terça-feira, 11 de junho de 2019

[Sessão Crítica] X-Men: Fênix Negra 3D Xplus

O ENCERRAMENTO DE UM CICLO


Num espaço de oito anos antes do Universo Cinematográfico Marvel surgir, havia o Syngerverso – o universo X-Men do diretor Bryan Singer iniciada por X-Men: O Filme em 2000. O modelo defendia uma adaptação fora do gênero super-heróis habitualmente conhecido (num contexto mais infantil) para seguir um gênero tradicional e mais aberto às grandes audiências. O jeitão Ficção-Científica foi muito bem sucedido – fugindo das fantasias coloridas e rostos mascarados como nas HQs – e garantindo uma nova geração de vigilantes uniformizados.

Embora esta abordagem mais atualizada, que tenha reinventado a forma de se fazer filmes com personagens da MARVEL, tenha começado já na caminhada para o fim dos anos 90 com Blade: O Caçador de Vampiros, era a primeira vez que veio a ocorrer com um supergrupo e de uma forma tão bem sucedida. Abraçando temas sociais a exemplo das HQs – nascida em uma era de intolerância racial – esta fórmula caiu muito bem e trouxe profundidade ao incluir a fantasia.

Entre altos e baixos – embora mais altos que baixos – a cinessérie X-Men de Bryan Singer lançou grandes astros como Hugh Jackman, inspiraram grandes obras-primas como Logan e ainda imortalizou mais Patrick Stuard e Ian McKellen sendo incrivelmente substituídos por James McAvoy e Michael Fassbender em X-Men: Primeira Classe. Embora Singer não esteja intimamente ligado em todos os longas, o universo que ele sugeriu certamente foi importante para esta guinada aonde as interpretações e a atmosfera valem mais do que os uniformes.  Abordagem madura desde que foi roteirista do premiado Os Suspeitos de 1995 (o filme que deu o Oscar a revelação Kevin Spacey). Deixando as polêmicas de lado desses astros de Hollywood, Singer e Spacey, e focando na importância artística deixada como legado.

Nos primeiros filmes dirigidos por Singer, ainda havia aquela resistência pela fantasia - totalmente representada pela frase autocrítica: - Que você queria, lycra amarela ? de Ciclops (James Mardsen) para Wolverine (Jackman) no sofisticado e futurista  jato do grupo sobrevoando Nova York. O uniforme escuro de couro predominou até X-Men: O Confronto Final (2003) sendo que neste último, características mais fantasiosas e mais conectadas aos quadrinhos e ao desenho clássico se tornavam intimamente ligados, agora, nas mãos do diretor  Brett Ratner (A Hora do Rush).

Incompreendido e ousado, O Confronto Final dividiu opiniões mas trouxe a melhor visão de uma saga da Fênix Negra embutida na cinessérie até então – brilhantemente conectado com as consequências dramáticas do filme anterior e expandido o caótico destino (acrescentando acertadamente o desafio a todos os heróis). Os reflexos impactavam diretamente os eventos posteriores – como um desfecho melancólico para uma trilogia – como em Wolverine Imortal (o melhor filme solo depois de Logan – havia ainda ideias para X-Men Origens: Ciclops, Magneto e Gambit nunca saídas do papel). A tragédia faz parte das grandes sagas de super-heróis e o Confronto Final merece ser louvado por tamanha coragem de Retner, mesmo que seja outro artista metido em polêmicas fora dos holofotes (nesse caso, desconsideramos isso por hora).

Mostrando tudo o que poderia num desfecho com o elenco da já velha guarda (talvez Synger envolvido, poderia amparar algumas arestas que reforçariam os atos individuais de alguns personagens ou aumentar ainda mais a importância de Magneto como em Apocalipse ? talvez, jamais saberíamos) o diretor Matthew Vaughn que veio Quebrando Tudo em Kick-Ass, assume a direção de uma nova era para os X-Men, sem deixar de manter o estereótipo de Synger, resolve aderir um retorno ao passado a fim de contar uma nova história de origem mais densa e com um igual elenco espetacular, com algumas mudanças de lado dos personagens que incomodam os mais conservadores e fica suscetível a comparações posteriores. X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido chega como a sequência a fim de adaptar uma das mais incríveis sagas dos quadrinhos e aproveita para criar um grande encontro com as duas gerações muito bem estabelecidas no cinema e nas mãos de Synger, de volta à direção em um período já turbulento no lado externo.   

Mas depois de duas adaptações excelentes, considerando Logan, vem o declínio cinematográfico do império mutante e dando margem para as críticas negativas implicitamente contidas com um: –Eu avisei! X-Men fraquejou em Apocalipse e, pelo jeito, não se tornam felizes quando envolve um clímax da saga com o supergrupo – Se o injustiçado O Confronto Final dividiu opiniões e Apocalipse se tornou a maior decepção nas mãos da direção de Bryan Singer (depois de uma introdução muito boa com X-Men: O Filme e o excelente X-Men 2).

X-Men: Fênix Negra prega amarguradamente, com um caixão, esta longa e surpreendentemente cultuada cinessérie para um público novo – mantendo uma cronologia que respeita o elenco do passado (2000-2003) e presente (2011-2019) nos seus devidos lugares (tirando lógicas e questionamentos mais aprofundados).

O elenco foi respeitado, como foco nesta versão mais jovem do supergrupo, portanto, o envolvimento dos espectadores é considerado ainda que o roteiro e o andar da carruagem – especialmente na metade do filme – sejam bastante arrastados. Nada de surpreendente acontece, exceto pelo destino que transforma a família de mutantes. A introdução, especialmente, mantém a atenção em consequência os conflitos – as cenas de ação continuam empolgantes com a exploração dos superpoderes e a interação de grupo. Pela primeira vez, uma história da cinessérie com elementos espaciais, algo verdadeiramente novo e interessante do ponto de vista fantástico em um ambiente realista montado.

Se o desenvolvimento é frio, diálogos robotizados, quem carrega nas costas são as boas atuações do elenco – especialmente, Sophie Turner (Jean Grey/ Fênix) e Michael Fassbender (Magneto) pela grande relação de seus personagens com a história, sem contar com os demais – James McAvoy (Xavier) trazendo uma vertente mais seca de seu personagem, destaque também para essa relação que conflita com Nicholas Hoult (Fera). Até mesmo Jessica Chastain vale ser destacada pela sua considerável atuação mais sutil na pele de  Smith.

No quesito sonoro, vale destacar que o som é um ponto forte – valendo uma conferida no formato Xplus pela poderosa tridimensionalidade – valorizando as composições do lendário Hans Zimmer (Missão Impossível 2; Batman: O Cavaleiro das Trevas). 

Simon Kinberg, responsável também pelos roteiros de Primeira Classe, Dias de Um Futuro Esquecido, esteve presente na cinessérie desde 2003 (com O Confronto Final) e agora estreia como diretor (tendo também roteirizado Fênix Negra). Como estreante na direção de Fênix Negra, Kinberg usa interessantes enquadramentos de câmera que trazem um tom sofisticado à narrativa e merecem uma observação mais sensibilizada.  

É curioso observar a descrição de Kinberg no Wikipédia: é conhecido como um dos piores roteiristas e produtores de cinema norte-americano nascido na Inglaterra. Tem por vez produção ou roterizações catastróficas de alguns filmes da franquia X-Men. A descrição na mais famosa enciclopédia da web é mais autoral que didática, mas percebe-se que é realmente fruto de amor e ódio entre os fãs dos quadrinhos. Se acerta com o agrado de alguns títulos (foi produtor de Logan e Deadpool), erra com outros (produziu e roteirizou X-Men Apocalipse). Fora do universo dos X-Men, vale lembrar que Kinberg trabalhou com o eterno Homem de Ferro, Robert Downey Jr., como roteirista de Sherlock Holmes (2009). 



Se foi proposital essa falta de inspiração para X-Men: Fênix Negra – aonde algumas coisas acontecem (com uma perda impactante na trama) mas nada levado como a aparência de um evento grandioso, tudo muito frio, e nada mais além ou ousado como se espera para refletir depois – devido a venda da FOX para a Disney (que já planeja recriar a história dos mutantes no cinema, mais uma vez) provavelmente, jamais saberemos – por segredos comerciais.

Esse querido Syngerverso pelo público amplo, é até então o maior já feito com personagens MARVEL no cinema - um total de 19 anos (que se completarão agora no dia 19) contra os 10 do novo UCM. X-Men: Fênix Negra não é muito longe de ser o pior filme da franquia já que, ao menos, consegue ser menos fraco do que o fatídico (e paralelo) X-Men Origens: Wolverine.



MEMÓRIAS DA SESSÃO
Mais uma sessão de domingo, consegui ser recepcionado por uma atendente nota 11 que me desejou um Bom Filme com um sorriso e, de quebra, quebrou o meu galho com o pôster do Aladdin que não me deram na sessão anterior (eu havia comprado com o UCI Unique e não havia recebido). Vi que tinha uma nova remessa de pôsteres e solicitei.  Antes dele, o de X-Men: Fênix Negra. A atendente virou pra mim e expressou um: “- Shh! Não pode!” e me entregou o pôster do Aladdin quando citei a minha história dramática (“-Semana passada eu comprei pro Aladdin  também e..”). Bendito seja os dois atendentes anteriores, e um deles o mesmo cara que havia me atendido na sessão de Vingadores: Ultimato que mal me atendeu e simplesmente fez sinal que não tinha mais nenhum pôster com aquela cara de pit-bull debochado.

Nesse caso, em especial, jamais vou me esquecer da atendente que me recepcionou num gesto caloroso e  teve coração para me entregar os dois posters. Enfim, recebi o que paguei (tanto pelo pôster do Aladdin quanto pelo de X-Men: Fênix Negra). Eu já estava denunciando – se fosse aquele mesmo atendente que me recepcionou mal me dizendo que não tinha mais pôster. É por essas e outras, que prefiro, em muitas vezes, ser atendido por mulheres, enquanto tem homens com aquelas caras de pit-bull que não tem sensibilidade para atender e trata como relevante.
 
Como já bem comentado, as luzes se acenderam nos créditos e pra piorar uma mulher ao fundo – responsável pela recepção dos óculos 3D – gritou um: “-Não tem cena pós-crédito ! ” tudo bem avisar, é o direito dela – mas o nosso é mais importante: não podia pelo menos deixar as pessoas descobrirem ? Achei nada a ver. Logo, 90% da sala estava saindo ficando algumas pessoas (talvez não tenham ouvido ou fizeram como eu – ignoraram o aviso para se manter em sua experiência própria). Um grupo de garotas atrás conversavam ao fim do filme como se fossem You Tubers – uma delas ainda afirmou: “-O filme é horrível ! ”e continuou “-Agora entendeu as críticas ? ”
Saindo, disse obrigado, a mulher – colaboradora do UCI Parkshopping – nem respondeu. Nem era madrugada, eram umas 19:00 de domingo e a pessoa fica assim, emputecida, por que é de lei o espectador ficar até o fim da sessão (e a MARVEL Studios, felizmente, ajudou a reeducar isso).
Não havia cena pós-créditos, realmente, mas há umas vozes ao encerrar os créditos (talvez seja parte da trilha sonora ou referencias ao filme mesmo). Por essas e outras, mesmo que não tenha nada, se é fã mesmo de cinema, recomendo que fique até os créditos para não perder nenhuma mínima experiência que seja. Faço isso desde que me entendo por espectador e colecionador de filmes – meu pai, em algum momento, percebeu que isso era importante enquanto gravávamos filmes em VHS na década de 90.  



00SESSÃO CRÍTICA00
X-MEN: FÊNIX NEGRA
Sessão Acompanhada: UCI Parkshopping - 17:00 - O 06 – 09/06
Slogans: Uma Fênix Surgirá. Os X-Men Cairão; A Fênix Ressurgirá

1 Hit Combo :

Synbios disse...

Hoje eu vou dar uma de advogado do diabo. Essa do público em geral preferir ser atendido por funcionárias do sexo feminino quebra legal a gente. As mulheres prefererem por causa da representatividade/identificação/sororidade e os homens preferem pela simpatia/beleza/interesse sexual. Isso deixa as mulheres com um caminho "mais fácil" para cumprirem suas tarefas, mas a cobrança para os dois gêneros é as mesmas, as atribuições são as mesmas, e, principalmente, as metas a bater são as mesmas. Isso gera um desequilíbrio na hora de apresentar os resultados ao fim de um ciclo, geralmente ao fim do mês. No meu trabalho já tive sérios problemas com isso, o maior e mais impactante foi em 2015, quando um cliente deixou uma pessoa passar à frente para que ela fosse atendida por mim pois ele queria ser atendido pela minha colega ao lado. O atendimento dele em questão era um empréstimo de 50 mil reais! Depois desse dia a vida da atendente que trabalhava comigo mudou completamente por causa dessa "cagada". Ela ficou famosa entre as agências do centro do Rio, foi chamada para dar palestras(o que multiplicou o networking dela), ganhou uma promoção, conseguiu um casamento. Não vou desemerecê-la porque ela é muito competente e tem méritos na sua conquista, é boa funcionária, inteligente, ágil, proativa, comunicativa, tem perfil de atuar como gestora, mas o caminho que teoricamente seria muito mais difícil e tortuoso, foi pavimentado com o atalho citado aqui e criado neste dia pelo fato dela ser mulher. Gosto muito dela e acho que cedo ou tarde ela seria promovida porque ela é competente, mas o que demoraria 2, 3 anos para acontecer levou menos de 6 meses. Assim como aconteceu com ela, com certeza já aconteceu com muitas outras. Mas que ao contrário dela, talvez tenham capacidade e competência questionáveis...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...