viu Kai entrar na carruagem em um sonho. Quando um homem bêbado admite que ele também viu isso, Gerda começa perceber que talvez o que ela viu não foi um sonho. Ela embala suas coisas e vai em uma jornada para salvar Kai e trazê-lo de volta para casa. 
Série produzida para o NHK.


The Snow Queen: A Rainha da Neve 
("The Snow Queen")
A animação inédita no Brasil. 
Conta com Hugh Laurie (do seriado "House") entre as vozes

Direção: Martin Gates País: E.U.A.  Ano: 1995 
Duração: 75 Minutos


Sinopse: Tom e sua irmã Ellie vivem numa cidade normal levando vidas comuns, mas não por muito tempo - em um distante e gigantesco palácio de gelo, a rainha da neve planeja um vasto domínio do mundo! Uma aventura musical ágil, engraçada em uma bela animação baseada no conto de fadas clássico de Andersen. Ganhou uma continuação.

CARTAZES


FICHA TÉCNICA
Título Original: Frozen
Gênero: Animação (Aventura)
Sessão Acompanhada:  02/05/2015 - Telecine Premium (Sky+ - 61)
Data de Lançamento: 10 de Novembro de 2013 (E.U.A.); 3 de janeiro de 2014 (Brasil)
Duração:  102 Minutos
País: E.U.A.

5 Hit Combo :

Synbios disse...

Boa resenha e belo trabalho de pesquisa. E... caraca... então a Elsa original é "do mal", fiquei surpreso, hehehe. Sobre as piadas com o longa, outra digna de menção é o "casal" que inventaram no Facebook: Sub-Zero e Elsa. Criativo e hilário, compartilhei quando vi, uahahahaha.

B - Mark disse...

Assisti Frozen no Telecine em um domingo com minha mãe e gostei muito dele.

A Rainha da Neve em muitas das adaptações do livro aparece como antagonista mas em Frozen achei uma surpresa ver que Elsa não era a antagonista e sim Hans.

Eu e minha mãe também estamos assistindo a série Once upon a Time e a Elsa apareceu na 3a Temporada e minha mãe ficou impressionada com a semelhança entre a atriz e a personagem.

Antes de Frozen ser produzido eu já tinha assistido a Yuki no Joou: A Rainha da Neve mas só vi 2 episódios e legendado em Inglês porque nunca vi fansubber brasileiro legendando ele em Português.

Sobre as outras adaptações eu ainda não assisti mas faltou a animação Russa produzida em 1957.

O artigo sobre ela no Wikipedia pode ser visto nesse link
http://en.wikipedia.org/wiki/The_Snow_Queen_(1957_film)

Um fato curioso sobre essa animação Russa é que Hayao Miyazaki gostava muito dela e que foi uma das influências que o levou a trabalhar com animações e mais tarde ele conseguiu os direitos de distribuição dela no Japão com áudio em Russo e Legendas em Japonês.

Mestre Ryu Kanzuki disse...

Haha, eu me lembro dessa paródia, Marcio.

Puxa, que legal, B.Mark. Também me surpreendi com esse fato do Hans. E achei bem sacado a Disney mudar a identidade da rainha da Neve. Se a história continuasse mantendo a mesma Elsa do livro ou de outras adaptações, creio que ficaria semelhante ao que a Disney já cansou de produzir anteriormente (com clássicos como Cinderela, A Bela Adormecida entre outras.. onde sempre tem a "bruxa malvada").

Achei bem sacado mesmo, foi de certa maneira uma adaptação devida aos tempos atuais.

Synbios disse...

Ah, e essa canção "que calor" da usuária do Facebook foi até matéria de capa do Jornal Extra aqui no Rio de Janeiro, lembro que a garota é que fez a paródia é de Taquara/Jacarepaguá.

Paola Sánchez disse...

O sucesso deste filme da Disney, desde então, chegou a conquistar os corações de crianças e adultos. Uma história de amor e fantasia, que eu gosto do caráter de Olaf na voz pelo ator Josh Gad, é o meu favorito. Agora podemos desfrutar deste ator engraçado no filme Padrinhos Ltda, a mesma é uma nova opção de diversão. Bem, a verdade é que Frozen veio para ficar nos corações de todos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...